Recuperar Senha
Fechar
Entrar

Truculência

UFMG se une em repúdio à Polícia Federal

Em reunião do Conselho Universitário, reitor e vice-reitora relataram ‘brutalidade’ nas conduções

Enviar por e-mail
Imprimir
Aumentar letra
Diminur letra
foto-ufmg
Nessa quarta-feira (7), estudantes e professores fizeram assembleia em apoio à direção da universidade
PUBLICADO EM 07/12/17 - 21h14

Após quatro horas de reunião a portas fechadas, o Conselho Universitário da UFMG decidiu nesta quinta-feira (7) que vai publicar uma nota se posicionando e repudiando as ações da operação Esperança Equilibrista, deflagrada nesta quarta-feira (6) pela Polícia Federal (PF). Até o fechamento desta edição, a nota ainda não havia sido divulgada. No encontro do colegiado, que é o órgão deliberativo máximo da instituição, Jaime Ramírez e Sandra Goulart de Almeida, respectivamente reitor e vice-reitora da universidade, relataram como os agentes agiram ao conduzi-los coercitivamente.

A investigação apura supostas irregularidades na construção e implantação do Memorial da Anistia Política do Brasil, no bairro Santo Antônio, região Centro-Sul de Belo Horizonte. Conforme a PF, teriam sido empenhados cerca de R$ 19 milhões na construção da estrutura e em pesquisas para a exposição do museu, idealizado em 2008.

Porém, segundo a PF, R$ 4 milhões foram desviados por meio do pagamento de bolsas de estágio e de extensão. Além disso, o órgão sustenta que foi constatado que o único produto aparente do projeto é um dos prédios, ainda inacabado.

Professor de ciência política e vice-diretor da Fafich, Bruno Wanderley Reis disse que o encontro mostrou que a comunidade acadêmica está unida. “Foi uma exibição forte de coesão institucional. A universidade tem o dever de atender as autoridades e atende regularmente. É nossa obrigação. Assim também, as instituições de controle têm obrigação de fiscalizar recursos públicos e a polícia tem a obrigação de observar os direitos e prerrogativas dos suspeitos e do cidadãos investigados. Isso tem sido rotineiramente violado nos últimos anos, em busca do aplauso da opinião pública”, afirmou.

Ao término da sessão, membros do conselho deixaram o prédio emocionados. Segundo a coordenadora do Sindicato dos Trabalhadores nas Instituições Federais de Ensino (Sindifes), Cristina Del Papa, a condução coercitiva feita pela PF de oito pessoas, ligadas à UFMG e a empresas que participaram do suposto esquema, foi feita de forma truculenta e sem explicações do motivo que estavam sendo levados.

“Tivemos relatos do professor Jaime e da professora Sandra em relação à truculência, à brutalidade que a polícia fez com as pessoas e com a instituição. Ficamos impactados com a forma como os agentes trataram as pessoas. O reitor foi jogado no chão, a vice-reitora saiu de casa sem poder ser acompanhada por advogados, pelo marido, assim aconteceu com outros. Eles trataram as pessoas como criminosos, o que não fazem com bandidos soltos por aí”, disse Cristina, completando que os advogados não tiveram acesso ao processo.

A coordenadora do Sindifes relatou ainda que na reunião foi decidido que grupos de trabalhos serão criados para realizar diversas ações, como manifestações, pelo país. Procurada, a PF não se posicionou sobre as acusações.

Presenças. O conselho, presidido pelo reitor, é formado por diretores de unidades acadêmicas, representantes estudantis e de servidores, entre outros. Nesta quinta-feira (7) ex-reitores também participaram da reunião a convite do colegiado, entre eles Clélio Campolina, Ronaldo Pena, Ana Lúcia Gazzola e Tomaz Aroldo da Mota.

Aroldo da Mota chamou a operação de “brutal” e disse que ela não afetou somente pessoas físicas, mas também a instituição. “Portanto, é uma tentativa que resulta no cerceamento da liberdade acadêmica”, declarou.

O que achou deste artigo?
Fechar

Truculência

UFMG se une em repúdio à Polícia Federal
Caracteres restantes: 300
* Estes campos são de preenchimento obrigatório

comentários (8)

Enviar Comentário

Li e aceito os termos de utilização
Compartilhar usando o Facebook
ou conecte-se com

ATENÇÃO

Cadastre-se para poder comentar

Comentar com Facebook Comentar com Twitter