Recuperar Senha
Fechar
Entrar
First Down
16 de Fevereiro - Quinta-feira - 20:36

DETALHES

O Blog First Down conversou com o gestor Bruno Guilherme e fontes próximas à Confederação Brasileira de Futebol Americano

 Por Josias Pereira

Na noite dessa quarta-feira, uma bomba sacudiu o futebol americano brasileiro. Foi anunciada, de forma oficial, a criação de uma nova liga: a BFL - a Brazilian Football League. Um torneio que promete revolucionar o conceito da modalidade no país. Logo que a notícia foi divulgada, várias dúvidas e questionamentos surgiram no horizonte.

O Blog First Down vai tentar elucidar alguns destes pontos após conversa com Bruno Guilherme, um dos melhores gestores de futebol americano no país, e que encabeça este movimento. O contato com o dirigente aconteceu nesta quinta-feira.

O nome americanizado

A explicação para 'BFL' é a padronização e também investir na internacionalização da marca, seguindo os mesmos moldes das Ligas de Canadá, Bélgica e Alemanha, por exemplo.

Sobre o formato do torneio e o receio de algumas equipes quanto a uma possível elitização da BFL

'Não mudamos o formato do campeonato. Continuam os mesmos times que participaram da Superliga 2016 e os times que subiram da Liga Nacional. Quem caiu, caiu... Quem subiu, subiu... Por isso, vamos manter a chancela da CBFA', disse Bruno Guilherme ao First Down de forma categórica

Sobre a ausência de uma Conferência Norte

Foram negadas pela CBFA as especulações levantadas nas últimas horas de que a exclusão se deu por conta da distância ou da estrutura dos times do norte. A Confederação estuda colocar os times desta região do país na Liga Nacional para que depois se chegue a um consenso. No entanto, isto ainda será discutido.

Quanto ao patrocinador master

Contratos de publicidade caminham para este sentido. Eles ainda estão sendo fechados. A ideia é que eles subsidiem os times que disputarão a BFL, trazendo também condições de igualar a disputa.

Alterações em regras, padronizações de campo e etc.

Algumas alterações serão feitas, mas a nova Liga ainda está decidindo o que será feito.

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 

Gestão compartilhada e conversas 'antigas' com patrocinador master 

A nova liga será gerida pelos clubes. Foi o que confirmou ao First Down fontes próximas à CBFA. Estas mesmas fontes confirmaram que os principais times do país foram sondados pelo patrocinador master da BFL nos últimos meses para que a ideia fosse vendida e comprada pelos dirigentes. Não se sabe ainda de onde vem esse dinheiro ou como ele será aplicado (isso vai para o time? Vai para a CBFA? Ou o patrocinador vai cobrir todos os gastos?). Mas, a princípio, este patrocinador bancaria alguns custos dos clubes. 

O formato da BFL está sendo discutido com as equipes desde o ano passado. Quanto às transmissões, o que se sabe é que federações pelo país afora estão fazendo um piloto de filmagem, tendo como ideia principal a padronização de imagem e qualidade de captação durante os Campeonatos Estaduais. Seria uma espécie de primeiro teste. 

15 de Fevereiro - Quarta-feira - 11:40

NOVO TEMPO

Equipes tentam fortalecer a modalidade na Zona da Mata e traçam planejamento para atingir o cenário nacional em curto prazo; Campeonato Mineiro será teste

Por Josias Pereira

A partir desta quarta-feira, dia 15 de fevereiro, JF Mamutes e JF Red Fox serão só uma equipe, que será chamada de JF Imperadores. A fusão foi confirmada pela diretoria dos clubes, antes rivais, e que agora se juntam em prol de um projeto único e que tem como objetivo atingir o nível nacional em curto prazo. Ao First Down, Laercio Azalim Junior, presidente do então JF Mamutes e diretor de esportes da Federação Mineira de Futebol Americano, contou detalhes da união que muda definitivamente o FA na Zona da Mata.

"Estamos vivendo uma realidade onde dividíamos: mídia, visibilidade, infraestrutura, investimento e atletas. Notoriedade tínhamos, uma administração muito forte, e eles, jogadores bastante experientes. Unimos o melhor de cada lado para montar uma força diferenciada. A união será imediata. Nesse fim de semana temos um training camp com os reforços que foram contratados junto a Tritões, Vasco e Botafogo, já com os atletas unificados. Ou seja, já será como Imperadores. Jogaremos o Campeonato Mineiro já como a nova bandeira", afirma Laercio.

Questionado sobre como os atletas receberam a iniciativa, o dirigente destacou que todo o processo de transição está sendo conduzido a fim de diminuir qualquer tipo de atrito.

"Eles (atletas) receberam bem melhor do que as duas antigas diretorias esperavam. A possibilidade de atingir o nível nacional em um curto espaço de tempo motivou as equipes, fazendo com que os atletas enxergassem o planejamento estratégico traçado pela nova diretoria, aguçando a visão de futuro nos adeptos", destaca.

A rivalidade também foi outro ponto de interrogação levantado pelo First Down em contato com Laercio Azalim.

"Sempre fomos rivais, porém a cordialidade sempre prevaleceu, algo que ajudou nessa integração. Um plano de integração foi traçado, a fim de mitigar os efeitos colaterais da união desses dois mundos. Diretrizes foram criadas especificamente para evitar conflitos e promover o trabalho em equipe. Como exemplo, um auditor de integração foi eleito para planejar, executar e monitorar uma série de ações que permitiram a nova equipe a atingir o principal objetivo desse início de história, que é 'Trabalhar como uma única unidade'", avaliou.

Por um Império do Esporte em Juiz de Fora 

O JF Imperadores terá as cores dourada, preta a branca. A princípio, a nova diretoria não planeja fazer uma divisão de equipes, mas trabalha com a hipótese de criar uma equipe de desenvolvimento.

"A priori não (criação de um time A e B). Iremos focar nossas forças neste início para fazer uma transição o mais tranquila possível. Contudo, faz parte do plano time de desenvolvimento, que contempla também o flag universitário, além de ampliar a categoria de base", diz Laercio.

"Queremos também ampliar nossos projetos paralelos: o Imperadores Flag football feminino, baseball Marfins Golden Gloves e a grande novidade do Império que é o projeto Rúgbi imperial", completa o dirigente, deixando claro que a grande sacada da mudança é criar uma mentalidade esportiva na cidade, mobilizando todas as modalidades em prol de um JF Imperial.

Para a disputa do Campeonato Mineiro, o JF Imperadores trouxe sete reforços. Veja a lista abaixo: 

Magnum Nascimento DE/LB - Ex-Tritões
Junis Bozetti CB - Tritões
Rafael Faria - OL - Tritões
Richard - RB - Tritões
Hollyfield LB - Vasco
Magnum DB - Vasco
Celso SS - Botafogo

A equipe de Juiz de Fora faz sua estreia no Campeonato Mineiro de Futebol Americano no dia  18 de março, contra o Betim Bulldog's, na cidade da Região Metropolitana. Na Conferência Tiradentes, o time ainda terá pela frente o Minas Locomotiva, atual tricampeão mineiro. 

09 de Fevereiro - Quinta-feira - 12:09

CONTRATADO

Novo reforço da equipe da capital mineira já está treinando com o grupo e vai disputar o Mineiro e a Superliga Nacional; aos 24 anos, ele já possui experiência internacional

Por Josias Pereira  

Seguindo sua linha de contratações no mercado do futebol americano, o BH Eagles anunciou nessa quarta-feira a chegada de mais um atleta de peso. A diretoria foi buscar no México o jogador de linha ofensiva Victor Thomé, o famoso Victor Paçoca. Ele atuou por cinco anos no Vila Velha Tritões antes de tentar a sorte no futebol americano do México. Lá, Paçoca defendeu o Correcaminos Uat Victoria e foi vice-campeão nacional.

Também no ano passado, Victor foi convidado para o training camp da seleção brasileira, o Brasil Onças.

Comandante do offensive lineman na época de Tritões, Lener Fernandes, hoje Head Coach do Uberlândia Lobos, elogiou a contratação de Paçoca. Na avaliação do técnico, o Eagles ganhou um 'dinossauro'.

"Uma grande contratação. O Paçoca sempre foi um atleta muito dedicado e agressivo. No México, pelo que ele me contou, a agressividade dele deve ter aumentado ainda mais! (risos) O cara é um dinossauro", destacou Lener.

Em entrevista ao First Down, Victor Paçoca, que já está em BH treinando com o Eagles para as disputas do Mineiro e da Superliga Nacional, agradeceu os elogios de Lener. 

"Eu Fico muito feliz com esse reconhecimento. Procuro apenas seguir fazendo o que precisa ser feito, por que o caminho do sucesso está aí, não tem segredo. A diferença é você fazer todas as etapas ou ficar em casa sentado reclamando. Não me sinto tão forte nem tão rápido, mas acho que o sucesso vem por amar e respeitar muito esse esporte. Por isso, eu sempre faço 110% , por que o esporte não merece um esforço menor que esse", analisa o atleta, de 24 anos, de 1,83m e 119kg. 

Ao First Down, Victor ainda contou como ganhou o apelido de Paçoca. "Quando eu era pequeno, na minha rua tinham varios Victor e eu sempre chegava pra brincar comendo Paçoca. Aí o apelido foi para a escola, depois para o basquete, e nunca mais deixei de ser o Paçoca (risos)", explica. 

O offensive lineman ainda falou sobre sua passagem no México, quando decidiu viver exclusivamente do futebol americano. "Foi ano passado (a decisão) quando apareceu a oportunidade de jogar no México  Lá eu não vivia de jogar Futebol Americano, mas vivia para jogar, não tinha renda apenas Bolsa na Faculdade e benefícios. Agora na verdade que estou podendo me dedicar apenas a ser atleta de FA", comenta Victor, que pretende dar sequência à faculdade de administração em Belo Horizonte. 

Na verdade, Victor nasceu na capital mineira mas se mudou para o Espírito Santo aos 10 anos. "É como uma volta para a casa", comenta o jogador. Porém, ele admite "Não sei muita coisa por aqui, mas, aos poucos, vou me adaptando", diz Victor, exaltando a estrutura que o Eagles lhe ofereceu. "O BH Eagles é um excelente time com uma ótima estrutura de diretoria. E oferecem tudo que eu preciso para viver legal e para me desenvolver absurdamente como atleta", concluiu. 

 
 

 

09 de Fevereiro - Quinta-feira - 10:49

HISTÓRICO

Equipe recebe o JF Mamutes, às 14h30, no Campo do Vera Cruz; o First Down bateu um papo com o mentor deste sonho realizado, o presidente do time betinense, Julio Cesar Ribeiro

Por Josias Pereira

Neste domingo, dia 12 de fevereiro, Betim será introduzida ao futebol americano. Pela primeira vez, a cidade receberá uma partida da modalidade e os grandes responsáveis por este novo momento no município atendem pelo nome de Bulldogs.

Betim Bulldogs. Guardem este nome.

A ainda jovem equipe, de história recente, mas de muito empenho, se prepara para a disputa do Campeonato Mineiro e terá como rival neste desafio o JF Mamutes, outro estreante no Estadual, que se inicia no mês que vem.

O Blog First Down não poderia ficar fora deste momento histórico para o FA de Minas e, portanto, decidimos bater um papo com o ninguém menos que Julio Cesar Ribeiro, presidente do Betim Bulldogs. À nossa reportagem, ele deu detalhes sobre o início do time, bem como o desenvolvimento, o atual estágio dos Bulldogs e não conteve a alegria por ver a transformação gerada pelo futebol americano na região metropolitana de Belo Horizonte.

Mais do que um time, os Bulldogs são uma família e é isto que Júlio e todos os jogadores querem passar para as pessoas que irão ao campo do Vera Cruz no próximo domingo.

Leia abaixo a entrevista completa:

First Down - Nos conte sobre a história do Betim Bulldogs

Julio - A ideia de fundar o Bulldogs veio depois de passar pouco mais de um mês na equipe de formação do BH Eagles. Deslocar de Betim para BH para treinar estava pesado devido aos horários de treinos e, principalmente, por ser difícill conciliar com a rotina de trabalho. Então, a partir de janeiro do ano passado, eu fui amadurecendo a ideia de uma equipe em Betim. Me utilizei do Facebook para chamar alguns amigos e no dia 19 de março fizemos o nosso primeiro treino. Apesar de curta, nossa história possui muitas decepções, com várias promessas não cumpridas, de, por exemplo, chegar para treinar em um campo e em cima da hora, com todos atletas presentes, sermos informados que não seria possível utilizar mais o espaço. Mas tambem temos muitas alegrias, como realizar o primeiro jogo fullpad (equipamento completo) com oito meses de fundação. Com menos de um ano, já estamos inscritos no Campeonato Mineiro. Estas coisas são pequenas vitórias para nós. O Bulldogs começou com 11 pessoas e uma bola, e agora temos 55 atletas equipados na equipe principal, 30 atletas na equipe sub 19 e mais 30 na equipe de formação.

First Down - Como vocês estão encarando este desafio de disputar um Mineiro frente a fortes times, como Locomotiva e Eagles?

Julio - Somos bem pés no chão, sabemos hoje das nossas limitações, principalmente pela falta de experiência. Mas além do jogo do dia 12 de fevereiro aqui em Betim, queremos fazer mais um amistoso antes do Mineiro. Esses jogos vão servir para dar mais rodagem aos nossos atletas. Nós temos muita confiança em nossos jogadores, existem muitos talentos aqui e acreditamos principalmente no trabalho do nosso Head Coach, o Ramon Gomes. Apesar de pouco tempo na função, ele é um estudioso do esporte e tem potencial para ser um Coach de ponta.

First Down - Quais jogadores você pode apontar como destaques do time?

Julio - É difícil apontar destaques, porque agreditamos bastante na força do grupo, mas temos uma equipe defensiva bem consistente, com alguns atletas que se destacaram nos dois jogos (amistosos que a equipe fez anteriormente), como o Rafael LB e o Danilo SS. No ataque apostamos bastante na juventude do WR Erick, no Samuel que também é WR e que possui apenas 17 anos, e no RB Matheus que acabou de completar 16 anos.

First Down - Nos conte mais sobre o perfil do Head Coach Ramon Gomes?

Julio - Ramon é uma pessoa apaixonada pelo futebol americano. Ele foi atleta do BH Eagles por mais de um ano. Apesar de não ter ido ao México, ele fez parte do grupo campeão da América e também foi vice campeão mineiro. Com a chegada dele o time mudou completamente. Para nós foi a partir do início do trabalho do Ramon que passamos de um grupo de atletas recreativos para um grupo que vai disputar uma competição tão importante como o Campeonato Mineiro.

First Down - Qual o apoio que vocês têm recebido dos principais times da Região Metropolitana - o Minas Locomotiva e o BH Eagles?

Julio - Alguns atletas do BH Eagles têm vindo compartilhar experiências com nossos atletas, e criamos uma relação muito boa com o Locomotiva, até pelo suporte que o ex-presidente Abraão Coelho me deu desde o início da equipe. O Bulldogs participou juntamente com eles de uma ação beneficente aqui em Betim.

First Down - Qual é o local que vocês têm treinado?

Julio - Estamos treinando no campo do Bueno Franco, no bairro que tem esse mesmo nome. Fechamos uma parceria recentemente com o SECAM para que lá seja o local fixo de treino do Bulldogs. Em contrapartida, nós vamos ajudar na manutenção do campo e correr atrás de investimentos para melhorar a estrutura local. Também temos um bom relacionamento com o pessoal do Vera Cruz, que é onde vamos mandar o jogo do dia 12 de fevereiro e os jogos do Campeonato Mineiro. Eles sempre estiveram de portas abertas para nós.

First Down - Como está sua expectativa para o confronto do dia 12? Quantos amistosos vocês pretendem disputar e quantos disputaram antes do duelo com o Juiz de Fora?

Julio - No dia 4 de dezembro fizemos o primeiro jogo da história do Bulldogs justamente contra o JF Mamutes. Depois, no dia 17 do mesmo mês, enfrentamos a equipe de formação do BH Eagles. Agora vamos receber para um jogo de volta o JF Mamutes. A expectativa é muito grande, até por ser o primeiro jogo de futebol americano que a nossa cidade recebe. Acreditamos que vamos fazer uma boa apresentação. Agora já passou aquele nervosismo de estreias e vai ser muito bom enfrentar uma equipe que é forte, ainda mais depois das várias contratações que fizeram para a disputa do Mineiro.

First Down - De onde surgiu seu interesse pelo futebol americano, Julio? Como tem sido conciliar sua vida fora dos campos com a presidência do Bulldogs?

Julio - Hoje eu trabalho com Planejamento Industrial em uma empresa privada. Tenho que conciliar a vida profissional com a direção dos Bulldogs, além de casamento, e outras obrigações. O que ajuda bastante é o envolvimento da minha esposa com a equipe, hoje ela é nossa diretora administrativa. Então, o apoio dela foi fundamental para equipe já ter conquistado tanta coisa. Quanto ao Futebol Americano, tudo começou em 2011, em um Super Bowl entre Green Bay Packers e Pittsburgh Steelers. Depois disso, a paixão pelo esporte foi só crescendo e hoje não consigo imaginar minha vida sem futebol americano e sem a família Bulldogs.

First Down - Qual a média de idade do Bulldogs?

Julio - Entre 25 e 26 anos, mas é engraçado que temos atletas na equipe principal com 16 anos e um atleta com 45. Além disso, temos dois casos de pai e filhos jogando juntos O Elvis que é pai do Erick e o Paulo pai do Matheus. O Elvis de Paula, 45, é fotógrafo e o Erick Henrique de Paula, 22, é estudante. Já o Paulo Duarte Junior é empresário e o Matheus Duarte, 16, é estudante.

First Down - Quais as surpresas que vocês estão preparando para o duelo do próximo dia 12? O que o público de Betim pode esperar?

Julio - Vamos ter shows com banda durante o intervalo, apresentação de cheerleaders e sorteio de brindes. Queremos fazer um belo evento para receber o pessoal de Betim. A cidade abraçou a equipe, então queremos retribuir dentro e fora de campo.

INFORMAÇÕES SOBRE INGRESSOS

As entradas para o duelo entre Betim Bulldogs e JF Mamutes estão sendo comercializadas no valor simbólico de R$ 10.

Veja abaixo os postos de venda. No dia do jogo, ingressos também serão vendidos no estádio do Vera Cruz:

ARTERIAL URGÊNCIA E EMERGÊNCIA

Av. Edméia Matos Lazarotti, 3510, Jardim Brasília - Betim (ao lado do Hopital Regional)

PONTO COM GAMES

Rua Inconfidência, 394, Centro - Betim

KANELA CHAVEIRO

Praça do Ceabe, 301, Centro - Betim (ao lado do Super Luna)

W BAETA LUBRIFICANTES E DIEGO AUTO ELÉTRICA

Av. António Monteiro Lara, 643
Bairro Tereza Cristina - São Joaquim de Bicas

LAÇOS TERAPIAS

Av. Amazonas, 1711 - Centro/Brasileia - Betim

#GoDogs
#DeusNoControle
#BetimTemFutebolAmericano
#RumoAoMineiro2017

Apoio: Arterial Urgencia e Emergencia​, HAWK Brasil​, Agência Liga​, FEMFA - Federação Mineira de Futebol Americano

O campo do Vera Cruz, local da partida, está localizado no seguinte endereço:

Rua São Geraldo, 325, Bairro Açude, próximo ao Condomínio Montserrat.

Estreia no Mineiro

O Betim Bulldogs fará sua primeira partida no Campeonato Mineiro justamente contra o atual tricampeão estadual Minas Locomotiva. O confronto está programado para o dia 4 de março.

06 de Fevereiro - Segunda-feira - 14:49

SUCESSO NA REDE

No total, foram 1,5 milhão de Tweets gerados por brasileiros; mundialmente foram 27,6 milhões de postagens no microblog

Por Equipe First Down

Depois dos Estados Unidos, nenhum país no mundo comentou mais sobre o Super Bowl do que o Brasil. Foram 1,5 milhão de Tweets, com o pico da conversa acontecendo às 23h29, quando Lady Gaga encerrou seu elogiado show do intervalo. O segundo maior pico foi às 23h16, quando a cantora desceu do teto do NRG Stadium pendurada por cabos. E o terceiro foi à 1h27, quando o Patriots venceu o Super Bowl após uma virada heroica e improvável sobre os Falcons.

Em todo o mundo, a final da NFL gerou 27,6 milhões de Tweets..Mundialmente, os três momentos mais comentados do Super Bowl foram o final da apresentação de Lady Gaga no show do intervalo e quando Danny Amendola converteu os dois pontos que empataram o jogo em 28 a 28 a 57 segundos do fim. Com o resultado, a partida foi para a prorrogação, a primeira da história do Super Bowl.

Os nomes mais falados

Ainda segundo a métrica do Twitter, os nomes mais comentados dos Patriots durante o jogo foram os de .Tom Brady, James White (@SweetFeet_White) e Julian Edelman (@edelman11). Já os do Falcons mais citados foram Julio Jones (@juliojones_11), Matt Ryan (@M_Ryan02) e Devonta Freeman (@devontafreeman). 

06 de Fevereiro - Segunda-feira - 07:04

INESQUECÍVEL

Quinto triunfo da franquia de Massachusetts em Super Bowls foi como uma ópera. Muita tensão, drama e explosão de alegria no final. Atlanta Falcons não resistiu ao poderio ofensivo do adversário e cedeu a virada na prorrogação, a primeira da história em um SB

Por Gustavo Guimarães

Foram 4 meses e 28 dias de espera para os fãs da bola oval. Tempo mais do que suficiente para aumentar a expectativa em torno do Super Bowl 51, a grande finalíssima do futebol americano. Nesse domingo, no NRG Stadium, em Houston, no Texas, Atlanta Falcons e New England Patriots colocaram um ponto final na agonia dos torcedores e produziram uma decisão épica, que entrará para a história da NFL como uma das mais emocionantes já vividas. Os dois times chegaram mais do que credenciados à decisão. O Atlanta Falcons amparado em Matt Ryan e seu letal ataque, o melhor da liga, buscava conquistar o Troféu Vince Lombardy pela primeira vez. Do outro lado, o New England Patriots, liderados por um Tom Brady infernal durante toda a temporada, almejava sua quinta conquista de Super Bowl para aumentar ainda mais a supremacia do time, que desde 2001 doutrina a NFL.

Perdendo por 28 a 3 no terceiro quarto, Tom Brady resolveu tirar vários coelhos da cartola ao comandar uma reação que nem mesmo o torcedor dos Patriots poderia imaginar: o camisa 12 ajudou seu time a anotar 31 pontos sem reação e sacramentar a vitória por 34 a 28, na prorrogação. Cabe a nós apenas agradecer ao universo pela existência do futebol americano!

Primeiro ato

Na metade inicial da partida, o Atlanta Falcons não tomou conhecimento do New England Patriots. Defensivamente, a tática era usar a sua secundária para marcar individualmente os atacantes do adversário e realizar blitzes em Tom Brady durante quase todos os snaps do camisa 12. E funcionou. Sem tempo para definir a melhor jogada, Brady foi presa fácil para a trincheira do Atlanta.

Já que sua defesa surpreendia ao conseguir deter a ofensiva do New England, Matt Ryan pôde utilizar aquilo que tem de melhor: suas opções de ataque. Devonta Freeman, no jogo corrido e o tight end Austin Hooper, após um passe de 19 jardas de Ryan, colocariam 14 a 0 no placar. Ainda daria tempo para Tom Brady ser interceptado por Robert Alford. O cornerback de 23 anos retornaria a interpetação para a endzone dos Patriots após correr 82 jardas e colocar incríveis 21 a 0 para o Atlanta. Faltando 3 segundos para o intervalo, os Patriots conseguiriam tirar o zero do marcador após um fieldgoal de Stephen Gostkwoski, 21 a 3.

Gaga empolgante

Bastante aguardado, o show do intervalo também merece destaque. Lady Gaga, apresentando-se inicialmente no teto do NRG Stadium, voou pelo estádio, animou a galera com seus maiores sucessos e entra para a história do Super Bowl com um concerto empolgante. Ao contrário do ano passado, quando os britânicos do Coldplay fracassaram na tentativa de entreter quem acompanhava a partida, a cantora americana distribui simpatia, exibiu um preparo físico invejável para cantar e dançar e ainda saudou seus pais, presentes no estádio.

Desfecho improvável

A ópera do Super Bowl 51 seguia dando alegrias para o torcedor do Atlanta e desânimo para o fás do New England, no início do terceiro quarto. Matt Ryan seguia desferindo passes açúcarados para Julio Jones avançar na defesa adversária. Mas, caberia ao versátil running back Tevin Coleman catar um passe de 6 jardas de Ryan e desolar os torcedores da franquia de Massachusetts: 28 a 3.

Bom, nesse momento, o panorama da partida indicava que o Atlanta deveria apenas fazer a lição de casa: esperar o tempo passar, sem cometer erros que pudessem reanimar o New England Patriots. Com um déficit de 25 pontos no marcador, Tom Brady não teria outra alternativa a não ser abusar dos passes para tentar reverter a maior desvantagem no placar em uma partida de Super Bowl. Drive após drive, o camisa 12 sobrevoava as trincheiras do Atlanta e conectaria James White para a marcação do primeiro TD dos Patriots, apesar do kicker Stephen Gostkwoski desperdiçar o ponto de bonificação, 28 a 9.

No quarto derradeiro da decisão, Tom Brady, definitivamente, mandou para o espaço qualquer dúvida sobre quem é o maior quarterback da história do futebol americano. No primeiro de dois drives épicos, Brady contaria com a ajuda de Danny Amendola para anotar o segundo TD dos Patriots e James White para marcar a conversão de dois pontos: 28 a 20. Na campanha decisiva, o quarterback do New England acionaria Julian Edelman na jogada que, certamente, vai entrar para a disputa de recepção mais sensacional da história do futebol americano. Edelman, marcado por três jogadores do Atlanta, conseguiu assegurar a recepção a centímetros do gramado após a bola bater na canela de um adversário. Com a confiança retomada e tempo no placar, Brady, dessa vez inverteria as ações no TD de empate do jogo. James White asseguraria o TD e Amendola garantiria a conversão de dois pontos: 28 a 28.

O simpático Arthur Blank, dono do Atlanta Falcons, caracterizava a desolação de seu time. Antes, Blank celebrava entusiadamente as jogadas. Depois, não sabia onde esconder sua cara de decepção com o desfecho que se apresentava na prorrogação. O New England Patriots, com a moral completamente restaurada, demoraria apenas quatro minutos para sacramentar o quinto Troféu Vince Lombardy da sua história. Após 8 jogadas, Tom Brady acionaria James White para marcar o TD de misericórdia e sacramentar a incrível virada: 34 a 28.

História feita

A performance do camisa 12 do New England Patriots chocou o mundo esportivo. Brady alcançou 466 jardas aéreas, novo recorde valendo por uma partida de Super Bowl, conectando 43 passes em 62 tentativas. Escolhido pela quarta vez como o jogador mais valioso de um Super Bowl, o maior quarterback da história do futebol americano também alcançou um outro recorde: apenas Brady e o linebacker Charles Haley, ex-jogador do San Francisco 49ers e Dallas Cowboys, venceram cinco vezes a final da NFL.

05 de Fevereiro - Domingo - 12:33

UM CAMINHO SEM VOLTA

Modalidade possui mais 15 milhões de fãs declarados no país; crescimento é superior ao do MMA, que caiu em popularidade no mesmo período

Por Josias Pereira e Leandro Cabido 

É só chegar o domingo para que as redes sociais, principalmente o Twitter, recebam uma enxurrada de hashtags ou comentários sobre Tom Brady, Matty Ryan, Patriots, Falcons, play-offs, NFL etc. Para muitos, as palavras e os nomes soam de forma estranha. Afinal de contas, o que é isso que as pessoas tanto comentam?

Seja bem-vindo ao mundo do futebol americano. De acordo com uma pesquisa do IBOPE Repucom, divulgada na última sexta-feira, 15,2 milhões de pessoas se declararam fãs da modalidade no Brasil, o que representa 20% da população de internautas do país. Os dados são do Sponsorlink, maior pesquisadora especializada em esporte do planeta. Para se ter ideia deste sucesso, mais de 180 times full pads estão filiados em federações pelo país. 

Neste domingo (5), às 21h (de Brasília), esse fenômeno interativo deverá atingir seu ápice. Em Houston, no Texas, New England Patriots e Atlanta Falcons protagonizam a 51ª edição do Super Bowl, o maior evento esportivo dos EUA e o terceiro maior do planeta, ficando atrás apenas da Copa do Mundo e dos Jogos Olímpicos.

Se na terra do Tio Sam, o sucesso é absoluto, no Brasil, milhares de torcedores se mobilizam para assistir ao confronto com amigos e familiares em bares, restaurantes e até mesmo no cinema. Só em Belo Horizonte, ao menos oito locais exibirão a partida.

“Poder assistir, torcer e celebrar esse esporte com os companheiros do meu time, amigos e pessoas do bem é bom demais”, afirma Elimar Pires, 32, empreendedor, biólogo e um dos técnicos do Minas Locomotiva, equipe que é a atual tricampeã mineira da modalidade.

Elimar é mais um dos torcedores dos Patriots, equipe de grande influência no Brasil e dona da admiração da maioria dos fanáticos por futebol americano no país, principalmente por conta das conquistas. Foram quatro títulos nos últimos 16 anos.

O outro lado. Sem o mesmo sucesso no Brasil, a torcida dos Falcons é pequena. Mas nada disso tira a confiança de que Matt Ryan e Julio Jones, dois dos principais jogadores de Atlanta, possam desbancar Tom Brady e Bill Belichik, a maior parceria entre jogador e treinador na história da NFL, regentes dos Patriots.

Essa é apenas a segunda vez que o Atlanta chega ao Super Bowl. O time jamais ergueu a taça. “Torcer para um time como os Falcons me deixa ainda mais empolgado. Sei que sou minoria, e vamos pegar um rival tradicional. Sempre digo que os Patriots são o ‘Flamengo da NFL’, todo mundo torce ou odeia, mas ganhar deles será especial”, diz o torcedor Matheus Padilha, 25, piloto.

EVOLUÇÃO

Na contra-mão. Segundo pesquisa do IBOPE, a tendência de crescimento na base de fãs de futebol americano no Brasil vem se consolidando. Em comparação com setembro de 2013, o crescimento é de 26% – passando de 16%, em setembro/13, para os atuais 20% do último levantamento (realizado em setembro de 2016). Já o MMA, as artes marciais mistas, apresentou variações nas últimas pesquisas e, em setembro/16, teve a sua maior queda, passando de 39%, em setembro/15, para os atuais 33% de fãs em todo o território nacional.

LOCAIS QUE TRANSMITIRÃO O SUPER BOWL

Em Belo Horizonte:
- Mulino Pizzeria
- Beb’s Bar Prudente (evento organizado pelo Minas Locomotiva)
- Itatiaia Rádio Bar (evento organizado pelo BH Eagles)
- PlayOn Steakhouse
- Applebee’s
- Cineart Boulevard Shopping - James Joyce Bar (evento organizado pelo Piratas da Serra)
- Fanáticos Esportes Bar

Em Betim:
- Mirante Container Bar (evento organizado pelo Betim Bulldog’s)

Em Divinópolis:
- Beb’s Bar Divinópolis (evento organizado pelo Divinópolis Black Bulls)

Em Juiz de Fora:
- Trem Mineiro Choperia (evento organizado pelo JF Mamutes)

Em Uberlândia:
- Choperia e Espetaria Art & Grill (evento organizado pelo Uberlândia Lobos)

Bares e restaurantes de BH se preparam para a decisão

Parecia loucura em 2008 abrir as portas de um estabelecimento em Belo Horizonte para a transmissão do Super Bowl. Mas não foi. Apesar de o futebol americano àquela época ainda ser um projeto em evolução no Brasil, Sérgio Martins, proprietário da Mulino Pizzeria, enxergou na modalidade uma possibilidade de aliar diversão ao lucro certo. Ele, que morou em Seattle, nos EUA, e conheceu de perto o fanatismo pelos Seahawks, o time de futebol americano da cidade, recebeu mais de 300 pessoas na casa, localizada na Savassi, para ver a grande decisão da NFL. 

'Tinha gente do lado de fora, pessoas espalhadas pela calçada, em pé, ocupamos até parte da calçada de um hotel que fica bem em frente do restaurante', relembra Sérgio que, desde então, vem mantendo a tradição do início de fevereiro. O Super Bowl, digamos, virou 'especialidade da casa', disse Martins, que se mostrou surpreso na época.

"De Belo Horizonte, com certeza, eu fui o primeiro e isto me orgulha muito. O futebol americano é um esporte que agrega muito, constrói amizades", completa, satisfeito por ter vendido praticamente todas as mesas reservadas para o Super Bowl 51. "Graças a Deus, eu não tenho o que reclamar apesar desta crise', celebra .

Sucesso este que Thiago Sinval espera obter hoje. Proprietário do PlayOn Steakhouse, um pub em estilo americano, localizado na Alameda da Serra, preparou promoções, sorteio de brindes e atrações para atrair a clientela. "Já temos um público fiel e, desde que anunciamos a programação e promoções, aumentamos as curtidas em nossos perfis nas redes sociais. O futebol americano sempre foi um sucessos. Tenho certeza que teremos casa cheia', concluiu o empresário.  

05 de Fevereiro - Domingo - 10:58

UM CAMPEÃO NATO

Amado e odiado. Brady é um destes atletas que dividem opiniões por conta das glórias acumuladas. Mas que todos possuem na mente aquela unanimidade silenciosa ou então plenamente audível de que ele, no que se propõe a fazer, é simplesmente um dos melhores

Por Josias Pereira e Leandro Cabido

O rótulo de 'marido de Gisele Bündchen' fez de Tom Brady figura conhecida no Brasil. Mas, aos poucos, este estigma vai lhe deixando. O crescimento do futebol americano no país cobra seu preço e o faz sair das 'sombras' de sua amada. Antes, figura pouco notada na Sapucaí, por exemplo, o quarterback do New England Patriots agora acumula outro status: o de maior jogador da história da modalidade. E pensar que a vida deste californiano, nascido em San Mateo, poderia ter sido bem diferente.

Do anonimato ao sucesso absoluto, Brady percorreu um longo caminho. Escolha 199 do Draft da NFL em 2000 (veja a foto acima), ou seja, um dos piores posicionamentos possíveis na seleção dos jogadores universitários para os times profissionais norte-americanos, o camisa 12 teve que superar a desconfiança e agarrar a única chance que a vida lhe deu de ser o melhor. E ele tem sido desde então. Alçado à titularidade em 2001 graças a uma lesão do antigo titular Drew Bledsoe, o camisa 12 estabeleceu-se dentro da liga e acumula quatro títulos, podendo hoje se tornar absoluto, com cinco conquistas, deixando para trás ícones do futebol americano como Joe Montana, do histórico San Francisco 49ers.

'Pra mim, ele é um exemplo de superação. Sua figura não é de um popstar, ou apenas de marido de uma modelo, mas de exemplo de atleta por seu talento, superação e dedicação ao esporte', afirma Gabriela Grassi, 27, advogada trabalhista, fã incontestável de Tom Brady e dos Patriots.

Ao redor do mundo, é inevitável sua relação com a top model. Os rendimentos anuais de Bündchen giram em torno de US$ 42 milhões (R$ 130 milhões), enquanto o de Brady, ao todo, alcança a marca de US$ 38 mi (R$ 118 mi), além, claro, de tudo que a modelo representa. No entanto, basta andar pelos grandes centros urbanos brasileiros que nota-se algumas “camisas 12” largas nos jovens. Acreditem ou não, a febre do football, principalmente a dos Pats, está apenas começando em terras brasileiras.

Amado e odiado. Brady é um destes atletas que dividem opiniões por conta das glórias acumuladas. Mas que todos possuem na mente aquela unanimidade silenciosa ou então plenamente audível de que ele, no que se propõe a fazer, é simplesmente um dos melhores.
 

04 de Fevereiro - Sábado - 08:32

DE IMPACTO

Treinador foi responsável por comandar um dos melhores ataques do futebol americano nacional e chega ao Triângulo Mineiro cercado de expectativa

Por Equipe First Down

Após palestrar em uma clínica organizada pelo Uberlândia Lobos Futebol Americano, o coach Lener Fernandes, um dos mais respeitados do país, acabou aceitando um convite da diretoria e será o novo treinador da equipe do Triângulo Mineiro para a temporada. O anúncio foi feito pelo próprio Lenr em vídeo divulgado pelo Uberlândia Lobos nas redes sociais.

Lener, atuou como coordenador ofensivo e Head Coach do Vila Velha Tritões, nas últimas três temporadas.

Em 2015, ele foi responsável por comandar o ataque do Tritões, que se destacou como o melhor do Torneio Touchdown em pontos marcados. Durante os três anos em que esteve na comissão técnica da equipe capixaba, o ataque sempre ficou entre os três melhores das competições que disputou. Sua chegada causa grande impacto no futebol americano de Minas, que já conta com vários profissionais renomados no mercado e que, com certeza, têm tudo para impulsionar a modalidade por todo o Estado. 

 

04 de Fevereiro - Sábado - 07:52

TRY-OUTS

Testes acontecerão no Parque Ecológico da Pampulha, em Belo Horizonte, e na Praça Cívica da UFJF, em Juiz De Fora; saiba como participar!

Por Equipe First Down

Na busca por novos jogadores para aumentar o plantel do Piratas da Serra, a equipe da capital mineira realiza neste sábado, 4 de fevereiro, uma seletiva no Parque Ecológico da Pampulha, entrada da Toca 1, a partir das 13h30. Para participar do teste, é necessário ter mais de 16 anos, além do pagamento de R$ 15. Os candidatos deverão confirmar presença no evento do Facebook, comparecer no local e data pontualmente, com o comprovante de compra, trajando roupa para pratica de esportes: camisa, short e chuteira (com trava, de preferência) e levar uma garrafa de água.

O formulário de inscrição está no site abaixo:

docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSfuURZEszgyMfSjNj5KRrAd7y61Sq7zvAMiyl5qktPq9Frmug/viewform

O pagamento dos R$ 15 deverá ser efetuado por meio do site abaixo:

www.sympla.com.br/seletiva-piratas-da-serra__107996

Try-Out em Juiz de Fora! O Red Fox convoca!

Também neste sábado, o Juiz de Fora Red Fox, campeão da Liga da Zona Mata de Futebol Americano, realiza uma seletiva às 14h, na Praça Cívica da UFJF. Seletiva aberta para atletas do sexo masculino, a partir do 16 anos, de qualquer peso e altura. O clube, em comunicado oficial no Facebook, faz uma ressalva importante a todos os interessados: 'vale ressaltar que mesmo que você julgue não ter um físico "adequado" para o esporte, você pode sim praticá-lo e se sair muito bem!'. Ou seja, não existe desculpa para você não praticar o FA!  

As inscrições são gratuitas e podem ser feitas no dia ou pelo link:

https://goo.gl/forms/NyNKDBjmukOq1Bcg2