Recuperar Senha
Fechar
Entrar

Pelas Redes Sociais

Estudantes, professores e políticos questionam ação da PF na UFMG

Agentes da Polícia conduziram coercitivamente funcionários da universidade em investigação que aponta suposto desvio de R$ 4 milhões destinados a bolsas de estágio

Enviar por e-mail
Imprimir
Aumentar letra
Diminur letra
PF UFMG
Na sede da PF em Belo Horizonte, estudantes e professores repudiam ação da polícia
PUBLICADO EM 06/12/17 - 15h48

Estudantes, professores e políticos questionam condução coercitiva de oito funcionários da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) na manhã desta quarta-feira (6) durante operação da Polícia Federal.

A investigação aponta suposto desvio de R$ 4 milhões destinados a bolsas de estágio na universidade. Entre os conduzidos estão Jaime Arturo Ramírez (reitor) e Sandra Goulart Almeida (vice-reitora) da UFMG. 

Pelas redes sociais, alunos, professores e políticos se manifestam desde a manhã desta quarta contra a operação. Professora do departamento de história, Regina Helena Alves Silva disse, em uma publicação no Facebook, que é dever da PF investigar, mas não pode "promover espetáculo".

“Entraram as 6 horas da manhã, fizeram busca e apreensão de documentos, levaram vários colegas nossos coercitivamente para prestarem depoimentos. Entre eles nossos reitores Jaime e Sandra. A Policia Federal tem o dever de investigar e achar todos os crimes que forem necessários. Mas não pode, sob hipótese nenhuma, promover um espetáculo de ataque ao que temos de mais precioso nesse país que é a educação publica", afirmou a professora em um trecho da publicação. 

Para o professor Carlos Alberto Ávila Araujo, da Escola da Ciência e Informação da UFMG, "não havia necessidade (da condução coercitiva). Bastava convocá-los. Não há corrupção. Basta verificar os fatos para ver o que de fato ocorreu". Ele também publicou sua opinião em redes sociais.  

Adelmo Leão (PT-MG), classificou a ação como "absurda". "Os reitores da UFMG, que nunca se negaram a prestar depoimentos, foram levados coercitivamente pela Polícia Federal por supostos desvios no 'Memorial da Anistia'", afirmou em publicação. 

Maria do Rosário, também deputado federal petista (Rio Grande do Sul) afirmou que o "combate à corrupção virou desculpa para conduções coercitivas de quem está disponível. O direito é destruído por abuso de autoridade que visa destruir resistência de setores do saber", disse. 

Ainda pelas redes sociais, alunos e professores da UFMG programaram uma manifestação para a tarde desta quarta-feira no prédio da reitoria da universidade em apoio aos funcionários que foram levados coercitivamente nesta quarta. 

 

 

O que achou deste artigo?
Fechar

Pelas Redes Sociais

Estudantes, professores e políticos questionam ação da PF na UFMG
Caracteres restantes: 300
* Estes campos são de preenchimento obrigatório

comentários (13)

Enviar Comentário

Li e aceito os termos de utilização
Compartilhar usando o Facebook
ou conecte-se com

ATENÇÃO

Cadastre-se para poder comentar

Comentar com Facebook Comentar com Twitter