Recuperar Senha
Fechar
Entrar

Câmara de Estrela do Sul não vai investigar prefeita que deu “carteirada” em blitz da PM

A prefeita Dayse Galante (PSD), de Estrela do Sul, município do Triângulo Mineiro, se envolveu em uma polêmica no final do ano passado ao tentar dar uma “carteirada” numa blitz da Polícia Militar para tentar livrar amigos pessoais que estavam embriagados. Mesmo tendo sido gravada na tentativa, Dayse não deve ter problemas com a Câmara Municipal. Dos nove vereadores da cidade, sete fazem parte da base governista. Assim, nenhum tipo de inquérito será aberto para discutir ou investigar a atuação ilegal da prefeita no caso.

Caso uma CPI fosse aberta e os vereadores comprovassem a ilegalidade cometida pela prefeita, Dayse Galante poderia sofrer um processo de impeachment e deixar o cargo. O Aparte entrou em contato com dois parlamentares da Câmara Municipal, mas ambos se recusaram a falar sobre a abertura de investigações acerca da situação. “Os próprios vereadores estão com medo de entrar na história. Não vai ter nada”, disse um, que pediu para não ser identificado.

A cena ocorreu no final de dezembro na própria cidade de Estrela do Sul. De acordo com a PM, foi realizada uma operação rotineira de fiscalização de veículos na região. Um carro com placa de Uberlândia passava pelo local quando foi abordado pelos militares. O motorista, chamado Robson e que foi identificado como um farmacêutico da cidade, mostrava sinais de embriaguez. Irritado com a atuação da PM, ele chamou a prefeita ao local.

“Vocês têm que ir é prender os bandido (sic), não é fazer essa confusão aqui, não, prender gente de bem”, diz, no vídeo, a prefeita, antes de um policial responder: “Mas eles estão todos embriagados, temos que parar quando é assim”. Ela rebate, ameaçando: “Estão mesmo, estão mesmo. Mas vocês vão ver, amanhã vocês vão ver. A partir de hoje está tudo cortado do município para a PM. Tudo cortado”.

Durante a confusão, a prefeita se exalta por algumas vezes com policiais e com um morador local que filmava a cena. Ela tenta retirar, à força, o celular das mãos do cinegrafista amador, mas sem sucesso.

Ainda insatisfeita com a situação, ela faz novas ameaças à PM. “Não vou ajudar mais. Vai fechar o pelotão daqui. O Estado tá falido, Estado falido, então eu quero ver como vão fazer. Eu não ajudo mais”, diz, para depois completar: “A instituição que eu mais cuido é a PM, e vocês não estão cuidando de mim agora. Não aceito isso”.

Dayse também faz pressão ao alegar que nenhum dos policiais é morador da cidade. “Ninguém aqui é de Estrela do Sul. Vai cuidar da cidade de vocês, não tem o que fazer aqui. Não é Minas, não, é Estrela do Sul”, diz. Ela, depois, diz estar sendo desrespeitada por ser mulher. “Tem que me respeitar, só porque a autoridade é mulher vocês acham que pode tudo (sic)”.

Após quase uma hora de bate-boca, o motorista embriagado foi levado para a delegacia. Ele teve a carteira de habilitação apreendida. (Lucas Ragazzi)

R$ 24 mil

É quanto o cerimonial do Ministério das Relações Exteriores reservou para a aquisição de obras de arte que retratam a flora brasileira, de autoria de artistas nacionais, a fim de presentear autoridades estrangeiras no contexto de eventos e visitas oficiais organizadas pelo Itamaraty.

FOTO: PMN/ FACEBOOK / REPRODUÇÃO

Entrada. Pré-candidata à Presidência, a jornalista Valéria Monteiro, 52, se filiou ontem ao PMN. No ato de filiação, ela fez um discurso evocando o diálogo, a esperança e a reconciliação entre brasileiros. Valéria disse que seu objetivo é compor uma união nacional para mudança dos padrões atuais da política. “Meu menu é muito mais amplo do que coxinhas e mortadelas”, declarou. As propostas da pré-candidata estão em construção, assim como o modelo da futura campanha. “Ainda não há uma história política que envolva meu nome, e isso é uma diferença da minha candidatura para as demais. Sou uma pessoa que vem da vida cotidiana, que entende as dificuldades de ser brasileiro”, disse a jornalista. 

Fake news

]O ministro Luiz Fux, vice-presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), deve se reunir na próxima semana com o diretor geral da Polícia Federal (PF), Fernando Segovia, para tratar de um esforço conjunto entre a Corte Eleitoral e a corporação no enfrentamento das fake news. A PF integra um grupo de trabalho estabelecido pelo ministro para discutir a disseminação de fake news durante as eleições com dois delegados e um perito do serviço de repressão a crimes cibernéticos, ligado à Coordenação Geral de Polícia Fazendária, e com um delegado da Coordenação Geral de Defesa Institucional. Na última quinta-feira, integrantes da equipe de Segovia se reuniram a portas fechadas com técnicos do TSE para aprofundar a discussão e elaborar estratégias conjuntas. O objetivo é produzir uma proposta de legislação específica para o combate às fake news. No dia 6 de fevereiro, Fux assumirá a presidência do TSE. Na segunda-feira, está prevista na Corte uma nova reunião do Conselho Consultivo sobre Internet e Eleições, que deverá discutir um mapeamento de normas internacionais e boas práticas no tratamento de fake news.

Tabloide para atacar

Formada pelo PT e por movimentos de esquerda, a Frente Brasil Popular lançou nesta semana um jornal em que promete reação em caso de condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4). Com 12 páginas, o tabloide faz duros ataques ao Judiciário em títulos como “Juízes esbanjam salários milionários” e “Empresas financiam eventos luxuosos de juízes” e à operação Lava Jato. O jornal, lançado especialmente para distribuição às vésperas do julgamento, diz, em seu editorial, que o juiz Sergio Moro “não conhece limites para perseguir petistas”. E afirma: “Engana-se o Judiciário se imagina que o povo não irá reagir ao sequestro da política e ao ataque à democracia que ele vem promovendo. Haverá a reação popular, e a primeira vitória será assegurar o direito de Lula ser candidato”. Editado pelo grupo Brasil de Fato, o jornal diz ainda que a Lava Jato está destruindo a Petrobras e que o Grupo Globo tenta inviabilizar a candidatura de Lula.

FOTO: Raquel Cunha/Globo/divulgação

“Especulações de todo tipo voltaram a circular em torno do meu nome. Em tempos de terra arrasada na política brasileira, muita gente ouve o que quer, e não o que foi dito.”

Luciano Huck

Apresentador, reafirmando que não será candidato à Presidência da República