Recuperar Senha
Fechar
Entrar

Mato Grosso do Sul

Manifestantes gritam 'impeachment' em evento que recebe Dilma

Não é a primeira vez que Dilma é vaiada em Campo Grande; em 2013, ela recebeu vaias de ruralistas em protesto contra a demarcação de terras indígenas

Enviar por e-mail
Imprimir
Aumentar letra
Diminur letra
Dilma
A presidente Dilma Rousseff foi alvo de protestos na manhã desta terça-feira (3) em Campo Grande (MS)
PUBLICADO EM 03/02/15 - 12h45

 A presidente Dilma Rousseff foi alvo de protestos na manhã desta terça-feira (3) em Campo Grande (MS), na primeira viagem oficial da petista a um município brasileiro desde que iniciou o segundo mandato, em janeiro.

Na via de acesso ao local do evento que Dilma participa, na capital de Mato Grosso do Sul, cerca de 50 manifestantes gritaram "impeachment", "fora, PT" e "Lula cachaceiro, devolve meu dinheiro".
A presidente foi à inauguração da Casa da Mulher Brasileira, que reúne em um mesmo prédio delegacia especializada, Defensoria Pública, vara de Justiça e clínica de apoio psicológico às vítimas de violência. O modelo de atendimento deve ser implantado em todas as capitais.

Ao chegar ao local, Dilma visitou a casa ao lado das ministras Carmen Lúcia, do Supremo Tribunal Federal, Eleonora Menicucci (Políticas para as Mulheres) e do governador Reinaldo Azambuja (PSDB). Ela não viu os manifestantes.

Não é a primeira vez que Dilma é vaiada em Campo Grande. Em 2013, ela recebeu vaias de ruralistas em protesto contra a demarcação de terras indígenas. Naquela ocasião, a presidente começou a ser vaiada assim que seu nome foi anunciado no alto-falante pelo locutor do evento. Gritos de "demarcação não" se repetiram enquanto Dilma entregava chaves de ônibus escolares a 78 prefeitos do Estado.

Constrangido, o então governador André Puccinelli (PMDB) chegou a ir ao microfone pedir "respeito" à presidente. Em discurso, Dilma afagou os manifestantes: "Ô gente, eu acho bom vocês gritarem. Democracia é isso".

Medidas impopulares

Desde sua reeleição, em outubro passado, o governo baixou medidas impopulares, como redução de benefícios trabalhistas e previdenciários, aumento de impostos e corte de gastos. O Planalto também enfrenta desgaste com a eleição, no último domingo (1º) do deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), desafeto de Dilma, para a Presidência da Câmara.

O PT, que lançou Arlindo Chinaglia (SP) como candidato e teve empenho de ministros na campanha, sofreu uma derrota por larga vantagem (Cunha teve 267 votos, contra 136 do paulista) e ficará de fora dos principais postos da Casa.

Nesta segunda-feira (2), Dilma ligou para Cunha para cumprimentá-lo pelo resultado. Segundo o peemedebista, "foi uma conversa amistosa".

O que achou deste artigo?
Fechar

Mato Grosso do Sul

Manifestantes gritam 'impeachment' em evento que recebe Dilma
Caracteres restantes: 300
* Estes campos são de preenchimento obrigatório

comentários (7)

Enviar Comentário

Li e aceito os termos de utilização
Compartilhar usando o Facebook
ou conecte-se com

ATENÇÃO

Cadastre-se para poder comentar

Comentar com Facebook Comentar com Twitter