Recuperar Senha
Fechar
Entrar

REFORMADO POR AÉCIO

Prefeitura de Montezuma diz não ter documentos sobre aeroporto

A família do senador e candidato à Presidência tem propriedades rurais no município; A obra custou ao Estado R$ 309 mil, mas o aeroporto permanece até hoje sem registro na Anac

Enviar por e-mail
Imprimir
Aumentar letra
Diminur letra
PUBLICADO EM 31/07/14 - 13h23

Beneficiada com a pavimentação de uma pista de pouso, a Prefeitura de Montezuma (MG) afirma não ter documentos sobre o local, reformado pelo governo do Estado em 2007, durante a gestão de Aécio Neves (PSDB).

A família do senador e candidato à Presidência tem propriedades rurais no município. A obra custou ao Estado R$ 309 mil, mas o aeroporto permanece até hoje sem registro na Anac (Agência Nacional de Aviação Civil). Segundo o governo de Minas, a regulamentação do aeroporto cabe ao município.

O chefe de gabinete da prefeitura, Flávio Oliveira, disse que a atual administração não encontrou os documentos da pista de pouso após assumir a gestão da cidade no começo deste ano.

Com cerca de 7.901 moradores e na divisa com a Bahia, Montezuma é administrada desde janeiro pelo prefeito Ivo Pereira (PP), eleito em dezembro de 2013 após o mandatário anterior ser cassado por compra de votos.

De acordo com a prefeitura, que guarda as chaves do aeroporto, o local fica fechado, não tem funcionário para cuidar da pista e não recebeu nenhum voo neste ano.

Na última quarta-feira (30), Aécio admitiu ter usado a pista de Montezuma há cerca de dez anos, quando era governador, mas que disse que utilizou uma aeronave particular.

Como o aeródromo não está registrado, seu funcionamento não é autorizado. Só poderia ser usado em caso de emergência em voo, para evitar acidentes, segundo a Anac. Irregularidades, dependendo do caso, podem ocasionar multas ao piloto, proprietário da aeronave ou do aeroporto, de acordo com o órgão.

No domingo (20), a Folha de S.Paulo revelou que o aeroporto de outra cidade mineira, Cláudio, foi construído na gestão Aécio num terreno que pertencia a Múcio Tolentino, tio-avô do ex-governador.
A área foi desapropriada pelo Estado, mas o tio de Aécio contesta na Justiça o valor da indenização, ainda não paga. Minas gastou quase R$ 14 milhões no aeroporto.

Sobre o terminal de Cláudio, Aécio também admitiu tê-lo usado e disse que isso foi um equívoco, já a pista também não tem registro regular na Anac.

Turismo decadente

O Estado afirma ter investido na pavimentação da pista de Montezuma para promover o turismo local.

Um vereador da base aliada ao PSDB ouvido pela reportagem e que pediu para não ser identificado disse que a cidade é conhecida por seu balneário de águas termais, mas que o local está há cerca de dois anos fechado para obras.

Por isso, disse o parlamentar, a região não tem atraído turistas. Segundo ele, nenhum morador da cidade tem avião.

Em um dos telefones divulgados pela prefeitura em seu site como opção de hospedagem na cidade, a funcionária de uma mercearia que aluga apartamentos diz que os quartos não são procurados por turistas desde que o balneário fechou para reformas, há cerca de dois anos.

Segundo ela, dois hotéis em construção em Montezuma suspenderam as obras até que o ponto turístico seja reaberto ao público. A prefeitura diz que o balneário pode voltar a funcionar em dezembro.

Folhapress

O que achou deste artigo?
Fechar

REFORMADO POR AÉCIO

Prefeitura de Montezuma diz não ter documentos sobre aeroporto
Caracteres restantes: 300
* Estes campos são de preenchimento obrigatório
Enviar Comentário

Li e aceito os termos de utilização
Compartilhar usando o Facebook
ou conecte-se com

ATENÇÃO

Cadastre-se para poder comentar

Comentar com Facebook Comentar com Twitter