Recuperar Senha
Fechar
Entrar

Vereadores de Sete Lagoas usam verba com ex-servidores 

Segundo o controlador interno da Câmara, Gilmar de Souza, nenhuma das contratações feitas é ilegal

Enviar por e-mail
Imprimir
Aumentar letra
Diminur letra
PUBLICADO EM 21/03/16 - 03h00

Notas fiscais disponibilizadas no início do mês pela Câmara Municipal de Sete Lagoas, na região Central, mostram que pelo menos três vereadores utilizaram a verba indenizatória, criada para suprir gastos de gabinete, com pessoas ligadas a seus escritórios parlamentares e até mesmo com ex-servidores.

O presidente da Câmara, vereador Fabrício Nascimento (PMN), é um deles. Conforme mostram os documentos, ele tem um gasto mensal de mais de R$ 4.000 com aluguel de carros para dois pastores que pertencem à igreja do parlamentar. Um dos religiosos, inclusive, é ex-assessor de gabinete do vereador. Como as notas fiscais disponibilizadas são referentes apenas ao mês de janeiro passado, não é possível saber quanto o presidente da Casa já gastou, no total, com pagamentos ao ex-funcionário.

Já o vereador Joaquim Gonzaga (PSL) pagou R$ 4.200 a um ex-servidor da Mesa Diretora por “serviços técnicos, profissionais de consultoria e assessoria”. Segundo o gabinete do parlamentar, o funcionário já era conhecido do vereador e foi convidado a trabalhar como assessor jurídico.
Outro parlamentar que mostrou utilizar a verba pública com conhecidos foi o tucano João Evangelista. Em janeiro, ele gastou R$ 4.600 com o aluguel de dois carros. Um dos veículos foi adquirido junto a uma ex-assessora de gabinete dele.

Segundo o controlador interno da Câmara, Gilmar de Souza, nenhuma das contratações feitas é ilegal. Segundo ele, não há na resolução sobre a verba indenizatória restrições a ex-servidores. O Aparte entrou em contato com os gabinetes dos vereadores, mas nenhum deles retornou as ligações. 

Rumo a Brasília

A ClickBus, plataforma líder em vendas online de passagens de ônibus, oferece R$ 100 de desconto em passagens com destino a Brasília para ajudar os brasileiros que querem participar desse momento histórico. A ação apartidária intitulada “Seja Ouvido em Brasília” foi lançada em meio às convocações para várias mobilizações com pautas distintas. “Acreditamos que todos os brasileiros, independentemente de partido ou pauta, devem ter a oportunidade de acompanhar de perto os desdobramentos políticos que acontecem em Brasília”, afirma Cesário Martins, fundador da ClickBus. Os cupons de R$ 100 são válidos para compras de passagens com embarque até hoje, de qualquer cidade com destino à Rodoviária Interestadual de Brasília.

Crise nas gôndolas

A entidade que representa o varejo de supermercados do Estado de São Paulo declarou apoio ao processo de impeachment da presidente Dilma. Em nota, a Associação Paulista de Supermercados (Apas) fez críticas à nomeação do ex-presidente Lula como ministro da Casa Civil. A entidade considera que o setor de supermercados tem sido afetado pelo aumento do desemprego e pela redução da renda das famílias. A Apas avalia que o comércio no Brasil está sofrendo uma “paralisação” em meio ao cenário de crise política e na economia. A nota defende ainda a atuação do Ministério Público e da Polícia Federal no combate à corrupção. A Apas afirma acreditar que o impeachment “é único caminho viável em curto prazo para enxergamos uma nova perspectiva”.

FOTO: PAULO LISBOA/BRAZIL PHOTO PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO
0
 

País do futebol e da Lava Jato. O primeiro clássico entre o Atlético Paranaense e Coritiba, neste domingo, em Curitiba, berço da operação Lava Jato, foi marcado por protestos contra a presidente Dilma e de apoio ao juiz Sérgio Moro, que conduz as investigações. Antes de o jogo começar, torcedores gritaram palavras de ordem contra o ex-presidente Lula. No setor onde fica a torcida organizada Os Fanáticos, do Atlético, foi exibida uma faixa em apoio a Moro. “No país do futebol meu ídolo usa terno. Sérgio Moro”, dizia a mensagem. Em outros setores do estádio, torcedores mostraram apoio à operação Lava Jato usando máscaras do juiz.

R$ 85 mil É O VALOR que a Secretaria de Estado de Direitos Humanos e Cidadania empenhou para a contratação de uma empresa para Serviços de Impressão e Repografia.

Fora PT no Fla-Flu

Antes do início do clássico entre Flamengo e Fluminense, neste domingo, no Pacaembu, em São Paulo, parte dos torcedores protestou contra o governo federal e a presidente Dilma Rousseff (PT). Enquanto os jogadores estavam perfilados, boa parte dos presentes no estádio gritou “Fora PT”, durante a execução do Hino Nacional. Em seguida, entoaram “Ei, Dilma, vai tomar...”, mas com menor adesão. A partida foi remanejada para fora do Rio de Janeiro porque os estádios locais já estão em fase de preparação para a Olimpíada Rio-2016.


Servidores na Paulista

Cerca de 15% das 95 mil pessoas que foram à manifestação pró-Lula e Dilma na última sexta-feira, na avenida Paulista, disseram ser funcionários públicos. O percentual é cinco vezes maior que o declarado na cidade de São Paulo – só 3% dos moradores afirmam ter essa ocupação. Os dados são de pesquisa Datafolha feita durante a manifestação. Entre 16h e 20h30, foram ouvidas 1.963 pessoas. A margem de erro é de 2 pontos para mais ou para menos. Os dados da cidade são de levantamento realizado em 28 e 29 de outubro de 2015. Dos manifestantes presentes no ato, 6% afirmaram ser empresários, segundo o instituto.

O que achou deste artigo?
Fechar

Vereadores de Sete Lagoas usam verba com ex-servidores 
Caracteres restantes: 300
* Estes campos são de preenchimento obrigatório
Enviar Comentário

Li e aceito os termos de utilização
Compartilhar usando o Facebook
ou conecte-se com

ATENÇÃO

Cadastre-se para poder comentar

Comentar com Facebook Comentar com Twitter