Recuperar Senha
Fechar
Entrar

Acílio Lara Resende

A realidade do nosso país aponta para tempos muito estranhos

Enviar por e-mail
Imprimir
Aumentar letra
Diminur letra
f
PUBLICADO EM 12/10/17 - 03h00

Nunca imaginei que o noticiário de modo geral – de jornal, rádio e televisão (deixo de lado as redes sociais, que nem sempre traduzem a verdade) – fosse interferir, de maneira traumática e preocupante, no cotidiano de milhões de brasileiros. Muitos deles dizem até que já deixaram de ler ou ouvir notícias sobre nosso país, venham de onde vierem. Criticam, às vezes severamente, os jornalistas, como se estes fossem os únicos responsáveis não só pela divulgação de tanta “notícia ruim”, mas, em especial, por sua geração. A imprensa também tem seu lado, nem sempre revelado, dizem quando contestados. O silêncio, afirmam eles, se o aceitassem, talvez ajudasse mais na procura do melhor caminho – político, econômico, social, ético etc. – para o país.

Ao afirmarem isso, não inovam nada. Foi sempre assim. Talvez, ultimamente, tenha crescido vegetativamente o número dos que pregam ou aceitam a implantação de um regime autoritário. Uns, por convicção inabalável. Outros, por completo desconhecimento (ou má-fé) do que foi, por exemplo, o de 1964. Para eles, vale esta “lição”: a liberdade não é uma conquista indispensável ao ser humano. É uma concessão. Só se prepara um povo para a liberdade, em primeiro lugar, retirando-a para, depois... Bom, esse depois fica sempre para depois...

Vivendo ora sob autoritarismo, ora sob democracia claudicante e sem nenhum traço de republicanismo, conforme demonstra sua própria história, e com o agravante de termos uma elite dirigente decepcionante e corrupta, nosso país enfrenta, hoje, mais uma onda perigosamente autoritária, que vai das artes a sua vida quotidiana e/ou a sua liberdade de ir e vir, leitor. Se não nos precavermos, a disputa, nas eleições de 2018, será entre o populismo cada vez mais arcaico, representado pelo ex-presidente Lula (ou por seu representante, tantas são as chances de sua condenação), e o autoritarismo, este como ideia de salvação nacional, representado pelo deputado federal Jair Bolsonaro.

A tendência do brasileiro para o autoritarismo tornou-se, agora, mais preocupante ainda. Recente estudo, que precisa ser levado a sério, denominado “Medo da Violência e Autoritarismo no Brasil”, realizado pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública, elaborou, no país, um Índice de Propensão ao Apoio de Posições Autoritárias. De acordo com pesquisa feita pelo Instituto Datafolha, conclui-se que a medição indica que, numa escala de 0 a 10, a sociedade brasileira atingiu o elevado índice de 8,1. Essa predisposição – a de ter a propensão de apoiar posições ou soluções autoritárias – tende a aumentar diante do quadro de violência, de norte a sul, no qual o país vive há muitos anos.

Voltando à responsabilidade (ou missão) da imprensa, na divulgação das “notícias ruins”, os profissionais atingidos em cheio são, com certeza, os chamados “âncoras” (de televisão e rádio), obrigados a repetir, por motivos óbvios, várias vezes ao dia, as mesmas notícias e, na verdade, com mais intensidade do que no passado. A suíte sempre foi fundamental ao noticiário. O mal talvez esteja na frequência com que se dedicam a ouvi-los, sobretudo na cansativa telinha. Jogam a culpa na imprensa quando, na realidade, deveriam entender melhor o papel dos que, por dever de ofício e respeito à cidadania, apenas divulgam notícias.

Que estes tempos estranhos jamais se transformem em autoritários, dos quais o jornalista quase sempre é a primeira vítima.

O autoritarismo só leva ao fundo do poço, leitor.

O que achou deste artigo?
Fechar

A realidade do nosso país aponta para tempos muito estranhos
Caracteres restantes: 300
* Estes campos são de preenchimento obrigatório

comentários (1)

Enviar Comentário

Li e aceito os termos de utilização
Compartilhar usando o Facebook
ou conecte-se com

ATENÇÃO

Cadastre-se para poder comentar

Comentar com Facebook Comentar com Twitter