Recuperar Senha
Fechar
Entrar

Home office

Rescisão e 13º podem virar investimento numa franquia 

Com R$ 3.000 iniciais, uma pessoa pode se tornar franqueada de agência de viagem

Enviar por e-mail
Imprimir
Aumentar letra
Diminur letra
Microfranquias
Reforço na renda. O veterinário Eduardo Lara tornou-se franqueado da Ahoba Viagens em casa e agora concilia as duas atividades
PUBLICADO EM 20/12/15 - 04h00

O que você planeja fazer com seu 13º salário? Se não tem dívidas para pagar e quer complementar a renda, ou mesmo trocar de trabalho, pode investir numa microfranquia. Há opções de investimento abaixo dos R$ 5.000, e que podem ser um caminho para quem foi demitido e está com o dinheiro da rescisão na mão. As franquias, mesmo com a crise, devem ter bons resultados. A perspectiva da Associação Brasileira de Franchising (ABF) é de crescimento no faturamento das franquias brasileiras entre 9% e 10% em 2015.

De acordo com o último levantamento da associação, o setor registrou um aumento nominal do faturamento de 8,2% no terceiro trimestre deste ano, frente ao mesmo período de 2014, num total de R$ 35,5 bilhões. No acumulado do ano, até setembro, a receita da atividade teve alta de 10,1% em relação a igual período do ano anterior, atingindo R$ 99,385 bilhões.

O diretor de microfranquias da ABF, José Rubens Oliva Rodrigues, ressalta que o aumento do desemprego contribui para o aumento da procura das franquias, em especial das que necessitam de pouco investimento. “Muita gente usa o dinheiro da rescisão, por exemplo, para investir”, diz.

Foi justamente o investimento baixo e a possibilidade de ter uma renda extra que atraíram o veterinário Eduardo Lara para o mundo dos negócios. “Comecei a atuar em novembro. Estou na fase de divulgação da empresa”, conta. Ele decidiu se tornar franqueado da Ahoba Viagens, que é uma agência virtual de viagens. O franqueado pode trabalhar de casa e vender desde acomodações em albergues até viagens de luxo. A franquia tem investimento inicial de R$ 3.600.

Para a diretora executiva da Ahoba, Claudia Del Valle, a crise pode favorecer as franquias de investimento baixo. “Quem não quer uma renda extra ou uma chance de recomeçar em alguma outra área, sem ter que abrir mão do que já faz hoje?”, argumenta.

A empresa, que ingressou no segmento de franquias em 2014 e hoje conta com 74 franqueados, tem um plano ambicioso: chegar a 2.000 franqueados no prazo de um ano e meio.

Também na área de turismo, a Encontre Sua Viagem vai registrar crescimento de 30% neste ano. Em 2015, foram inauguradas 150 franqueadas, encerrando o ano com 500 operações. Dessas 150, 90% adotam o home office (trabalho em casa), 6% têm loja fixa e 4% funcionam em quiosques. No modelo home office, o investimento é de R$ 3.000.

O diretor executivo da franquia, Henrique Mol, pretende superar o crescimento registrado neste ano. “Pretendemos fechar o ano que vem com pelo menos 600 unidades”, diz.

Em expansão

Setor no Brasil. O número de unidades franqueadas cresceu 2% de julho a setembro de 2015, totalizando 133.897 operações de franquias em atividade em todo o país, segundo a ABF.


Tecnologia requer pouco capital inicial



Mesmo com a crise, a Gigatron Franchising vai registrar em 2015 o seu melhor resultado, conforme o diretor de negócios empresa, Marcelo Salomão Guimarães. O faturamento somou R$ 17 milhões. “O número de unidades franqueadas dobrou, na comparação com 2014”, diz.

A rede de serviços e tecnologia, há 17 anos no mercado e desde 2011 como franqueadora, estima crescimento ainda mais expressivo para 2016, com faturamento na casa dos R$ 28 milhões.

Para Guimarães, o baixo investimento e a possibilidade de trabalhar em casa são alguns dos atrativos. “Trabalhamos com tecnologia, que está sendo menos atingida pela crise”, observa.
A rede oferece três modalidades de franquias. A AppLovers, que é de aplicativos para celulares, é a que necessita investimento mais baixo, a partir de R$ 3.000. Há também a área de certificado digital, com o custo de R$ 4.500, e ainda a de software de gestão, por R$ 10 mil. 


Do banco à limpeza de carros


Depois de trabalhar como bancário durante 16 anos, Marcos Vinicius de Almeida Costa está se dedicando exclusivamente à franquia Acquazero – especializada em estética automotiva sustentável. “Tenho a franquia há um ano. Sempre tive vontade de ter um negócio próprio”, diz.
A decisão foi motivada por vários fatores, entre eles o gosto por carros, a perspectiva de crescimento da área e o investimento baixo. “Com a crise hídrica, as pessoas estão mais atentas e preocupadas com o uso da água”, diz. A técnica empregada na franquia permite limpar um carro com apenas 300 ml de água.
 
Costa afirma que o suporte técnico e administrativo é uma das vantagens das franquias. “Outro ponto favorável é o nome conhecido no mercado”, diz. A partir de R$ 4.800 já é possível ingressar no negócio (licenciamento básico). Para quem tem mais recursos, há operações que podem chegar a R$ 150 mil em investimentos.
 
O diretor executivo da Acquazero, Marcos Mendes, afirma que a crise econômica e política pela qual passa o país favorece o mercado de franquias que necessitam de baixo investimento. “Muitas pessoas estão perdendo o emprego e não estão conseguindo se recolocar no mercado de trabalho. Tudo indica que o setor de franquias continue sendo a saída inteligente de muitos brasileiros”, observa. 

O que achou deste artigo?
Fechar

Home office

Rescisão e 13º podem virar investimento numa franquia 
Caracteres restantes: 300
* Estes campos são de preenchimento obrigatório
Enviar Comentário

Li e aceito os termos de utilização
Compartilhar usando o Facebook
ou conecte-se com

ATENÇÃO

Cadastre-se para poder comentar

Comentar com Facebook Comentar com Twitter