Recuperar Senha
Fechar
Entrar

Minas S/A

Minas Tênis

Enviar por e-mail
Imprimir
Aumentar letra
Diminur letra
Fonte Normal
PUBLICADO EM Mon Dec 04 03:00:00 BRST 2017

Minas Tênis

Nas comemorações dos 82 anos do Minas Tênis Clube, em Belo Horizonte, o presidente Ricardo Santiago disse que o clube está numa nova fase. Para perenizar a vida do Minas, Santiago contou que está fazendo uma reorganização da empresa com otimização das áreas. Além da aplicação de R$ 20 milhões na unidade de Nova Lima, Santiago vai investir na gestão de pessoas com o treinamento dos funcionários, desde o porteiro até a diretoria. “É uma reformulação na forma de atender e receber o associado”, avisa. A parte de tecnologia do clube também receberá mais atenção. “Vamos lançar o Minas na era digital e rever a forma de conectividade com o associado. Vamos fazer uma revolução em termos tecnológicos no clube”, disse.

História

Com 80 mil sócios, sendo 25 mil cotistas, e no comando das quatro unidades – Minas I, Minas II, Minas Country (os três em Belo Horizonte) e o Minas Náutico, em Nova Lima, na Grande BH –, Ricardo Santiago disse que o Minas passou a ser referência nacional nos quatro pilares: esporte, cultura, educação e lazer. “A história da cidade de BH passa pelo Minas, se confunde com a história do Minas”, compara Santiago. “Nasci aqui dentro, meu pai foi presidente, fiquei durante 16 anos como diretor e a vida toda como atleta, é uma emoção difícil de explicar”, contou. 

Sem Previdência

Embora seja necessária e urgente na opinião de uns, para o vice-presidente da Câmara dos Deputados, Fábio Ramalho (PMDB-MG), “com a comunicação malfeita”, a reforma da Previdência não tem nem 80 deputados que votam pela aprovação. A conta de Ramalho é em relação aos 308 votos exigidos para a aprovação da PEC. “Não estou trabalhando contra a reforma, o que existe é um momento inoportuno para votá-la. Agora é aguardar uma discussão maior com a sociedade para que ela possa entender e o Congresso possa votar”, explicou. Para o parlamentar, a reforma tem que ser votada num momento de discussão e diálogo com todos. “No momento, há um país dividido”, afirmou Ramalho. 

Desafios e oportunidades

A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) com o apoio da Fiemg e da Fecomércio MG, além do jornal O TEMPO, realizam o seminário “Brasil: Desafios e oportunidades”. O evento – que acontece hoje, às 14h, na sede da Fiemg, na avenida do Contorno, 4.520, em BH – é para empresários, investidores, advogados e interessados no assunto. Entre os palestrantes estão David Travesso, da Fundação Dom Cabral; Eduardo Emrich, CEO da Biominas Brasil; Miguel Corrêa, secretário de Estado; Luis Cláudio Chaves, vice-presidente da OAB Federal; e Rodrigo Pacheco, presidente da Comissão de Constituição e Justiça da Câmara dos Deputados.

Liderança rural

A nova diretoria da Faemg (Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Minas Gerais) tomou posse para o triênio 2018-2020. Presidida por Roberto Simões, que foi reeleito, a diretoria é também encabeçada por Breno Mesquita e Rodrigo Alvim e composta por 45 representantes dos sindicatos de produtores rurais de todas as regiões do Estado. Com 66 anos e 385 sindicatos rurais filiados, a Faemg representa os interesses dos mais de 400 mil produtores mineiros, atuando nas instâncias governamentais e institucionais, em defesa dos interesses dos produtores rurais.

Tecnologia no campo

A Faemg também lançou um projeto que leva startups ao campo. É o Novo Agro 4.0 que vai identificar e fomentar iniciativas que gerem tecnologias de ponta para o desenvolvimento do agronegócio. O projeto vai identificar demandas do produtor rural e buscar soluções para aumentar o ganho de produtividade e a competitividade. No começo do próximo ano, serão publicados editais e um comitê vai escolher as melhores propostas. Mais informações no site www.novoagro.org.br

Martinelli Advogados

O gestor do Martinelli Advogados em Belo Horizonte, Tiago Brasileiro, conta que tem percebido uma demanda crescente em relação ao escritório para assessorar investimentos, o que é um sinal importante da retomada da economia. “São investimentos tanto em aquisição de empresas como em expansão da capacidade produtiva”, explica. Brasileiro diz que a demanda é crescente em Minas Gerais, assim como nas demais unidades da empresa, que está há 20 anos no mercado. “Naturalmente, em época de crise, as necessidades dos nossos clientes têm o perfil alterado, por exemplo, com mais foco para a atuação tributária. Mas, para o escritório, houve claro aumento da demanda”, informa.

FOTO: Edy Fernandes

No aniversário do Minas Tênis Clube, Kouros Monadjemi; o presidente do Minas Tênis, Ricardo Santiago; Carlos Velloso; Sérgio Bruno Zech Coelho; Alencar da Silveira Jr.; Fábio Ramalho; Oscar Corrêa; e Gustavo Corrêa.

FOTO: Edy Fernandes

O presidente do América Futebol Clube, deputado estadual Alencar da Silveira Jr.; e o primeiro vice-presidente da Câmara dos Deputados, Fábio Ramalho, esse último, cotado para ser candidato a vice-governador de Minas Gerais. Ramalho, contudo, nega a intenção e diz que quer seguir para mais um mandato de deputado federal para disputar a presidência da Câmara dos Deputados.

América Futebol

Enquanto outros clubes de futebol suam a camisa em busca de um caixa mais saudável, o América está em dia e, segundo seu presidente, Alencar da Silveira Jr., ele vai entregar o clube ao próximo presidente, Marcus Salum, numa situação melhor do que quando assumiu, há três anos. “Conseguimos adequar a situação financeira. Não existem surpresas dentro do América. Não temos briga. Pensamos num clube para ir pra frente”, alfineta. Em números, quer dizer que Alencar deixa a presidência com um déficit de R$ 5 milhões a R$ 6 milhões e uma receita no caixa de R$ 40 milhões a R$ 45 milhões. “Vamos deixar uma receita boa para o próximo ano, quando sabemos que é difícil uma série A, mas fazemos com responsabilidade”, afirma. 

FOTO: Edy Fernandes

Na posse da nova diretoria da Faemg, na sede da entidade, em Belo Horizonte, Breno Mesquita, o presidente reeleito Roberto Simões e Rodrigo Alvim. A nova gestão reconhece que terá pela frente uma série de desafios, como o fim da contribuição sindical.

FOTO: Edy Fernandes

Ainda na posse da nova diretoria da Faemg, da esquerda para a direita, Name Feres, Renato José de Oliveira e Salviano Junqueira.

FOTO: Edy Fernandes

Durante debate em Belo Horizonte com empresários mineiros – como parte das comemorações dos 20 anos do Martinelli Advogados –, Bruno Davis, João Joaquim Martinelli e o gestor do escritório na capital mineira, Tiago Brasileiro.

Nível de receita

Tiago Brasileiro conta ainda que, de modo geral, há uma percepção de retomada da atividade principalmente da indústria, que foi a mais afetada pela crise. “Algumas operações estão sendo reiniciadas, e a perspectiva de retomada de faturamento é claramente melhor para 2018. Contudo, para alguns setores, o nível de receita ainda demorará a ser restabelecido. Vemos isso principalmente em relação à indústria de máquinas e equipamentos, automotivo e construção civil”, detalha.

O que achou deste artigo?
Fechar

Minas Tênis
Caracteres restantes: 300
* Estes campos são de preenchimento obrigatório
Enviar Comentário

Li e aceito os termos de utilização
Compartilhar usando o Facebook
ou conecte-se com

ATENÇÃO

Cadastre-se para poder comentar

Comentar com Facebook Comentar com Twitter