Recuperar Senha
Fechar
Entrar

Meu Dinheiro

Se não mudar, pode acabar

Enviar por e-mail
Imprimir
Aumentar letra
Diminur letra
PUBLICADO EM 26/07/17 - 03h00

“Tenho 55 anos. Aqui na minha casa as contas sempre foram divididas entre mim e minha esposa. No fim do ano passado, ela acabou sendo demitida. Recebeu uma indenização e também retirou o Fundo de Garantia. Apliquei o valor que ela recebeu junto com a poupança que eu tenho, pensando na minha aposentadoria. Até hoje ela ainda não conseguiu um novo emprego. Com isso, tenho usado parte de nossas economias todo mês. Acredito que, nestes meses, já usamos mais de R$ 15 mil. Aqui em casa não temos um controle dos nossos gastos. Temos dois filhos, e todo mês acontece alguma coisa diferente. Queria uma dica sua de onde aplicar o dinheiro que temos, pois o rendimento da poupança está muito baixo”. (Guimarães – Caeté/MG)

Guimarães, antes de responder a sua dúvida, gostaria de te convidar a fazer uma reflexão. Acredito que hoje o principal problema de sua vida financeira não seja a escolha do melhor investimento para suas economias. Isso é importante, mas existem outras questões, até mais importantes, que merecem sua atenção. A principal delas é o desequilíbrio que está existindo em seu orçamento. Em virtude da diminuição da renda familiar após a demissão de sua esposa, os gastos estão maiores do que os ganhos. E em função disso, você está recorrendo a suas economias. E, como você disse, essas economias destinam-se a garantir uma tranquilidade maior a sua aposentadoria. Sendo bem direto: você está prejudicando seu futuro para equilibrar o presente.

O que você poderia fazer diferente? Primeiro, ter um controle maior de sua vida financeira. Fazer um levantamento de seus ganhos e principalmente de seus gastos. Será possível, então, levantar o tamanho de seu déficit mensal. O próximo passo é, junto com sua esposa e seus filhos, buscar estratégias para diminuir os gastos da família. Em função do desemprego de sua esposa, talvez seja necessário rever algumas escolhas que vocês estejam fazendo. Abrir mão de alguns gastos. Pode ser temporariamente. Quando a renda se recuperar, eles poderão ser retomados. Qualquer diminuição do déficit mensal será bem-vinda. Significará que você vai necessitar de menos recursos de sua poupança a cada mês.

Em relação a seu investimento, hoje existem boas alternativas para você aplicar seu dinheiro, com um rendimento melhor do que a caderneta de poupança e com o mesmo nível de risco. Tesouro direto, CDBs de bancos médios e LCI/LCA são boas alternativas. Uma questão importante e com a qual você deve ficar bem atento é a liquidez desses investimentos. A caderneta de poupança tem liquidez imediata, ou seja, você pode sacar o dinheiro guardado a cada momento. Não é o caso dos demais investimentos. Cada um deles tem um determinado prazo pelo qual seu dinheiro estará “preso”. Caso você precise utilizar antes do vencimento, perderá boa parte do rendimento. O melhor a fazer é deixar pequena parte de seu dinheiro na poupança (valor que você precisará nos próximos meses) e o restante aplicar em uma das alternativas que lhe apresentei.

Planeje bons hábitos para 2017. Invista em sua educação financeira. Curta nossa página no Facebook: www.facebook.com/harpiafinanceiro.

Mandem dúvidas e sugestões para o e-mail carloseduardo@harpiafinanceiro.com.br

O que achou deste artigo?
Fechar

Se não mudar, pode acabar
Caracteres restantes: 300
* Estes campos são de preenchimento obrigatório
Enviar Comentário

Li e aceito os termos de utilização
Compartilhar usando o Facebook
ou conecte-se com

ATENÇÃO

Cadastre-se para poder comentar

Comentar com Facebook Comentar com Twitter