Recuperar Senha
Fechar
Entrar

Literatura

Obra emblemática de Raul Brandão é reeditada

'Húmus', um dos principais livro do escritor modernista português, está de volta às livrarias brasileiras

Enviar por e-mail
Imprimir
Aumentar letra
Diminur letra
Húmus
“Húmus”. Livro tem duas versões e é a de 2016 que chega ao país
PUBLICADO EM 12/01/18 - 03h00

Rio de Janeiro. O modernismo português deu voz a grandes escritores, como Fernando Pessoa e Mario de Sá-Carneiro, que sempre tiveram seus livros em catálogo no Brasil. Mas existem outros nomes importantes para o movimento que há anos esperam por uma redescoberta editorial por aqui. É o caso de Raul Brandão (1867-1930). Em 2016, ele teve o livro póstumo “O Pobre de Pedir”, de 1931, lançado pela primeira vez em solo nacional (pela Chão de Feira). No fim de 2017, foi a vez de sua obra mais emblemática, “Húmus”, retornar às nossas livrarias. A espera tem um peso quase centenário. Lançado em Lisboa em 1917, o livro, que mistura poesia, prosa e experimentações de linguagem, teve sua última edição aqui em 1921.

Ambientado no modorrento cenário de uma vila, “Húmus” relata o cotidiano desse lugar assombrado pela rotina, a religião e a morte a partir de um narrador onipresente. A obra tem diversas características que o inserem em um típico projeto modernista, a começar pela linguagem, como aponta o professor da Universidade Federal de São Paulo Leonardo Gandolfi, especializado em literatura portuguesa, que assina o posfácio desta edição.

Escrito em formato de diário descontínuo, no tipo de fragmentação cara aos projetos modernistas – como no “Livro do Desassossego”, de Fernando Pessoa – a chamada prosa poética é, de acordo com Gandolfi, um dos grandes definidores da obra.

“O escritor Paul Valéry dizia que a prosa se assemelhava a andar, e a poesia, a dançar. Na verdade, a melhor prosa do século XIX põe em xeque qualquer dicotomia entre poesia e prosa. ‘Húmus’ é importante porque faz essa fusão de maneira mais forte na literatura portuguesa. Ele também redimensiona a ideia de tempo e espaço, já que brinca com a necessidade de início, meio e fim. Tudo isso se junta às experimentações com a voz narrativa. Basicamente, o livro implode a narrativa tradicional”, explica.

Reedição. Apesar de a obra ter sido lançada em 1917, outras duas versões distintas da primeira se seguiram à original, sendo a última de 1926. É essa que chega agora ao país – ainda assim porque, em 2016, a editora Graziella Beting descobriu por acaso uma edição de “Húmus” em inglês, numa viagem aos EUA. Foi então que ela percebeu a necessidade de reeditá-lo por aqui novamente, com atualização gramatical, mas mantendo supostas incongruências encontradas na última versão do romance, como a não linearidade nas datas do diário. A composição gráfica também retoma a atmosfera do livro, com manchas de nanquim a cada capítulo.

“Quando li o livro pela primeira vez, me perguntei como não tínhamos isso no Brasil. Raul Brandão é um escritor muito lido e valorizado por outros escritores, como José Saramago. Foi importante pra uma renovação da literatura portuguesa e não tê-lo aqui é inadmissível”, disse Graziella.

O que achou deste artigo?
Fechar

Literatura

Obra emblemática de Raul Brandão é reeditada
Caracteres restantes: 300
* Estes campos são de preenchimento obrigatório
Enviar Comentário

Li e aceito os termos de utilização
Compartilhar usando o Facebook
ou conecte-se com

ATENÇÃO

Cadastre-se para poder comentar

Comentar com Facebook Comentar com Twitter