Recuperar Senha
Fechar
Entrar
19/07/15

PSD dividido entre candidato próprio e “apoiar” Anastasia 

Apesar do PSD ser parte da base governista do governo Dilma Rousseff, uma ida de Silveira ao Congresso não significaria um reforço à base da presidente

Enviar por e-mail
Imprimir
Aumentar letra
Diminur letra
PUBLICADO EM 19/07/15 - 03h00

Duas semanas antes da realização da assembleia geral do PSD mineiro, o partido já começa a se movimentar nos bastidores para se posicionar na eleição à Prefeitura de Belo Horizonte, no ano que vem. Segundo um interlocutor ligado às negociações, o PSD só aceitaria apoiar um nome de outra sigla caso o candidato seja o senador Antonio Anastasia (PSDB). De outra forma, a sigla tenderia a lançar a candidatura do deputado federal Diego Andrade.

Além de integrar a chapa de um forte candidato à prefeitura, o PSD teria grande interesse em uma candidatura do senador Antonio Anastasia por um motivo, digamos, mais pragmático. O ex-deputado e ex-presidente da sigla em Minas Alexandre da Silveira é o primeiro suplente do tucano no Senado. Ou seja, caso Anastasia fosse colocado como candidato e fosse eleito, o cargo ficaria com o pessedista.

Apesar do PSD ser parte da base governista do governo Dilma Rousseff, uma ida de Silveira ao Congresso não significaria um reforço à base da presidente. Aliado histórico de Aécio, o ex-deputado é bastante crítico à administração petista. No início do ano, ele, inclusive, chegou a ser convidado pelo ministro Gilberto Kassab, presidente nacional do PSD, para integrar o Ministério das Cidades, mas acabou recusando o convite por “motivos ideológicos”.

Colocado como chefe do escritório de representação do governo de Minas Gerais em Brasília, o ex-deputado federal Geraldo Thadeu, presidente licenciado do PSD mineiro, diz ainda ser cedo para bancar nomes. “Ainda tem muita conversa pela frente. Vamos participar da assembleia geral no próximo mês, discutir bastante.

No momento, temos um pré-candidato, que é o deputado Diego Andrade”, afirma. Outra fonte do partido, no entanto, confirmou a preferência do partido pelo nome de Anastasia.

Não quer

O senador Antonio Anastasia (PSDB-MG) tem ficado irritado com aqueles que continuam pedindo que ele se candidate à Prefeitura de Belo Horizonte, no ano que vem. Internamente, o tucano já afirmou, por mais de uma vez, que não tem o interesse de deixar o Senado. Interlocutores ligados a Anastasia afirmam que ele prefere não ter a imagem desgastada por conta de uma saída precoce do mandato, como fez, por duas vezes, o ex-governador de São Paulo e hoje senador José Serra (PSDB-SP). A negativa de Anastasia deixa o partido com sérias dúvidas para a disputa de 2016. Atualmente, o deputado estadual João Vítor Xavier, o ex-ministro Pimenta da Veiga e o deputado federal Rodrigo de Castro são nomes colocados e que já demonstraram interesse em ser o candidato tucano.

Nome conhecido

Foi nomeada, após publicação no “Diário Oficial”, nesta semana, a ex-professora da Faculdade Milton Campos Juliana Campos Horta de Andrade como nova desembargadora do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG). O nome da advogada integrou a lista tríplice encaminhada pelo presidente do TJ, desembargador Pedro Bitencourt Marcondes, ao governador Fernando Pimentel. Eleita no dia 11 de maio pelo Tribunal Pleno do Tribunal de Justiça, Juliana Horta vai ocupar a vaga decorrente da aposentadoria do desembargador Nilo Lacerda. Ela é filha do ex-professor da UFMG e famoso constitucionalista Raul Machado Horta, falecido em 2005, e neta do ex-governador Milton Campos.

FOTO: Reprodução g1
01
Geraldo Alckmin (PSDB)

Emergência. Médico, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), honrou seu juramento profissional e prestou os primeiros socorros a um idoso que estava sendo homenageado durante uma solenidade do Governo do Estado em Campos do Jordão. Alckmin participava da entrega de um centro de eventos batizado com o nome de José de Oliveira, conhecido como “Zé Macaco”, que teve uma parada cardíaca no palco e foi socorrido pelo governador.

90 É O NÚMERO de proposições, entre projetos de lei e Propostas de Emenda à Constituição, que a Câmara Federal aprovou no primeiro semestre deste ano.

Estratégico

O presidente da Câmara Municipal de Belo Horizonte, Wellington Magalhães (PTN), tem se movimentado bastante com os colegas, mesmo em período de recesso na Casa Legislativa. Segundo um vereador, que pediu para não ser identificado, Magalhães anda conversando com a base aliada da Câmara para que, assim que as atividades parlamentares voltarem, o novo regimento interno da Casa já seja colocado para votação e aprovado. A manobra, segundo o vereador, faria com que a proposta não corresse nenhum risco de ser recusada e nem demorasse a ser votada.

Lados opostos

A presença de Wellington Magalhães, no final do mês passado, na inauguração de uma unidade de uma grande rede de supermercados da capital, virou motivo de “gracinhas” entre interlocutores presentes na Câmara Municipal. Isso porque, em junho, o presidente da Casa, em conjunto com o vereador Preto (DEM), apresentou um projeto de lei que prevê o fechamento de supermercados e hipermercados aos domingos. O texto é amplamente criticado pelos varejistas, que, em 2012, quando um projeto semelhante tramitou na Casa, chegaram a se mobilizar para impedir a aprovação dele.

O que achou deste artigo?
Fechar

PSD dividido entre candidato próprio e “apoiar” Anastasia 
Caracteres restantes: 300
* Estes campos são de preenchimento obrigatório
Enviar Comentário

Li e aceito os termos de utilização
Compartilhar usando o Facebook
ou conecte-se com

ATENÇÃO

Cadastre-se para poder comentar

Comentar com Facebook Comentar com Twitter