Recuperar Senha
Fechar
Entrar

Em 2014

Lista mostra 28 políticos mineiros que receberam doações da JBS

Grupo dos irmãos Joesley e Wesley Batista ajudou governador, senadores e deputados nas eleições daquele ano; documento entregue à PGR foi divulgado pelo site Congresso em Foco

Enviar por e-mail
Imprimir
Aumentar letra
Diminur letra
Joesley
Joesley Batista é o responsável pelas principais delações da nova crise política
PUBLICADO EM 23/05/17 - 19h28

Os irmãos Batista, controladores da maior empresa de proteína animal do mundo e protagonistas da delação premiada que abalou o governo Temer, entregaram à Procuradoria Geral da República (PGR) uma lista com os nomes de políticos que teriam recebido doações do grupo empresarial nas eleições de 2014. Entre os citados, 28 são mineiros, sendo 25 deputados, além do governador Fernando Pimentel (PT), e dos senadores tucanos Antonio Anastasia e Aécio Neves, que concorreu ao cargo de presidente da República. O levantamento foi divulgado nesta terça-feira (23) pelo site Congresso em Foco.

De acordo com a lista, a maior doação da JBS aos políticos mineiros foi para Aécio Neves, afastado das funções parlamentares desde a última quinta-feira (18) por determinação do ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF). O tucano teria recebido R$ 30,4 milhões. O segundo valor mais alto foi para Pimentel (R$ 5,98 mi) e o terceiro para Anastasia  (R$3,9 mi).

Entre os deputados, aquele com a maior doação conforme o documento é Lincon Portela (PR), com R$ 1,5 mi, seguido de Luiz Fernando Faria (PP), com R$ 1 mi, e Dimas Fabiano (PP), com R$ 900 mil.

Veja a lista:

Adelmo Carneiro Leão (PT) R$ 15,3 mil
Ademir Camilo (PROS) R$ 98 mil
Aelton Freitas (PR) R$ 700 mil
Aécio Neves (PSDB) R$ 30,4 milhões
Antonio Anastasia (PSDB) R$ 3,9 milhões
Bilac Pinto (PR) R$ 300 mil
Diego Andrade (PSD) *
Dimas Fabiano (PP) R$ 900 mil
Eduardo Barbosa (PSDB) R$ 84
Fernando Pimentel (PT) R$ 5,98 milhões
Gabriel Guimarães (PT) R$ 28,9 mil
George Hilton (PRB) R$ 13 mil
Jô Moraes (PCdoB) R$ 13 mil
Laudívio Carvalho (PMDB) R$ 11 mil
Lincoln Portela (PR) R$ 1,5 milhão
Luis Tibé (PTdoB) R$ 528,4 mil
Luiz Fernando Faria (PP) R$ 1 milhão
Mário Heringer (PDT) R$ 210
Patrus Ananias (PT) R$ 91,5 mil
Reginaldo Lopes (PT) R$ 392,9 mil
Renato Andrade (PP) R$ 630 mil
Renzo Braz (PP) R$ 600 mil
Rodrigo de Castro (PSDB) R$ 10,9 mil
Saraiva Felipe (PMDB) R$ 6,7 mil
Stefano Aguiar (PSB) R$ 120 mil
Toninho Pinheiro (PP) R$ 500 mil
Weliton Prado (PMB) R$ 102,1 mil
Zé Silva (SD) R$ 100 mil 

Veja o posicionamento do senador Antonio Anastasia: 

"A campanha do senador Antonio Anastasia recebeu recursos oficiais da empresa JBS S A (CNPJ 02.916.265/0001-60), devidamente registrados junto à Justiça Eleitoral (N° 004560500000MG000285; N°004560500000MG000447; e N° 004560500000MG000006).

A prestação de contas eleitorais, com os dados acima, pode ser conferida por qualquer cidadão por meio do http://www.tse.jus.br/eleicoes/eleicoes-anteriores/eleicoes-2014/prestacao-de-contas-eleicoes-2014/divulgacao-da-prestacao-de-contas-eleicoes-2014

Cordialmente,

Assessoria de Imprensa do Senador Antonio Anastasia."

Veja o posicionamento do deputado federal Laudívio Carvalho:

"Em relação a planilha do executivo da JBS, na qual sou relacionado como beneficiário durante a campanha para eleição de deputado federal, em 2014, venho a público esclarecer:

Todas as doações que recebi foram de origem do Comitê Financeiro Único do Partido. Tais recursos, foram regularmente declarados e aprovados junto à Justiça Eleitoral.

É importante deixar claro que, o candidato não tem acesso à informação sobre a origem das doações oriundas do Partido.

Att.

Laudívio Alvarenga Carvalho

Deputado Federal"

Veja o posicionamento do deputado Mário Heringer

"O deputado federal Mário Heringer (PDT) esclarece que recebeu como doação de campanha eleitoral, em 2014, o valor de R$ 210,00 (duzentos e dez reais), da candidata a deputada estadual pelo PTN Arlete Gonçalves de Magalhães.

Mário Heringer trabalhou em parceria com a candidata a deputada estadual e a doação refere-se a gastos com santinhos de campanha.

Conforme consta no sistema de prestação de contas do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o valor teve como doador originário a JBS, mas a doação foi realizada pela candidata do PTN.

“Não fiz nenhum contato direto ou indireto com a JBS”, esclarece o parlamentar, cuja prestação de contas está à disposição no sistema do TSE."

Veja o posicionamento do deputado Reginaldo Lopes:

"O deputado federal Reginaldo Lopes esclarece
que todas as doações recebidas durante a campanha eleitoral de 2014 foram
legais e aprovadas pela justiça eleitoral. A doação mencionada é
proveniente do diretório nacional do Partido dos Trabalhadores e não do
grupo JBS, não tendo cabimento a responsabilização deste parlamentar por
doações feitas pelo grupo nominado acima, de forma originária ao partido."

Veja o posicionamento do deputado Lincoln Portela:

"O deputado Lincoln Portela recebeu doações de campanha em estrita observância à legalidade, feitas pelo diretório nacional do Partido da República.

Todas as doações estão devidamente registradas no Tribunal Regional Eleitoral, com a prestação de contas aprovada, e constam no portal da transparência do Tribunal Superior Eleitoral.

Em tempo: o parlamentar não conhece ninguém da empresa citada, nunca compareceu à sua sede, nem recebeu nenhum emissário por parte deles, nem de terceiros. Não houve nenhuma tratativa realizada com a empresa. Por dois anos e meio a prestação de contas está à disposição da sociedade brasileira na justiça eleitoral."

Veja o posicionamento do deputado federal Renzo Braz (PP):

"Quero deixar claro para a população que NÃO recebi doação da JBS. Eu recebi doações do Diretório Nacional do Partido Progressista (PP). Durante a campanha eleitoral de 2014, o PP, no qual sou filiado, recebeu doações de diversos grupos empresariais brasileiros, incluindo a JBS.
Ressalto que nunca tive nenhum relacionamento com a JBS e nunca fui citado em delação de qualquer empresa. Além disso, todos os repasses do PP foram feitos por transação bancária e devidamente declarados na Prestação de Contas da minha campanha e na do Partido, sempre obedecendo os trâmites legais. Meu objetivo na política é promover desenvolvimento para o país. Estou na vida pública para combater a corrupção e representar todo cidadão de bem."

Veja o posicionamento do deputado Eduardo Barbosa:

"Não recebi recursos da JBS S/A na minha campanha eleitoral.

Dos fatos:

A candidata a deputada estadual Arlete Magalhães, por iniciativa própria e sem minha autorização, confeccionou santinhos usando o meu nome e número.

O valor do material confeccionado pela candidata totalizou R$168,00. Por se tratar de material com mais de um candidato a legislação eleitoral determina o fracionamento de 50% desse valor. Portanto, *R$ 84,00*- *oitenta e quatro reais*.

A doação realizada pela JBS S/A foi feita diretamente para a campanha da deputada estadual Arlete Magalhães, e não para a minha campanha.  A candidata utilizou do recurso doado a ela pela JBS S/A para pagar esses santinhos, portanto na minha campanha sou obrigado a declarar a doação feita pela candidata como Doação Estimável, mencionando a origem da doação, o que consta da minha prestação de contas aprovada pelo Tribunal Superior Eleitoral.

Eduardo Barbosa

Deputado Federal​"

 

Atualizada em 24/05/2017, às 14h.
Veja mais - Caso JBS

O que achou deste artigo?
Fechar

Em 2014

Lista mostra 28 políticos mineiros que receberam doações da JBS
Caracteres restantes: 300
* Estes campos são de preenchimento obrigatório

comentários (9)

Enviar Comentário

Li e aceito os termos de utilização
Compartilhar usando o Facebook
ou conecte-se com

ATENÇÃO

Cadastre-se para poder comentar

Comentar com Facebook Comentar com Twitter