Recuperar Senha
Fechar
Entrar

Parte do PSB de Minas ‘sonha’ com a filiação de Rodrigo Pacheco para disputar o governo

O deputado federal e presidente da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) da Câmara dos Deputados, Rodrigo Pacheco (PMDB), tem sido sondado por membros do PSB de Minas Gerais para integrar a legenda. Inclusive, é dito por interlocutores da sigla que tem sido oferecida a ele a possibilidade de ser candidato ao governo do Estado nas eleições do ano que vem. O nome do peemedebista aparece no momento em que o PSB de Minas se mostra mais dividido.

Atualmente, o ex-prefeito de Belo Horizonte e atual presidente da legenda em Minas, Marcio Lacerda, é tido como pré-candidato ao Palácio Tiradentes em 2018 pela agremiação. Em fevereiro, o presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira, chegou a lançá-lo para o pleito. No entanto, como o Aparte mostrou, é notório o racha que existe no partido. Há uma ala que não concorda com o nome de Lacerda para o cargo. Uma das justificativas é a de que falta a ele força e articulação para construir alianças políticas, uma vez que nas eleições municipais de 2016 ele não conseguiu eleger seu sucessor, Délio Malheiros (PSD), à Prefeitura de Belo Horizonte. Ele ficou em quinto lugar.

E foi na disputa pela PBH que Pacheco acabou ficando em terceiro lugar. Ele começou a campanha eleitoral em último lugar nas intenções de voto, mas ganhou fôlego na reta final da disputa. O peemedebista ganhou mais notoriedade neste ano, ao chegar à presidência da CCJ da Câmara. Em especial, porque escolheu um relator independente para relatar a admissibilidade da denúncia por corrupção passiva contra o presidente Michel Temer. Por essa decisão, membros do PMDB de Minas dizem que sua permanência na sigla é insustentável.

Na última reunião da executiva estadual do PMDB, no início do mês, o vice-presidente do Legislativo Federal, Fábio Ramalho, criticou a postura de Pacheco de não ter conversado com os deputados mineiros sobre a denúncia: “Ele deveria ter reunido a bancada de Minas (para discutir sobre a escolha do relator), que foi quem o colocou lá para ser presidente da CCJ. Se não fosse a bancada mineira, ele jamais teria sido presidente da CCJ”, disparou na época.

Outro ponto que agrada ao PSB de Minas é que Pacheco é o tipo de candidato que tem condições de colocar dinheiro em sua campanha, principalmente em um momento em que doações de empresas estão proibidas. Em 2016, o deputado desembolsou R$ 4,6 milhões. “Existe essa conversa inicial com o Rodrigo, não tem como negar, mas é tudo muito preliminar. Se ele quiser vir para o PSB, vai ser muito bem-vindo. Mas as discussões sobre a possível candidatura é algo que tem sido tratado com muita cautela, uma vez que o Lacerda é o nosso candidato, já tem viajado para o interior, investido tempo nisso. Mas não vamos descartar”, afirmou uma fonte.

Antes dessa discussão, Lacerda tem que enfrentar outro trunfo: a presidência do PSB de Minas, que é concorrida por outros três candidatos. (Fransciny Alves)

Ativos

O secretário da Fazenda de Minas Gerais, José Afonso Bicalho, vai hoje à Câmara Municipal de Belo Horizonte para participar da oitiva da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investiga supostas irregularidades na empresa PBH Ativos durante a gestão do ex-prefeito Marcio Lacerda (PSB). Bicalho foi secretário de Finanças da prefeitura e acompanhou de perto a criação da empresa pública. Além dele, também participam da oitiva os ex-dirigentes Ricardo Simões e Edson Ronaldo Nascimento. Como o requerimento tem caráter convocatório, se eles não comparecerem, podem responder por crime de desobediência. 

Chateados com Kalil

As críticas do prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil (PHS), à Prodabel causaram mal-estar entre os funcionários da empresa pública. Ao fazer uma transmissão ao vivo em seu perfil no Facebook, na última semana, o vídeo travou por quatro vezes. Em uma dessas interrupções, Kalil ficou muito irritado e soltou: “Já pedi para essa merda da Prodabel vim cá arrumar isso dez vezes, entendeu? Parece que eles não conseguem resolver. A gente tem essa porcaria de internet. Como tudo aqui na prefeitura, desde que nós chegamos. Era assim, e nós vamos mudar”, reclamou. Funcionários da Prodabel disseram que em vez de criticar a pasta, o prefeito poderia ajudar a solucionar os problemas da empresa, já que não teriam material e pessoal suficiente para atender todas as demandas que são feitas a eles. Aliás, ouvir críticas sobre a internet ruim na sede da PBH é muito comum, uma vez que são recorrentes as falhas no Wi-Fi. 

Frase do dia

“Todo cidadão pode ser investigado. Nenhum cidadão está acima da lei, e espero que o presidente (Michel Temer) reconheça isso. É um fato gravíssimo envolvendo o presidente em denúncias de corrupção.” Mariana Carvalho, dep. federal (PSDB-RO).

FOTO: Marcelo Sant’Anna / Imprensa MG

Dia de Minas. O governador Fernando Pimentel (PT) presidiu ontem, em Mariana, a solenidade de entrega da Medalha do Dia de Minas. No evento, 51 personalidades foram agraciadas, incluindo o sargento Marcos Marques da Silva, assassinado há uma semana em Santa Margarida. Em discurso, Pimentel afirmou que o Brasil, nesse momento de crise, precisa aprender com o exemplo dado por Mariana, que conseguiu superar as dificuldades após o desastre ambiental de 2015. O governador destacou que Minas “não fez nem fará” ajuste fiscal e atacou a atual relação entre os poderes da União, “mergulhados em uma disputa fraticida e insensata, da qual o grande perdedor é o povo”.

Agenda eleitoral adiantada

Mesmo como o recesso parlamentar marcado somente para a próxima quarta-feira, vários deputados já deixaram de bater ponto na Assembleia Legislativa de Minas Gerais e arrumaram as malas para viajar pelo interior. Com as eleições de 2018 batendo à porta, os parlamentares já começam a visitar as bases em busca de apoio para o pleito do ano que vem. Mesmo com a incerteza se o Congresso Nacional vai ou não aprovar um novo sistema eleitoral, os políticos querem garantir votos, por isso adiantaram a agenda eleitoral. A torcida é para que o sistema “distritão”, em que os mais votados são eleitos e não há puxadores de votos, passe em Brasília. Coincide com as férias dos deputados o fato de o governador Fernando Pimentel (PT) ter liberado parte das emendas parlamentares. Com isso, os políticos estão aproveitando para inaugurar ou visitar locais de obra que foram indicados por eles.