Recuperar Senha
Fechar
Entrar

Pesquisa

Caneta consegue identificar câncer em apenas dez segundos

Dispositivo coleta espécie de “impressão digital” de célula doente

Enviar por e-mail
Imprimir
Aumentar letra
Diminur letra
df
Caneta é uma espécie de sonda que libera minigotícula de água na célula e capta substâncias químicas
PUBLICADO EM 12/09/17 - 03h00

WASHINGTON, EUA. Cientistas da Universidade do Texas, nos Estados Unidos, criaram uma caneta que consegue identificar células cancerígenas em dez segundos. O dispositivo portátil, de acordo com o estudo publicado na revista científica “Science Translational Medicine”, permite que a cirurgia para a retirada seja feita de forma mais rápida, segura e precisa. Os cientistas esperam que a tecnologia seja mais uma ferramenta à disposição dos médicos para evitar a reincidência do câncer.

A caneta, chamada de “MasSpec Pen”, aproveita-se do metabolismo singular das células cancerígenas. A química interna dessas células, que crescem e se espalham muito rápido, é muito diferente da de um tecido saudável. A caneta toca em um tecido cancerígeno e libera uma minúscula gotícula de água. As substâncias químicas presentes nas células vivas se movem, então, para a gotícula, que é sugada de novo.

Em seguida, a caneta é conectada a um espectrômetro de massa – aparelho que mede a massa de milhares de substâncias químicas por segundo. O resultado é um tipo de “impressão digital química”, de um tecido saudável ou de um tumor.

Esse é maior desafio dos cirurgiões: descobrir a fronteira entre um câncer e um tecido normal. Retirar apenas uma parte do tecido pode fazer com que as células cancerosas remanescentes deem origem a um novo tumor. Mas remover muito tecido pode causar graves danos.

Além disso, em geral, um patologista precisa de 30 minutos ou mais para preparar uma amostra e determinar se esta é cancerosa ou não, o que aumenta o risco de infecção.

A caneta, por si só, é barata, mas o espectrômetro de massa é caro e volumoso. Atualmente, ela tem capacidade para analisar um pedaço de tecido de 1,5 mm de diâmetro. Mas os pesquisadores já desenvolveram canetas que podem examinar 0,6 mm.

Uso. Os pesquisadores estimam que começarão a testar a caneta em 2018 em cirurgias para retirar tumores. Eles já pediram a patente da tecnologia e de sua aplicação nos EUA.

Simplicidade. Em entrevista à BBC, Livia Eberlin, professora-assistente de química na Universidade do Texas, em Austin, disse: “A ferramenta é, ao mesmo tempo, sofisticada e simples. E vai poder ser usada pelos cirurgiões em breve”, afirmou.

O que achou deste artigo?
Fechar

Pesquisa

Caneta consegue identificar câncer em apenas dez segundos
Caracteres restantes: 300
* Estes campos são de preenchimento obrigatório
Enviar Comentário

Li e aceito os termos de utilização
Compartilhar usando o Facebook
ou conecte-se com

ATENÇÃO

Cadastre-se para poder comentar

Comentar com Facebook Comentar com Twitter