Recuperar Senha
Fechar
Entrar
01/03/15

Tucanos temem influência política em nomes de Janot

Para Domingos Sávio, qualquer sinal de interferência por parte do governo na lista de Janot faria com que a decisão ficasse sob suspeita

Enviar por e-mail
Imprimir
Aumentar letra
Diminur letra
PUBLICADO EM 01/03/15 - 03h00

A lista de políticos investigados pela operação Lava Jato, que será entregue nesta semana ao Supremo Tribunal Federal (STF) pelo procurador geral da República, Rodrigo Janot, vem preocupando parte da oposição ao governo. O temor, de acordo com um interlocutor ligado ao PSDB, é que as recentes reuniões entre o chefe do Ministério Público, o vice-presidente da República, Michel Temer, e o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, possam interferir no trabalho, e criar uma “perseguição política” por parte do governo. O tucano diz que há um risco de que “esculhambe tudo”.

Um parlamentar do PSDB que pediu anonimato negou que políticos de fora da base governista estarão envolvidos, mas afirmou que já existem “conversas internas sobre algumas situações”. Há o temor, principalmente no PSDB, de que Janot possa estar sendo ameaçado, e que o governo o faça alterar rumos da investigação.

Já de acordo com o deputado federal Domingos Sávio (PSDB-MG), o procurador geral possui uma responsabilidade “enorme” com toda a população brasileira. “Janot não deve favores a ninguém, a nenhuma autoridade nem nada. O Estado de Direito precisa ser respeitado, assim como a independência do Ministério Público”, diz. Ele ainda criticou a posição do governo federal por continuar realizando reuniões com Janot. “É vergonhoso que as autoridades ainda estejam propondo essas reuniões. Isso não pode acontecer”.

Para Domingos Sávio, qualquer sinal de interferência por parte do governo na lista de Janot faria com que a decisão ficasse sob suspeita. Outro interlocutor, este ligado ao PT, comenta que a lista é aguardada com ansiedade por toda a classe política, e que se comenta que, dependendo dos nomes envolvidos, “os dois lados podem recuar”.

Fala, governador

A nova gestão do governo de Minas já completou dois meses e, até hoje, quando se acessa a página de entrevistas no site da Agência Minas, se encontra como último arquivo a conversa da imprensa com o ex-governador Alberto Pinto Coelho (PP) na solenidade de transferência de cargo no Palácio da Liberdade. O atual governador, Fernando Pimentel (PT), pouco tem falado com a imprensa, mas mesmo as entrevistas que já deu até aqui não aparecem por lá até hoje. O governo anterior tinha a prática de disponibilizar as transcrições das entrevistas dos ocupantes do cargo no espaço e também por correio eletrônico aos jornalistas. O mesmo não vale para outras seções, sempre atualizadas, como fotos, agenda e pronunciamentos do governador.

Fominha

O deputado Fred Costa (PEN), que chegou a receber críticas dos colegas por ser campeão de desarquivamento de propostas na legislatura atual, é o dono de 61 dos 84 projetos de lei em tramitação na Casa no primeiro mês do novo mandato. De acordo com ele, “a grande maioria é de projetos novos”, embora haja também ações que foram recuperadas de anos anteriores. Questionado se não fica difícil acompanhar tantos projetos tramitando ao mesmo tempo, ele afirma apenas que “confia na Assembleia” para conduzir o trabalho. No que diz respeito aos projetos desarquivados, são quase 1.200, segundo Fred Costa. São propostas de deputados que não mais fazem parte da Assembleia, por não terem obtido a reeleição ou não terem tentado uma nova vaga na Casa.

FOTO: ROBERTO STUCKERT FILHO
01
Dilma Rousseff

Encontro. A presidente Dilma Rousseff inaugurou neste sábado, no Uruguai, ao lado do presidente José Mujica um complexo eólico que contou com a participação de empresas dos dois países. Dilma estará neste domingo na posse do novo presidente do país, Tabaré Vázquez. A presidente se disse “emocionada” com o fim do mandato de Mujica. Em sua conta pessoal no Twitter, a petista expressou sua “certeza” de que as relações bilaterais vão se aprofundar com a chegada de Vázquez ao poder.

4 PARTIDOS já anunciaram que são contrários à medida que garante o pagamento de passagens a mulheres de deputados: PSDB, PPS, PSOL e PCdoB

Propaganda. A mulher do ex-ministro tucano Pimenta da Veiga, Anna Paola, divulga, em suas redes sociais, camisas para as pessoas irem à manifestação contra a corrupção e pelo impeachment da presidente Dilma Rousseff, no dia 15 de março. Uma delas é simbólica para ela, por dizer: “Pimenta para Minas é refresco”.

Tripudiando

Enquanto os deputados sofrem com as críticas, por conta da decisão da Mesa Diretora da Câmara de garantir que as mulheres dos parlamentares tenham direito a passagens aéreas pagas pelo contribuinte, o Senado Federal aproveitou para tripudiar. Na última sexta-feira, estampou na manchete de seu site: “Pagamento de passagem aérea para senadores exclui cônjuges”. Em entrevista, o presidente do Senado, Renan Calheiros, disse que, por lá, “o corte de desperdícios e privilégios vai continuar”. É mais uma pressão em cima dos membros da Casa ao lado.

Uma ova

Em visita à Universidade Federal do Pará (UFPA), na última sexta-feira, o ministro da Educação, Cid Gomes, enfrentou protesto de um grupo denominado “Juntos”. Os estudantes cobraram investimentos necessários na universidade. Alguns cursos seguem ministrados em hotéitrutura continuam no papel. O protesto incluiu até mesmo cartazes com frases como: “O povo não é bobo, o ministro é mentiroso” es, enquanto as obras de infraes “Pátria Educadora é uma ova”. Este último é uma referência ao slogan lançado pela presidente Dilma Rousseff e à frase de Luciana Genro para Aécio Neves em um debate.

O que achou deste artigo?
Fechar

Tucanos temem influência política em nomes de Janot
Caracteres restantes: 300
* Estes campos são de preenchimento obrigatório

comentários (3)

Enviar Comentário

Li e aceito os termos de utilização
Compartilhar usando o Facebook
ou conecte-se com

ATENÇÃO

Cadastre-se para poder comentar

Comentar com Facebook Comentar com Twitter