Recuperar Senha
Fechar
Entrar

SÓ OS TOPS

Time com melhores do Mundial reúne, novamente, representantes do Sada

Equipe celeste colocou três atletas na seleção do campeonato, além de ter visto William receber o prêmio de MVP

Enviar por e-mail
Imprimir
Aumentar letra
Diminur letra
ADL_SADA020_4.jpg
Sada Cruzeiro segue como o time a ser batido no mundo
PUBLICADO EM 23/10/16 - 19h16

Estar entre os melhores do mundo pode ser um feito único para alguns jogadores. Mas a sequência de títulos e vitórias, confirmando uma trajetória rara no vôlei brasileiro, fez com que os atletas do Sada Cruzeiro ganhassem tal reconhecimento por mais de uma vez.

No Mundial de 2016, que terminou mais uma vez em festa celeste, alguns representantes do time do Barro Preto voltaram a ser agraciados com o prêmio de melhor da sua posição no campeonato. Todos eles já haviam recebidos tal glória anteriormente.

Confira a lista dos melhores atletas do Mundial de Betim

Gianelli, levantador – com apenas 20 anos, o armador do Trentino, da Itália, mostrou porque é o titular da seleção do seu país. Finalista olímpico, ele chegou para o Mundial apresentando muita categoria. Uma evolução será inevitável para o jogador nos próximos anos da sua carreira, que está apenas começando.

Leal, ponta - um monstro nas viradas de bola na entrada de rede do Sada Cruzeiro. Para neutralizá-lo, precisa-se de qualidade, força e, até mesmo, sorte. A vitalidade do cubano nos ataques é algo impressionante. Poucos são capazes de pará-lo. Sua capacidade nos serviços também impressiona. Para mostrar que trata-se de um jogador completo, Leal mostra ser um ponteiro de alto nível, cumprindo sua função no passe. Leal foi eleito o MVP do Mundial de 2015 e melhor ponteiro em 2013 e 2016.

Evandro, oposto – recém-chegado ao Sada Cruzeiro, Evandro deixou para trás o companheiro de posição Mikhaylov, que teve grande atuação no Mundial. O prêmio de melhor oposto mostra que sua contratação foi acertada e que o time celeste está bem servido na saída de rede após a saída de Wallace.

Serginho, líbero do Sada Cruzeiro - Um egoísta para comandar o fundo de quadra. Boa parte das bolas que aparecem neste setor da quadra podem até não ter sua defesa, mas encontra o líbero próximo, sedento por fazer parte da construção das jogadas. No Mundial, Serginho liderou as estatísticas desde o começo, sendo preciso na recepção e defesa, facilitando o trabalho de William. Se bola na mão, as coisas certamente seriam mais complicadas para o Sada Cruzeiro. Obrigado, Serginho. Esta é a quarta vez que ele se torna o melhor líbero do mundo. As conquistas anteriores apareceram em 2012, 2013 e 2015. Em 2012, levou também o prêmio de melhor na recepção.

Leon, ponta do Zenit Kazan - somente impulsão mostrada por Leon mostra que sua qualidade é diferenciada. Somada à velocidade do seu movimento de ataque, o cubano naturalizado polonês é uma arma pronta para diversos tiros quando foi acionada. Com diagonais, bolas curtas e pingadas, Leon mostra seu vasto repertório quando entra em quadra. Se com 15 anos de idade, na seleção do seu país de origem, ele já fazia estragos, o que dizer de agora, mais forte, rápido ecom experiência de anos em uma das ligas mais fortes do mundo.

Crer, central do Personal Bolívar – o jogador da seleção argentina foi o único dos times fora do pódio que conseguiu entrar na seleção do campeonato. Com boa presença no bloqueio, o portenho saiu com este prêmio de consolação do Mundial.

Volvich, central – o meio-de-rede do Zenit Kazan e da seleção russa conseguiu uma vaga no meio de uma concorrência pesada, deixando para trás, por exemplo, os gigantes Simón e Isac do Sada Cruzeiro. Volvich consegue uma importante conquista individual no seu primeiro ano no elenco do atual campeão europeu.

MVP

William, levantador do Sada Cruzeiro

O cansaço demonstrado na semifinal contra o Personal Bolívar, que o fez render abaixo de todo o seu potencial, não impediu que 'El Mago' mostrasse suas armas no momento mais decisivo do campeonato. A superação talvez tenha sido a palavra de ordem para um gás a mais na hora em que o time mais precisava de sua categoria. O entrosamento com Simón após poucas semanas de treinamento já incomoda quem aparece no caminho e será ainda melhor com o passar dos meses. Em cinco mundiais disputados, William foi eleito o melhor da sua posição em três (2012, 2013, 2015) e leva, pela primeira vez, o prêmio de MVP.

O que achou deste artigo?
Fechar

SÓ OS TOPS

Time com melhores do Mundial reúne, novamente, representantes do Sada
Caracteres restantes: 300
* Estes campos são de preenchimento obrigatório
Enviar Comentário

Li e aceito os termos de utilização
Compartilhar usando o Facebook
ou conecte-se com

ATENÇÃO

Cadastre-se para poder comentar

Comentar com Facebook Comentar com Twitter