Recuperar Senha
Fechar
Entrar

Exposição

Cem anos de luta e resistência do congado

Mostra que comemora o centenário da irmandade fundada por Chico Calu, ainda homenageia Nossa Senhora do Rosário

Enviar por e-mail
Imprimir
Aumentar letra
Diminur letra
4
A guarda fundada por Chico Calu é a terceira mais antiga de BH em atividade
PUBLICADO EM 15/12/17 - 03h00

Uma festa de louvor e devoção, unindo religiosidade e música, que enche os olhos de quem a assiste, por sua força e seu colorido. Ao mesmo tempo, por trás, uma história de luta. E de resistência. Tendo como foco uma das tradições de matriz africana presentes na capital mineira, o Museu Inimá de Paula recebe a exposição “Reinado de Chico Calu – Repertórios Sagrados da Irmandade Os Carolinos”, que reúne fotografias, fardas, altares, santos de devoção, mastros, andores, cruzeiros e outros objetos.

A iniciativa, em cartaz até o dia 28 de janeiro, homenageia o centenário da irmandade fundada por Francisco Carolino (o Chico Calu), para louvar Nossa Senhora do Rosário. À época, a guarda se localizava nos arredores do recém-criado município de Contagem, na divisa com Santa Quitéria (hoje, Esmeraldas).

Em 1937, a guarda migrou para Belo Horizonte com o filho de Chico Calu, Luiz Carolino, e fincou suas raízes no bairro Aparecida, onde se encontra até hoje, na avenida Américo Vespúcio, junto a outras duas guardas: o Congo Feminino do Aparecida e a Guarda de Moçambique do Divino Espírito Santo do Reino de São Benedito. Em setembro passado, foi lançado o CD “Aparecida, Reinos Negros”, com registros dos três reinados.

Na mostra, que emula um terreiro de congado, as fotografias trazem a assinatura de Netun Lima e Patrick Arley. São mais de 30 cliques impressos em tecidos e emoldurados com estandartes, propondo uma narrativa estética. “A ideia é que o visitante se sinta lá, dentro de uma guarda”, diz Patrick, que acompanha as guardas de congado há cerca de cinco anos.

O também antropólogo (atualmente, fazendo seu doutorado na área) lembra que a maior parte das pessoas se contagia pelo caráter festivo da manifestação, mas frisa: “O cortejo é, sim, o centro dessa fé. Mas, por trás, há uma história de muita luta”, afirma.

Serviço. Reinado de Chico Calu – Repertórios Sagrados da Irmandade Os Carolinos. Museu Inimá de Paula (rua da Bahia, 1.201, centro, 3213-4320). Até 28/1/18. Entrada franca. 

O que achou deste artigo?
Fechar

Exposição

Cem anos de luta e resistência do congado
Caracteres restantes: 300
* Estes campos são de preenchimento obrigatório
Enviar Comentário

Li e aceito os termos de utilização
Compartilhar usando o Facebook
ou conecte-se com

ATENÇÃO

Cadastre-se para poder comentar

Comentar com Facebook Comentar com Twitter