Recuperar Senha
Fechar
Entrar

São Paulo

Mulher relata morte de cachorro após queima de fogos de artifício

Thais Siqueira relatou que mora em uma área de reservas ecológicas e, portanto, não esperava fogos no ano-novo

Enviar por e-mail
Imprimir
Aumentar letra
Diminur letra
Mulher relata morte de cachorro após queima de fogos de artifício
Mulher relata morte de cachorro após queima de fogos de artifício
PUBLICADO EM 03/01/18 - 11h54

Um post no Facebook viralizou na última segunda-feira (1º), por mostrar as consequências que os fogos de artifício podem ter para os pets. Thais Siqueira, de Cotia (SP), publicou uma foto para relatar que sua cadela, Nina, foi vítima de fogos disparados sem responsabilidade.

Ao "E+", Thais relata que deixou seus pets em casa e pensou que não precisaria se preocupar, pois nem Nina nem seus outros seis  cachorros tinham medo do barulho e nenhuma queima estava prevista para a região. "Onde moro é tranquilo e nunca tem fogos perto, sempre escutamos barulhos distantes, que nem incomodam", disse. "Escolhi [morar] aqui pois é um local que tem reservas ecológicas, lugar de preservação ambiental, e todos os vizinhos moradores amam os animais."

Quando voltou para casa, no entanto, encontrou Nina já sem vida. Thais afirma que uma casa vizinha à dela foi alugada para o feriado e os ocupantes soltaram fogos, que foram parar em seu quintal, piscina e telhado. Ela e o marido decidiram abordar as pessoas que haviam alugado a casa. Eles teriam se defendido e afirmado que haviam soltado poucos fogos. "Não posso acusar os vizinhos de ter sido proposital. Porém, como eu falei para eles, aqui não é local para isso, as pessoas que aqui moram vieram pelo sossego do lugar."

Em seguida, ela e o marido conferiram as imagens das câmeras de segurança da casa e constataram que os fogos haviam caído em sua propriedade.

A veterinária da Cobasi Juliana Didiano explica que, mesmo sem ser atingida pelo artefato, a cadela pode ter sofrido uma reação que causou, por exemplo, um ataque cardíaco. "Acredito que ela pudesse ter algum problema congênito no coração - que muitas vezes não manifesta sintomas, mas ao longo da vida pode se apresentar", diz Juliana.

Cães que apresentam convulsões também têm probabilidade de sofrer episódios durante queima de fogos, explica a veterinária. "Um animal em tratamento recebe uma dose de medicamento que em condições normais é eficaz. Por algum motivo, como os fogos, pode ficar mais agitado, o que eleva a excitação do sistema nervoso e diminui o limiar da convulsão."

Juliana ainda alerta que, mesmo em casos em que os fogos não são fatais, o animal pode ficar assustado e se machucar ao correr, bater em objetos ou cair em uma piscina, por exemplo.

Algumas cidades, como Ponta Grossa (PR) e Campos do Jordão (SP) tiveram queimas oficiais apenas de fogos silenciosos. Em Caçapava (SP), o artista Mauricio de Sousa suspendeu a tradicional queima de fogos em sua chácara para poupar os animais.

Thais agora luta pela conscientização. "A Nina se foi, mas me deixou uma missão. Ela era tão intensa, líder, forte, guerreira, e agora preciso fazer minha parte por ela, e por todos os casos que estou conhecendo por causa dela, pessoas estão me mandando mensagens pedindo apoio." Com posts em grupos nas redes sociais e homenagens a Nina perto de sua casa, Thais espera convencer, com um "trabalho de formiguinha", como ela mesma define, sobre o perigo dos fogos para os pets.

 

O que achou deste artigo?
Fechar

São Paulo

Mulher relata morte de cachorro após queima de fogos de artifício
Caracteres restantes: 300
* Estes campos são de preenchimento obrigatório

comentários (19)

Enviar Comentário

Li e aceito os termos de utilização
Compartilhar usando o Facebook
ou conecte-se com

ATENÇÃO

Cadastre-se para poder comentar

Comentar com Facebook Comentar com Twitter