Recuperar Senha
Fechar
Entrar

Tostão

Despedida de Neymar

Enviar por e-mail
Imprimir
Aumentar letra
Diminur letra
Fonte Normal
Despedida
PUBLICADO EM 19/05/13 - 03h00

Não fiquei surpreso com a ausência de Ronaldinho na lista para a Copa das Confederações. Foi mais por motivos técnicos que disciplinares. A convocação não foi também para a Copa do Mundo. Ronaldinho atuou muito mal nos dois jogos com Felipão. Além disso, Neymar, Oscar e Lucas precisam jogar mais e juntos, para evoluírem. Eles são a grande esperança de o Brasil ter na Copa uma equipe muito melhor que a atual.
 

Surpreendente foi a ausência de Ramires. Não foi também por indisciplina. Ele não é um volante excepcional, mas não pode ficar fora de um grupo que tem Fernando, Luiz Gustavo e Hernanes. Faltou também Tardelli, como opção na função de centroavante. Ele é artilheiro, habilidoso e facilita bastante para os companheiros. Sua chegada foi fundamental para o crescimento do Atlético.


A convocação de 11 jogadores que atuam no Brasil é decorrente da manutenção e contratação de melhores atletas, do pouco número de brasileiros nas principais equipes da Europa e da tentativa de cativar e de criar um forte laço afetivo com a torcida. O slogan do governo para a Copa: “Pátria de chuteiras”, aliás, nada original, possui o mesmo objetivo.


Das equipes brasileiras, só restaram, na Libertadores, Atlético e Fluminense. O Corinthians, bastante prejudicado pela arbitragem, ficou fora. É muito mais difícil ser bi que ser campeão. As contratações de Pato e de Renato Augusto tinham o objetivo de dar mais qualidade ofensiva, de o time não depender tanto de vitórias por um gol de diferença, não deram certo até agora. Renato Augusto está contundido, e Pato, mais uma vez, mostrou que é mais famoso do que joga.


O mesmo raciocínio, porém, em um nível muito mais alto, ocorre com Neymar. Antes de brilhar contra as melhores equipes do mundo, ele já é um dos mais famosos e bem pagos jogadores do planeta, personagem de revista em quadrinhos, além de ter todos os trejeitos e idiotices das grandes estrelas. A melhor solução, para o craque e para o ser humano, será jogar ao lado de grandes craques, que tenham outro comportamento, como Messi, Xavi e Iniesta. Hoje, pode ser sua despedida.


O Atlético não é um time moderno nem antigo. Não segue a moda nem é convencional. A equipe não possui um volante habilidoso, que marca e ataca, nem se preocupa demais com a troca de passes e a posse de bola, desejos dos grandes times do mundo. O Galo utiliza muito, com sucesso, os chutões para o grandalhão Jô e as jogadas aéreas, práticas pouco comuns nas principais equipes europeias.


O Atlético é uma mistura de estilos. Mostra que é possível ganhar e jogar bem de outras maneiras. Cuca não inventa nem copia. Faz do seu jeito, além de conhecer profundamente os detalhes e o que é essencial.

Decisão

Será uma grande surpresa, mas não é impossível, o Cruzeiro ser campeão, por causa da diferença de gols.

Para isso, o torcedor tem de lotar o estádio, apoiar o time e contar com uma atuação heroica da equipe.

Se der a lógica, ficará a sensação, ou melhor, a realidade, principalmente depois da nítida superioridade do Atlético, no primeiro jogo, de que o time é muito bom, mas para enfrentar pequenas equipes, e fraco, para disputar títulos com a mesma chance das melhores equipes do futebol brasileiro.


Gostaria de ver, no Mineirão, os clássicos entre Cruzeiro e Atlético e todos os grandes jogos em Minas Gerais, com as torcidas divididas, como deveria ser em todo o mundo.

O que achou deste artigo?
Fechar

Despedida de Neymar
Caracteres restantes: 300
* Estes campos são de preenchimento obrigatório

comentários (9)

Enviar Comentário

Li e aceito os termos de utilização
Compartilhar usando o Facebook
ou conecte-se com

ATENÇÃO

Cadastre-se para poder comentar

Comentar com Facebook Comentar com Twitter