Recuperar Senha
Fechar
Entrar
13/12/17

Michel Temer cancela visita ao Hospital do Barreiro com medo de bronca de Kalil

Após confirmar presença no evento de abertura de 100% do Hospital do Barreiro, que será realizado nesta quinta-feira (14), o presidente da República, Michel Temer (PMDB), recuou da decisão e cancelou a vinda a Belo Horizonte. O motivo: medo de ser criticado em público pelo prefeito da capital, Alexandre Kalil (PHS). O governo federal estaria devendo recursos para a prefeitura na área da saúde.

A informação foi confirmada ao Aparte por uma fonte ligada à Presidência. O responsável por convencer Temer a desistir de inaugurar o hospital teria sido o ministro-chefe da Secretaria Geral da Presidência, Moreira Franco. O presidente Temer teria sido alertado do temperamento de Kalil, já conhecido em Minas por não ter “papas na língua” ao fazer cobranças e críticas a políticos publicamente. A equipe precursora de Michel Temer, com cerca de 30 assessores, já estava em Belo Horizonte quando foi avisada da desistência. O prefeito foi procurado pelo Aparte, mas disse que não comentaria o caso.

O Hospital do Barreiro, ou Hospital Metropolitano Doutor Célio de Castro, é mantido pela Prefeitura de Belo Horizonte, governo de Minas e União. Por isso, ao lado de Kalil, no evento desta quinta-feira (14), estará também o governador Fernando Pimentel (PT), que também vem atrasando com frequência os repasses estaduais para o funcionamento pleno do hospital. Contudo, Pimentel deve ser poupado de críticas, já que o governador mantém bom relacionamento junto a Kalil.

Às vésperas da abertura plena do hospital, a Secretaria de Estado de Saúde (SES) informou que vai repassar recursos para a unidade da ordem de R$ 68,46 milhões, pagos em 13 parcelas, a partir deste mês até dezembro do próximo ano. As parcelas de agora e janeiro serão de R$ 4,9 milhões. As demais serão de R$ 5,3 milhões.

O custo mensal do Hospital do Barreiro em sua capacidade máxima será de R$ 21,8 milhões. Os recursos são divididos da seguinte forma: 25% da prefeitura, 25% do Estado e 50% da União. Hoje, a unidade hospitalar funciona com 190 leitos, sendo 80 para clínica médica, 30 para CTI, 40 para procedimentos cirúrgicos, 15 para tratamento de AVC, dez para unidade de decisão clínica e 15 para o chamado “leito do hospital”. A partir desta quinta-feira (14), os números serão outros: 460 leitos em funcionamento, sendo 220 de clínica médica, cem para cirurgias, 80 de CTI, 35 para tratamento de AVC, dez de decisão clínica e 15 de hospital-dia, além de 16 salas de cirurgia.

A assessoria de imprensa do presidente foi procurada, mas até o fechamento desta edição não havia dado qualquer esclarecimento sobre o motivo oficial da ausência de Michel Temer no evento. (Angélica Diniz)

Fake news

FOTO: reprodução Uol

Circula nas redes sociais a informação de que a Pepsi vai estampar o rosto do deputado federal e pré-candidato à Presidência Jair Bolsonaro (PSC-RJ) em suas latas de refrigerante. O site Uol foi conferir a veracidade da notícia e descobriu que ela não é verdadeira. Nas redes sociais, alguns perfis estavam afirmando que a iniciativa da Pepsi era uma reação da empresa contra a Coca-Cola, que vai estampar o rosto de nove artistas brasileiros nas latas de refrigerante. Uma das escolhidas é a cantora Pablo Vittar. Nos blogs que estão divulgando a mentira sobre a parceria da Pepsi com Bolsonaro, uma montagem fotográfica sugere uma disputa entre Vittar e o deputado federal, com uma mensagem em tom anti-LGBT. “A empresa PepsiCo informa que não está produzindo latas de Pepsi com a fisionomia de personalidades brasileiras e que não há previsão da realização de nenhuma ação desse tipo”, informou a fabricante.

Férias?

De saída da presidência do Atlético, que elegeu novo mandatário na última segunda-feira, o secretário municipal de Desenvolvimento Econômico de Belo Horizonte, Daniel Nepomuceno, cometeu uma gafe ao, aparentemente, se esquecer de que ocupa um cargo no Executivo da capital. Questionado sobre seu futuro, Nepomuceno afirmou: “(Agora vou) pegar 60 dias aí sem fazer nada, me reconstruir passo a passo”. Como ele ficava dividido entre o clube e a pasta desde janeiro, as principais funções da secretaria, por muitas vezes, ficaram a cargo do subsecretário da pasta, o ex-vereador Bruno Miranda (PDT).

Frase do dia

“(Doria) é um mentiroso. Nunca conversamos sobre isso. Ele me faz uma ofensa desse nível, dizendo que minha história inteira não valeu nada. Vai se desculpar de quê?”
Alberto Goldman (PSDB) – ex-governador de São Paulo sobre entrevista do prefeito João Doria, em que ele disse ter pedido desculpas a Goldman por tê-lo chamado de “fracassado”

Questão do século

Aproveitando a presença da ex-presidente Dilma Rousseff (PT) na Assembleia Legislativa de Minas Gerais, onde a petista concedeu entrevista exclusiva a O TEMPO na última segunda-feira, o presidente da Casa, Adalclever Lopes (PMDB), deixou o plenário durante uma sessão já iniciada para falar com Dilma. Acompanhado dos deputados André Quintão (PT) e Tadeu Martins Leite (PMDB), Lopes falou sobre o projeto, de autoria de Marília Campos (PT), que defende a presença obrigatória de pelo menos uma mulher na Mesa Diretora da Casa. Leite se apresentou como o único homem membro da Comissão das Mulheres da Casa. Dilma brincou com a situação.“É bom que já começa aprendendo desde pequeno”, disse, aos risos. Depois, em tom sério, se dirigindo a Lopes, pontuou: “Vim acompanhar a Marília porque essa questão das mulheres é a grande questão deste século”. Marília emendou, também se dirigindo a Lopes: “Venha para este século com a gente”. 

Oportuno

Há tempos sem uma mobilização em plenário, os parlamentares da Assembleia Legislativa de Minas Gerais voltaram a apresentar proposições “relevantes”. Na última quinta-feira, o deputado estadual Anselmo José Domingos (PTC) teve aprovado um requerimento que pede uma sessão de congratulações com o jogador Ronaldinho Gaúcho por ter “projetado o nome de Minas Gerais no cenário internacional durante sua atuação vitoriosa pelo Clube Atlético Mineiro”. O jogador deixou o Galo há quase quatro anos e tem sido sondado por partidos para se candidatar a uma cadeira no Congresso Nacional.