Recuperar Senha
Fechar
Entrar

João Vitor Cirilo

Raniel: potencial, estrela e humildade

Enviar por e-mail
Imprimir
Aumentar letra
Diminur letra
PUBLICADO EM 07/03/18 - 03h00

O futebol oferece novas oportunidades de maneira inesperada e dá voltas e voltas que às vezes surpreendem. A roda gigante não para.

O dia era 27 de setembro de 2017, o mais importante da temporada para o Cruzeiro Esporte Clube, data em que o Mineirão recebeu a final da Copa do Brasil. Evoluindo desafio a desafio, a Raposa foi avançando, eliminando times cada vez mais fortes e chegou até o Flamengo. Dois empates, na ida e na volta, levaram a decisão para os pênaltis, que acabaram consagrando Fábio, Thiago Neves e todo o elenco de Mano Menezes.

A caminhada de evolução celeste foi acompanhada naquela ocasião por um jovem pernambucano, ainda aos 20 anos, que foi conquistando seu espaço até assumir a titularidade em alguns jogos, entre eles, o tão sonhado momento decisivo. Porém, a presença em campo durou menos de cinco minutos. É duro, mas é a vida.

Após lesões musculares nas duas pernas, foram quase cinco meses ausente até que uma nova grande chance aparecesse, a de iniciar um clássico pela primeira vez. Tudo isso porque o 9 titular e grande contratação do ano, Fred, estava indisponível por lesão. No ano passado, a chance também caiu no colo quando Sassá não pôde ser inscrito na Copa do Brasil e Rafael Sóbis teve que cumprir suspensão. Raniel aproveitou a oportunidade que teve, decidiu o clássico e cravou de vez seu nome no maior jogo do Estado.

O merecimento do momento que está sendo vivido fica ainda mais claro quando, na entrevista coletiva da última segunda-feira, o garoto deixou evidente toda sua surpresa com o momento e garantiu não ter noção do que significa um gol em um duelo como esse.

É um mundo novo, do qual ele certamente participará cada vez. “Fiz gol no clássico, mas não sou nada ainda”, destacou, com simplicidade fruto do aprendizado com todas as dificuldades envolvidas na vida pessoal e na carreira até aqui. Não importa o que ficou para trás, mas o que se faz com essa vivência.

É isso, Raniel. Que com o crescimento na carreira, que ainda certamente surgirá, você mantenha esse caráter e humildade, característica que percebi nas chances que tive de entrevistá-lo. Seu sucesso só depende de você. Impossível não enxergar aí um prospecto de grande jogador, que, caso tudo seja feito da maneira correta, será comprovado em campo.

Quando se enxerga potencial em um determinado atleta, por mais jovem que ele seja, a confiança de quem trabalha com ele no dia a dia é fundamental para que esse talento seja desenvolvido em campo. O Cruzeiro apostou em Raniel, e, ao que tudo indica, será ele a sombra de Fred. No elenco, é quem tem mais bola pra isso, em minha visão.

O clássico. Ainda falando do que foi apresentado no último domingo, claramente pudemos perceber um Atlético com a dificuldade que esperávamos: quando teve que jogar contra um Cruzeiro recuado por estar com um a mais, pouco fez. Thiago Larghi certamente reconhece o pouco repertório em campo, e a necessidade de variações e de maior poderio ofensivo é evidente. Na Série A, isso fará diferença.

O que achou deste artigo?
Fechar

Raniel: potencial, estrela e humildade
Caracteres restantes: 300
* Estes campos são de preenchimento obrigatório
Enviar Comentário

Li e aceito os termos de utilização
Compartilhar usando o Facebook
ou conecte-se com

ATENÇÃO

Cadastre-se para poder comentar

Comentar com Facebook Comentar com Twitter