Recuperar Senha
Fechar
Entrar

Tudo é Jazz

Dose de humor responsável

Eduardo Dussek se apresenta na Casa da Ópera, em Ouro Preto, com repertório de canções românticas e críticas

Enviar por e-mail
Imprimir
Aumentar letra
Diminur letra
Dussek
Showman. Fazendo valer sua formação teatral, Dussek emprega a ficção em quadros de comédia stand-up apresentados entre as músicas
PUBLICADO EM 21/04/17 - 03h00

O compositor, cantor e pianista carioca Eduardo Dussek segue comemorando os 40 anos de carreira, cravados no ano passado. Ele se apresenta neste sábado (22), às 20h, na Casa da Ópera, em Ouro Preto. O show de Dussek é uma das ações culturais do Festival Tudo É Jazz, que busca retomar sua presença na cidade histórica. A entrada é gratuita.

Refletindo as quatro décadas de trajetória artística, Dussek vai apresentar um mix de suas criações. “Minha carreira atirou para muitos pontos. Tem a parte engraçada e humorística, que é minha característica de compor, especialmente na minha primeira década de carreira. Mas, ao contrário do que se pensa, não foi meu humor que mais marcou o público. É quando eu toco as românticas que o pessoal canta junto”, revela o músico, dando os exemplos de “Aventuras” e “Cabelos Negros”.

“O show vai ter de músicas críticas a momento stand-up, clássicos e românticas, mas sem ser pretensioso. Quero combinar a apresentação com o lugar”, completa o músico, em referência à Casa da Ópera.

Passeando pelo repertório, Dussek ainda irá fazer uma homenagem a Minas Gerais com “Águas da Saudade”. “Fiz essa música em parceria com Isolda, compositora paulista, em uma época em que eu estava indo com frequência a Belo Horizonte e frequentando o Cabaré Mineiro”, lembra o músico.

Trajetória. Além de arquiteto, Dussek se dedicou a uma formação artística múltipla, desenvolvendo suas habilidades no piano, no canto e no teatro. Foi aos 15 anos, quando estudava na Escola Nacional de Música, que ele deu início a sua carreira como pianista em peças de teatro.

Para além da presença e de todo o domínio do palco, Dussek se faz marcante na relação com o público, trazendo a suas interpretações e composições o bom humor, a sátira e a acidez em melodias elaboradas de rock, samba, Carnaval e a MPB. Ele é o que se pode chamar de “showman” que se apresenta com um teclado e um piano em um roteiro que não se furta a beber na comédia stand up, mas com cara própria.

“Nós não temos muito essa característica aqui no Brasil, do artista que é, ao mesmo tempo, o apresentador, o cantor e o músico que conversa diretamente com o público. Mas eu sempre usei disso na minha carreira, porque venho do teatro e trago essa influência direta. Eu sou bem teatral”, confessa.

“Eu evoco um personagem que cumpre essas funções de forma bem debochada. Não é exatamente teatro, mas uma figura ficcional que fala de questões em voga. Não tem um cunho político. O Brasil anda muito dividido, e eu não me arrisco a falar disso no show diretamente. São piadas leves. O humor brasileiro está exaurido com os acontecimentos recentes. Todos nós estamos sentindo na pele. Então, aproveito que a música permite e jogo o astral para cima”, conta.

O humor de Dussek não é exatamente engajado, como ele mesmo afirma, mas, ainda que indiretamente, faz apontamentos para questões políticas, ainda que envolvidas na atmosfera da comicidade. “Meu humor é responsável. Trata de assuntos de cunho social, de verdades sociais que quero falar, mas de forma bem-humorada. A crítica presente nas minhas músicas é o que não as deixa envelhecer. É uma crônica de uma época, mas tratada da perspectiva do humano, tanto nas canções debochadas quanto nas românticas”, afirma.

Para se fazer entender, ele cita “Rock da Cachorra”, de Leo Jaime, um dos grandes sucessos de sua carreira. “Essa música continua atual porque tem muita gente que dá mais valor a cachorro do que a criança pobre”, pontua.

Também “Doméstica” é reveladora do olhar social de Dussek. “Ela conta a história de uma doméstica que apanhava da patroa, mas a situação se inverte, e a patroa vira empregada”, comenta. “As pessoas sempre dizem que sou um humorista. Mas não sou. Eu sou seríssimo, a realidade é que é uma piada”, conclui.


Agenda

O quê. Tudo é Jazz traz show de Eduardo Dussek

Quando. Neste sábado (22), às 20h

Onde. Casa da Ópera (Ouro Preto)

Quanto. Entrada gratuita

O que achou deste artigo?
Fechar

Tudo é Jazz

Dose de humor responsável
Caracteres restantes: 300
* Estes campos são de preenchimento obrigatório
Enviar Comentário

Li e aceito os termos de utilização
Compartilhar usando o Facebook
ou conecte-se com

ATENÇÃO

Cadastre-se para poder comentar

Comentar com Facebook Comentar com Twitter