Recuperar Senha
Fechar
Entrar

Murilo Rocha

A vitrine não é tão boa

Enviar por e-mail
Imprimir
Aumentar letra
Diminur letra
PUBLICADO EM 16/10/14 - 03h00

A disputa pela Presidência da República, considerada a mais imprevisível desde 1989, viveu um novo capítulo no primeiro debate do segundo turno, transmitido anteontem pela Band. A presidente Dilma Rousseff, sempre criticada pelo nervosismo e pela dificuldade de expressar-se de forma clara, teve o seu melhor desempenho desde o início da campanha eleitoral. A avaliação é feita por integrantes da própria campanha do PSDB.

E a grande sacada dos marqueteiros de Dilma, bem executada pela presidente, foi atacar justamente a principal vitrine do presidenciável Aécio Neves (PSDB): sua gestão à frente do Estado de Minas Gerais durante oito anos (2003-2010). E Aécio parece ter sido apanhado de calças curtas, acuado com as investidas contundentes da petista, sem reverter a discussão para o âmbito nacional.

Nos debates do primeiro turno, com a participação de até sete candidatos, a administração do PT e Dilma eram o alvo natural de todos os concorrentes. O cenário agora, de um contra um, permite duelo direto dos oponentes o tempo todo, tanto para defender suas ideias como para criticar o adversário.

A estratégia da candidata do PT foi desconstruir nacionalmente a imagem de Minas Gerais como uma espécie de “Suécia brasileira” durante a gestão tucana. Ganharam publicidade o investimento aquém do determinado por lei na área de saúde (o governo mineiro incluiu os gastos com saneamento para atingir o percentual mínimo), os altos índices de violência do Estado, a insatisfação dos professores da rede pública e a aprovação da Lei 100, a qual permitiu a efetivação de quase 100 mil servidores sem concurso e que, em março deste ano, foi declarada inconstitucional pelo Supremo Tribunal Federal.

Aécio, aparentemente aturdido com a desconstrução do seu choque de gestão, não conseguiu repetir as boas atuações de embates anteriores, em especial o da Rede Globo, quando aliou o seu discurso de mudança com ataques precisos ao governo federal. Até mesmo o principal calcanhar de aquiles dos governos petistas, a corrupção, perdeu força. O candidato do PSDB foi contra-atacado com inúmeros casos de corrupção de gestões tucanas, inclusive o mensalão mineiro, ainda sem punição alguma. A construção do aeroporto de Cláudio, terra da família de Aécio, também entrou na pauta.

Até anteontem considerada menos preparada para o enfrentamento público, a petista empatou o jogo, mas ainda vão ocorrer pelo menos mais três debates até o dia das eleições.

E é sempre muito difícil avaliar quem ganha ou perde um debate eleitoral e qual o impacto desse desempenho na votação. Fatores subjetivos prevalecem sobre questões objetivas, e cada um tende a avaliar a performance do seu candidato com maior boa vontade, principalmente em uma eleição tão polarizada.

O que achou deste artigo?
Fechar

A vitrine não é tão boa
Caracteres restantes: 300
* Estes campos são de preenchimento obrigatório
Enviar Comentário

Li e aceito os termos de utilização
Compartilhar usando o Facebook
ou conecte-se com

ATENÇÃO

Cadastre-se para poder comentar

Comentar com Facebook Comentar com Twitter