Recuperar Senha
Fechar
Entrar
22 de Março - Quarta-feira - 14:30

Caso dos frigoríficos revela a ponta de corrupção endêmica na certificação de alimentos

O escândalo dos frigoríficos revelou parte de uma corrupção endêmica que pode existir há décadas. Ontem, um empresário cuja família trabalhou com embutidos em BH lembrou que “nos anos 70 os salários dos fiscais da secretaria de Agricultura de Minas eram pagos pelos próprios frigoríficos”. E tudo então parecia normal, segundo essa testemunha ocular da história.

 

PONTA DO ICEBERG

Se a PF e o MP aprofundarem as suas investigações sobre as traficâncias na certificação de alimentos, podem chegar à conclusão de que o caso dos documentos adulterados da carne é só a ponta de uma próspera indústria. A corrupção dos certificados, segundo boa fonte, lembra a de obras públicas, disseminada e envolvendo os vários níveis da hierarquia do poder público e empresarial. Não é à toa que personalidades dos grupos investigados como Abílio Dinis e Luís Furlan, presidente e membro do conselho da BRF, estão recolhidos às sombras, em constrangido silêncio.

 

BOIS E CARRAPATOS

Policiais estão justificando o estardalhaço da PF na Carne Fraca com o argumento de que só ações de alto impacto conseguem estourar esquemas de corrupção sistêmica, endêmica e antiga como a dos frigoríficos. Então, se eles tiverem razão, o Brasil precisa matar seus bois para acabar com os carrapatos? A moralização do país passa pela devastação da economia?

22 de Março - Quarta-feira - 14:00

Projeto cultiva novas florestas em Minas

 "Plantando o Futuro", projeto estadual de desenvolvimento sustentável coordenado pela Companhia de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais (Codemig), realiza em Itabira plantio de mais de 6 milhões de mudas para plantação de florestas. Clique na fotonovela para ver imagens.


22 de Março - Quarta-feira - 12:00

Escândalo da carne pode afetar exportações de todo agronegócio brasileiro

Os estragos econômicos e sociais do escândalo dos frigoríficos podem ser muito maiores do que se pensou inicialmente, ultrapassando os limites do mercado da carne. Há riscos de uma crise sistêmica no agronegócio, com a repercussão negativa da Operação Carne Fraca atingindo outras cadeias do setor. “A dúvida sobre a carne lança desconfiança também sobre os demais alimentos exportados pelo Brasil”, comentou Stefan Salej, ex-presidente da Fiemg e hoje no conselho da Fiesp.

TERMÔMETRO

Salej viajou ontem (21) para Buenos Aires como representante da Fiesp junto ao encontro que membros do Mercosul e da União Europeia estão realizando na Argentina, durante esta semana, numa tentativa de retomada do diálogo comercial intercontinenta. O evento deve dar indicativos da extensão do desgaste na imagem da marca ‘made in Brasil’. O aumento das barreiras fitossanitárias aos produtos brasileiros já está ocorrendo. Resta saber a sua intensidade e duração.

22 de Março - Quarta-feira - 10:35

Exposição Rodin no Espaço Cultural Tergip

O Espaço Cultural Tergip, localizado no Terminal Rodoviário Governador Israel Pinheiro (Tergip), abrigou a Exposição Rodin, composta por réplicas das obras do escultor francês Auguste Rodin. A mostra é uma ação da Codemig, que administra o terminal desde o dia 1º de março de 2016, oferecendo segurança, conforto e bem-estar a seus usuários. Clique na fotonovela para ver imagens

20 de Março - Segunda-feira - 11:00

Gambiarras de frigoríficos geram crise e pânico no mercado das carnes

A operação Carne Fraca nos frigoríficos deve causar um estrago formidável nas vendas do setor, dentro e fora do Brasil. A repercussão externa é a que mais preocupa. Neste sábado, o presidente da Federação da Agricultura de Minas, Roberto Simões, previu o aumento imediato de barreiras à carne brasileira no mercado internacional. “Foram anos de esforços para abrir espaço às nossas carnes e tudo pode cair por terra pela irresponsabilidade de alguns”, comentou entre desolado e indignado.

BAQUE PROFUNDO

Simões não arriscou nenhuma estimativa dos impactos da operação policial na economia rural. Mas, há especialistas no mercado de carnes esperando uma queda de até 40% na comercialização de produtos, ao menos por certo tempo. Trata-se de um escândalo com força para desorientar empresas e desorganizar cadeias por envolver marcas líderes, cujas imagens são afetadas gravemente pelas denúncias de irregularidades. Especialmente as marcas da JBS, estão sendo abaladas e sofrendo restrições de consumo.

PÂNICO NA BOLSA

Os investidores na Bovespa já sinalizaram que a crise das carnes será brava com a venda em massa de papeis das 02 empresas envolvidas, BRF e JBS: as ações da 1ª caíram mais de 7% e da outra 10% na sexta-feira. Hoje, elas devem levar novo tombo. Um analista de mercado chega a prever baixa tão acentuada das ações dos grupos frigoríficos nos próximos pregões ao ponto de forçar uma parada temporária na negociação dos papeis.

PAÍS DAS GAMBIARRAS

Não é novidade a promiscuidade no mercado de carnes. As gambiarras para aumentar lucros e lesar consumidores, flagrados na nova operação da PF, são antigas no Brasil. A surpresa é a sua prática por frigoríficos de atuação internacional, um deles após investir milhões em marketing para construir imagem de confiabilidade. A crise das carnes bota mais empresas nacionais importantes na lama onde já estão as maiores empreiteiras, Petrobrás e suas fornecedoras, etc. De fato, há tanto empresário brasileiro pego em falcatrua grossa que se torna necessária uma reparação na opinião púbica: não, os políticos não são os únicos responsáveis pela corrupção endêmica no país.

20 de Março - Segunda-feira - 10:50

Exposição "Semelhança, não é igual"

A artista plástica Thelma Quevedo inaugura exposição "Semelhante não é Igual", na Galeria de Arte da FCPEMG. A mostra apresenta 25 pinturas sobre a temática feminina, no mês em que é comemorado o Dia Internacional da Mulher. Clique na fotonovela para ver mais imagens

20 de Março - Segunda-feira - 09:40

Novo ‘imortal’ da ABL recebe doações para pagar fardão de R$ 70 mil

Amigos do poeta, dramaturgo e roteirista Geraldo Carneiro, que tomará posse na Academia Brasileira de Letras no dia 31 deste mês, estão fazendo campanha de doações para ajudar o ‘imortal’ a pagar a confecção do seu fardão. A peça, com bordados a ouro, está saindo por cerca de R$ 70 mil. No site da ABL, informa-se ser “de praxe” o vistoso traje ser “oferecido pelo governo do Estado natal do Acadêmico”.

MINEIRADA

O novo acadêmico, hoje residente no Rio, nasceu em BH no seio de uma família de Conceição do Mato Dentro. Ele será o 4º natural de Minas na ABL, onde já têm cadeira e fardão Afonso Arinos Filho (BH); José Murilo Carvalho (Piedade do Rio Grande) e Zuenir Ventura (Além Paraíba). O grupo mineiro ganhará em breve um 5º membro: Edmar Lisboa Bacha, de Lambari, com posse marcada para abril. São 40 acadêmicos na ABL.

20 de Março - Segunda-feira - 09:30

Conheça o Parque das Águas de Caxambu

A maior atração turística da cidade de Caxambu, no sul de Minas Gerais, é o Parque das Águas, que possui extensa visitação, atraindo turistas do Brasil e de vários cantos do mundo, devido a qualidade de suas águas minerais, gasosas e medicinais serem reconhecidas internacionalmente. Clique na fotonovela para ver mais imagens.

19 de Março - Domingo - 18:30

Vice-prefeito e deputado tratam da volta dos cobradores

A extinção gradual do cobrador nos ônibus urbanos e metropolitanos do Estado voltou à discussão em reunião nesta semana entre o vice-prefeito de BH, Paulo Lamac, e o deputado Celinho do Sinttrocel (PCdoB). Durante a campanha eleitoral, a chapa Kalil/Lamac defendeu a volta dos cobradores, e a ideia ganhou força após a posse. O deputado é autor de PL na ALMG que trata da obrigatoriedade da presença de cobradores nos coletivos.

19 de Março - Domingo - 16:00

Sucessão de chefia na Lava Jato agita MP; afilhada de Gilmar Mendes é favorita

Começou a sucessão em um posto-chave da Lava Jato: a chefia da PGR, responsável por pedir inquéritos e oferecer denúncias dos envolvidos em corrupção federal.  Articulações já ocorrem a todo vapor, a 02 meses do início do processo eleitoral, com 03 procuradores se movimentando nos bastidores do MPF: Mário Bonsaglia, Raquel Dodger e Ela Wiecko. O atual procurador-geral, Rodrigo Janot, sem condições de disputar um 3º mandato, cogita lançar Nicolau Dino. Bonifácio de Andrada, único mineiro que chegou a ser ventilado, não deve se candidatar.

OS FAVORITOS

02 nomes despontam na disputa: Bonsaglia e Raquel, 2º e 3º mais votados na última lista tríplice, eleita em 2015 e encabeçada por Janot. Nas apostas internas, Bonsaglia caminha para liderar as urnas do MP com a imagem de procurador isento, que “bate em Chico e Francisco” segundo as palavras de um colega. Mas, Raquel pode acabar levando a melhor no Planalto por ter a simpatia de Gilmar Mendes, hoje o ministro no STF mais próximo do governo além de presidente do TSE.  A escolha final será de Temer, que poderá alegar intenção de prestigiar as mulheres com a escolha de Raquel, mesmo não sendo ela a preferida dos procuradores.

SEGUE A TRADIÇÃO

A lista tríplice do MP é informal. Segundo procuradores, legalmente Temer pode ignorá-la para nomear quem quiser. Mas, tal hipótese é improvável: o presidente não teria hojeforça política para quebrar a tradição da lista corporativa. Aliás, desde o governo Lula a tradição tem sido de nomeação do mais votado pelos procuradores.