Recuperar Senha
Fechar
Entrar

Oito anos de investigação

Unimed é condenada por terceirizar atividade-fim 

Cooperativa terá que contratar 3.000 profissionais da saúde em Minas Gerais

Enviar por e-mail
Imprimir
Aumentar letra
Diminur letra
Fachada do Hospital Unimed Contagem MG
Fachada do pronto-atendimento da Unimed BH em Contagem
PUBLICADO EM 02/09/15 - 03h00

A Unimed Belo Horizonte foi condenada pela Justiça do Trabalho a contratar diretamente todos os médicos, enfermeiros e demais profissionais que configuram a atividade-fim nos 33 estabelecimentos mantidos em Minas Gerais. Atualmente, a cooperativa terceiriza profissionais que prestam serviços como pessoa jurídica ou como filiados a outras cooperativas. A ação, movida pelo Ministério Público do Trabalho (MPT), exige que a Unimed-BH reconheça o vínculo trabalhista desses profissionais.

As investigações já duram oito anos e resultaram em uma ação civil pública de mais de 8.000 páginas. Com isso, a Superintendência Regional do Trabalho identificou 3.049 profissionais, entre eles, médicos, enfermeiros, técnicos de enfermagem, fisioterapeutas, fonoaudiólogos, psicólogos, nutricionistas, prestando serviços para a cooperativa como autônomos, por intermédio de pessoas jurídicas diversas, em especial as cooperativas de trabalho médico, que seriam, na realidade, empregados da Unimed.

Segundo os procuradores do Trabalho que ajuizaram a ação, Ana Cláudia Nascimento Gomes e Geraldo Emediato de Souza, a prática é ilegal. “Ao invés de elevar o seu quadro de médicos-cooperados, optou por contratar terceiros, sob diversas formas, em especial como cooperados não vinculados e como pessoas jurídicas,” explicam os procuradores.

Pelo dano moral coletivo, a Unimed-BH foi condenada a pagar R$ 20 milhões à Fundação Sara, voltada ao atendimento de crianças e adolescente com câncer. Ao todo, foram oito condenações que com a previsão de multas que variam de R$ 10 mil a R$ 50 mil por trabalhador em situação irregular.

A decisão do Ministério Público do Trabalho é de primeiro grau e cabe recurso. Por meio de nota, a Unimed-BH destaca que tem como princípio cumprir integralmente a legislação e as decisões judiciais, mas só comentará o assunto após a decisão definitiva da Justiça.

O que achou deste artigo?
Fechar

Oito anos de investigação

Unimed é condenada por terceirizar atividade-fim 
Caracteres restantes: 300
* Estes campos são de preenchimento obrigatório

comentários (2)

Enviar Comentário

Li e aceito os termos de utilização
Compartilhar usando o Facebook
ou conecte-se com

ATENÇÃO

Cadastre-se para poder comentar

Comentar com Facebook Comentar com Twitter