Recuperar Senha
Fechar
Entrar

Vittorio Medioli

Brasil tem jeito

Enviar por e-mail
Imprimir
Aumentar letra
Diminur letra
PUBLICADO EM 07/05/17 - 04h30

Uma intervenção cirúrgica tem um limite temporal para ser realizada. Não se consegue manter um abdômen rasgado pelo bisturi por mais que algumas horas. O corpo não suportaria mais.

A Lava Jato é uma operação judiciária, mas também cirúrgica, que mantém aberto o costado de um Brasil amarrado na mesa. Com a previsão inicial que prometia uma rápida retirada dos tumores, descobriram-se em seguida dezenas, depois centenas e, enfim, milhares de nódulos, cistos e metástases para serem retirados. O paciente, assim, enfrenta duas hipóteses: sucumbir pelos males ou sucumbir pela demora das intervenções. A sucumbência está decretada.

Algo de excepcional precisa ser feito. E tomar medidas que permitam sair desse beco aparentemente sem saída.

A Lava Jato escancarou, e promete escancarar ainda, males e purulências. Os prazos se alongam, provocam profundo mal-estar quando de manhã se abre o jornal e se encontra uma caterva de notícias horrorosas, compêndios do crime e fotos das mesmas surradas figuras declarando-se estranhas aos maiores rombos da história da humanidade.

Algumas e raras figuras apresentam atenuantes; a maioria, nenhuma.

Ninguém sabia de nada, nunca viu algo de estranho, nem se apercebeu de que eram necessárias medidas que impedissem a pilhagem das finanças, da merenda escolar até a usina nuclear.

Na antiga Atenas a suspeita era suficiente, seja por omissão, incompetência ou inconveniência, para determinar o ostracismo, quer dizer, a saída compulsória do território nacional, impedindo qualquer cargo ou profissão. Era suficiente aparecer inconveniente para ser exilado.

O Brasil se apresenta ao mundo como um paciente terminal e intratável, sem credibilidade e sem referências morais remanescentes. Perdeu-se no espaço, e perderam-se os timoneiros.

A roubalheira destinada para acumulação de patrimônios pessoais fantásticos é que se firmou como a causa de tudo. Tecnicamente dita de patrimonialismo, é apenas delinquência insaciável e generalizada. Arrasta-se há décadas nas mãos dos mesmos grupos e vórtices de interesses. Enlouquecidos por dinheiro, levaram a uma situação excepcionalmente grave; não existem precedentes em volume e em intensidade criminosa na história da humanidade. Necessita-se de medidas extremas. Nosso Código Penal é montado para defender a sociedade de assaltantes genéricos, e aqui estamos enfrentando arrombadores do erário nacional.

Faz-se necessário o confisco dessas organizações criminosas; imprescindíveis a devolução dos desvios e a liquidação extrajudicial dessas empresas, conglomerados e corporações. Como fez Scipione, depois de demolir Cartago, tem que passar sal nos escombros para que nunca mais se reproduzam no local.

A tecnologia embarcada nessas empresas se encontra enraizada, como “bioma”, no ambiente das universidades e em seus cursos técnicos. O Brasil não tem nada a perder com a liquidação da Odebrecht.

Nossos códigos atuais não são preparados para uma situação extraordinariamente assombrosa, como aquela que a Lava Jato mostrou.

Precisa-se ampliar o Código Penal, aprimorá-lo, separar trombadinhas de mega-assaltantes da pátria. Os crimes que lesam a economia nacional e se abatem sobre sua população devem ter tratamento em separado com extremo rigor, com detenções sem prazos.

As punições excepcionais devem ser voltadas à eliminação da matriz do crime organizado, que os acordos de leniência, ao contrário, perpetuam e fortalecem.

O banimento é a solução.

Os desempregados no país subiram para 14 milhões com brutal sofrimento que se abateu sobre a população. O presidente Temer em seu primeiro ano de exercício deixou crescer em 3 milhões os desempregados, tomou medidas que preservaram apenas os banqueiros e deixaram a economia mais improdutiva. Descredenciou-se na nomeação de um ministério em grande parte já varrido pela Lava Jato.

O país, para seguir adiante, tem que se livrar das velhas práticas, renovar seus métodos e restaurar uma honestidade e meritocracia que se esfarelaram.

Tem-se que colocar como metas imediatas a simplificação do país mais burocratizado do planeta, os cuidados com a educação como base de melhoria do ser humano, a ampliação de oportunidades e a mitigação do sofrimento das pessoas.

O Brasil, sem corrupção, tem jeito.

O que achou deste artigo?
Fechar

Brasil tem jeito
Caracteres restantes: 300
* Estes campos são de preenchimento obrigatório

comentários (4)

Enviar Comentário

Li e aceito os termos de utilização
Compartilhar usando o Facebook