Recuperar Senha
Fechar
Entrar

Em disputa, Nely do Valdivino e Cláudio Duarte trocam farpas na Câmara Municipal

A vereadora Nely do Valdivino (PRTB) causou polêmica, na sexta-feira, na Câmara Municipal de Belo Horizonte, ao subir na tribuna da Casa e afirmar que seu colega, o vereador Cláudio Duarte (PSL), teria sido desrespeitoso com sua chefe de gabinete. Segundo ela, o parlamentar teria tratado mal a funcionária, que está grávida de cinco meses e precisou ser levada ao serviço médico da Casa após a discussão.

“Eu exijo que meus colegas respeitem meus servidores, eles estão lá para servir o município. Se tiver algum problema comigo, fale diretamente a mim, e não com os trabalhadores”, exclamou Nely. Segundo a vereadora, Cláudio Duarte teria questionado a funcionária por que ela o olhou com “cara de nojo”. “Respeite as mulheres, ofender uma grávida deste jeito não dá. Não admito que ninguém faça isso”, completou. 

Não é de hoje que há rusgas entre Nely do Valdivino e Cláudio Duarte. Pré-candidatos a uma cadeira na Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), eles disputam votos na mesma região de Belo Horizonte – fato que faz com que os dois parlamentares se enxerguem como rivais diretos. Além de Nely, o vereador Jair di Gregório (PP) também tem se colocado como inimigo de Duarte por disputar eleitores na mesma igreja evangélica.

Questionado, o vereador confirmou a disputa e disse acreditar que esse é o motivo do ataque. “Ela fez esse estardalhaço todo e nem sequer me deu a oportunidade de responder. Ela derrubou o quórum da sessão de forma proposital justamente para que eu não pudesse me posicionar. Foi uma atitude covarde. Estão aprontando pra cima de mim, criando factoides assim, justamente por conta dessa disputa eleitoral. É um jogo sujo do qual eu me recuso a fazer parte”, rebateu o vereador.

Cláudio Duarte também disse que realmente questionou a chefe de gabinete. “Eu estava indo para o plenário quando passei pela vereadora, a funcionária e seu motorista. Dou bom dia a todos, como sempre, e ela fez uma careta pra mim. Então só questionei: ‘Por que é você não gosta de mim?’, e ela começou a fazer uma cena. É lamentável que um episódio como esse vire discurso em plenário”, afirmou, para depois completar. “Esse é sempre o joguinho dela, sempre inventam coisas contra mim. Chegaram até a fazer perfis falsos na internet somente para me atacar. Eu lamento muito que chegue neste nível”, rebateu.

Em julgamento

FOTO: Rodrigo Félix/Estadão Conteúdo - 31.8.2015

Está marcado para o próximo dia 19, quinta-feira da semana que se inicia neste domingo (15), o julgamento dos embargos apresentados pelo ex-ministro José Dirceu (PT) no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4). O ex-ministro recorre da condenação já aplicada em primeira e em segunda instância pela Lava Jato. Se os embargos forem negados, o que é bem provável, o petista tende a voltar à prisão. Ele foi libertado após decisão da Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF), que determinou que o ex-ministro só pode ser preso quando forem concluídos os recursos em segunda instância. Um dia antes de decidir o futuro de José Dirceu, o tribunal da Lava Jato julga os embargos dos embargos apresentados pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), já preso em Curitiba por determinação do juiz Sergio Moro, da 13ª Vara Federal da capital paranaense.

Ação por repasses

O PSDB entrou na última sexta-feira com nova Ação Direta de Inconstitucionalidade por Omissão (ADO) junto ao Supremo Tribunal Federal (STF), contra o governo de Minas, com pedido de medida cautelar, para que sejam repassados imediatamente aos municípios os recursos retidos do IPVA. Segundo dados da Associação Mineira dos Municípios (AMM), o governo estadual deve às prefeituras R$ 749 milhões em recursos do IPVA. Em dezembro passado o PSDB já havia ajuizado uma ação semelhante contra o governo mineiro, junto ao STF, o que garantiu o pagamento do ICMS aos municípios, embora, segundo a AMM, os repasses ainda estão em atraso.

As obras de Aécio

A defesa do senador Aécio Neves (PSDB-MG) pediu ao ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), para transferir de endereço 15 quadros e uma escultura apreendidos pela Polícia Federal em maio do ano passado, em uma operação de busca e apreensão. As informações são do jornal “O Globo”. As obras de arte estão no apartamento do parlamentar localizado na avenida Vieira Souto, na zona Sul do Rio de Janeiro. Os objetos são guardados por João da Silva Ribeiro, funcionário da família. A justificativa de Aécio para mover as obras é uma intenção de venda do imóvel. O tucano aponta outro apartamento da família, na avenida Atlântica como destino, caso consiga a autorização.

Frase do dia

“Não se pode tolerar a corrupção, a corrupção corrói tecidos sociais, compromete a gestão pública e privada, tira recursos valiosos da educação, saúde e segurança. O combate à corrupção é imperativo da democracia. A democracia é a melhor arma para fazer frente a esse mal, é o que demonstra a experiência brasileira.”
Michel Temer (MDB), presidente da República, alvo de duas denúncias da Procuradoria Geral da República, e investigado em inquérito por suspeita de corrupção