Recuperar Senha
Fechar
Entrar

Fernando Fabbrini

Fazer melhor

Enviar por e-mail
Imprimir
Aumentar letra
Diminur letra
rh
PUBLICADO EM 07/09/17 - 03h00

Nos bons tempos de hippie na Europa, meu amigo e mestre Francisco “Paco” Alcaraz, restaurador do Museu do Prado, contou-me uma história impressionante. Examinando alguns quadros de Leonardo Da Vinci com auxílio de luz ultravioleta, especialistas descobriram intrigantes camadas de tinta sobrepostas em certas figuras. Aprofundaram a pesquisa e desvendaram o enigma. Engenheiro, físico, matemático, filósofo, médico e anatomista, o também pintor Leonardo permitia-se uma extravagância genial. Ao conceber algumas figuras, Da Vinci, às vezes, cismava e começava pintando os ossos da dama, do nobre ou do cavalo que esboçara. Depois, cobria o esqueleto perfeito com músculos e nervos, nas posições e flexões exatas. Prosseguia com o detalhamento da pele do personagem. Finalmente, “vestia-lhe” a roupa com texturas, dobras, sombras e luzes. Precisar, não precisava – mas ele fazia assim de vez em quando. Era só curtição.

O fazer bem feito é a área de lazer do bom profissional. É nessa praia que ele se diverte, é onde liberta seu estilo e sua criatividade para dançarem à vontade ao som de uma flauta imaginária que ele mesmo toca. Para evitar mal-entendidos, devo dizer que a virtude à qual me refiro gravita a anos-luz de distância da obsessão do indivíduo rígido, quadradão, limitado às paredes da caixinha. Também não tem nada a ver com vaidades imaturas e egos infantis. Falo de prazer e liberdade; não de dever e escravidão.

Seu Custódio, marceneiro, conversava com a madeira e escutava seus desejos antes de pegar o serrote e os formões. Alisava-a, cheirava-a, contemplava-a por algumas horas. Dependendo do tom do diálogo silencioso, soltava o veredito:

– Essa tábua quer ser banquinho de quintal – dizia sorrindo. A patroa e os clientes achavam Seu Custódio meio doido, mas ninguém ousava ironizar seu bate-papo com os pinhos, jacarandás e sucupiras porque o resultado era sempre fantástico.

Contaram-me também o célebre caso de um maestro de orquestra sinfônica que adiou seguidamente uma apresentação na corte holandesa por motivo gravíssimo. Seu spalla – o violinista principal – andava sofrendo de uma terrível dor de cotovelo (não se sabe se física ou sentimental) e, portanto, jamais tocaria com a alegria necessária o solo mais vibrante da partitura. O maestro pediu sinceras desculpas à duquesa e deu de ombros. Se ela quisesse, que então esperasse a crise passar, ora bolas; paciência!

Soube ainda de um concurso que elege anualmente o melhor hotel do mundo. É um certame rigorosíssimo: os jurados passam o ano viajando incógnitos, percorrendo os hotéis pré-qualificados, provando menus, conferindo gentilezas e confortos. Como era de se esperar, são implacáveis no quesito limpeza: poeirinhas esquecidas no canto da cama e um mísero pelinho ondulado flutuando à deriva no box do banheiro são fatais. Um dos recentes hotéis vencedores ganhou por um fio – ops! – o troféu de melhor do mundo. O meio ponto decisivo da vitória sobre o segundo colocado veio de um complô curioso entre o pessoal da lavanderia e o da cozinha. Diariamente, o chef envia à lavanderia uma relação detalhada dos ingredientes dos pratos, molhos e doces servidos no restaurante. Assim, caso o hóspede babe acidentalmente na gravata de seda italiana durante uma refeição, o pessoal saberá pela data do infausto evento qual o mais eficiente antídoto saponáceo para resolver o problema.

Tudo vem andando direitinho no reino da normalidade. Mas aí aparece um chato, coça a cabeça, torce o nariz e diz a frase mágica:

– Hum...! Sei lá, acho que dá pra fazer melhor.

O que achou deste artigo?
Fechar

Fazer melhor
Caracteres restantes: 300
* Estes campos são de preenchimento obrigatório
Enviar Comentário

Li e aceito os termos de utilização
Compartilhar usando o Facebook
ou conecte-se com

ATENÇÃO

Cadastre-se para poder comentar

Comentar com Facebook Comentar com Twitter