Recuperar Senha
Fechar
Entrar

Susto

Quebradeira e tiro agitam consultório de cartomante

Como promessa não foi cumprida, homem queria dinheiro de volta

Enviar por e-mail
Imprimir
Aumentar letra
Diminur letra
Tumulto. Após fazer ameaças, motivando disparo do policial civil, homem foi contido por militares
Como promessa não foi cumprida, homem queria dinheiro de volta
PUBLICADO EM 13/03/13 - 01h44

Um servidor público federal que pagou R$ 2.500 a uma ‘consultora espiritual’ para tentar reconquistar o amor de uma mulher, mas não obteve o resultado esperado, promoveu uma quebradeira, na tarde de ontem, na sala da cartomante, em um prédio, na área Central de Belo Horizonte. A confusão envolveu até um policial civil, que seria amigo da consultora espiritual e estava no local de trabalho dela, no momento da confusão. O investigador chegou a disparar um tiro, para tentar conter a fúria do cliente.

Segundo a Polícia Militar (PM), Wanderley Silvio Barcelos, 46, teria contratado um ‘serviço espiritual amoroso’ oferecido por Janaína Aparecida Yanowich, 43. Depois de pagar a quantia combinada, o servidor federal aguardou que o problema sentimental fosse resolvido, o que não aconteceu. Como o trabalho tinha dado errado, Barcelos procurou a cartomante para exigir o dinheiro de volta e, diante da negativa de Janaína, teria feito ameaças à consultora.

Com medo, a mulher pediu ajuda ao amigo policial. Segundo a PM, ontem, o investigador Wellington Lopes da Silva, 43, estava no consultório espiritual da amiga, quando Barcelos apareceu e, transtornado, começou a quebrar os objetos da sala.

O barulho no segundo andar do condomínio chamou a atenção de outros comerciantes e de moradores do edifício. Assustada, a secretária da cartomante chegou a se trancar no banheiro, para escapar do atrito entre o servidor federal e o policial civil. Outras pessoas também saíram do prédio correndo, amedrontadas. "Pensei que estava acontecendo um assalto e fiquei desesperada", disse uma mulher, que pediu para não ser identificada.

Disparo. O investigador alegou que tentou conter o cliente, mas também teria sido ameaçado e fez um disparo para evitar a agressão. Em pouco tempo, o prédio foi cercado por policiais militares, acionados por moradores e comerciantes do condomínio. "Me telefonaram e disseram que estava acontecendo uma confusão no andar das salas comerciais. Eu desci e encontrei o prédio tomado por policiais militares armados. Foi impressionante", contou a síndica Graciê Costa.

O que achou deste artigo?
Fechar

Susto

Quebradeira e tiro agitam consultório de cartomante
Caracteres restantes: 300
* Estes campos são de preenchimento obrigatório
Enviar Comentário

Li e aceito os termos de utilização
Compartilhar usando o Facebook
ou conecte-se com

ATENÇÃO

Cadastre-se para poder comentar

Comentar com Facebook Comentar com Twitter