Recuperar Senha
Fechar
Entrar
Loja
do super
Livreto + Pelúcia Urso polar
R$7,95

POSTO DE SAÚDE NÃO TEM MÉDICO

Em nome de centenas de moradores do bairro Horto, na região Leste de Belo Horizonte, que dependem do Posto de Saúde Marcos Antônio Menezes, localizado na avenida Petrolina, vim pedir socorro. Entre tantos outros, sou mais um aposentado, de 64 anos. Estou precisando de uma consulta médica para renovar o receituário e ter direito a receber meus medicamentos. Além disso, necessito de um encaminhamento para o Sistema Único de Saúde e de uma autorização para receber a vacina da febre amarela. O posto não tem médicos da equipe vermelha desde novembro de 2016, e não conseguimos marcar atendimento em outros postos. São centenas de moradores com necessidade de atendimento, e as respostas são sempre as mesmas – não tem médico, não tem previsão da nomeação... Em 31 de janeiro, recebi a informação de que, talvez, teremos médicos depois do recesso do Carnaval.

Rubens Marques

Resposta

A Prefeitura de Belo Horizonte (PBH), por meio da Secretaria Municipal de Saúde (SMSA) informou que o Centro de Saúde Marcos Antônio Menezes já tem nova médica responsável pela equipe vermelha. Segundo o órgão, a gerência da unidade entrará em contato com o usuário para agendar a consulta.

ÔNIBUS DEMORA MUITO A PASSAR

Eu gostaria de fazer várias reclamações sobre a empresa Expresso Sete Lagoano, de Sete Lagoas, na região Central de Minas Gerais. Nós, que moramos em Prudente de Moraes, Matozinhos e Pedro Leopoldo, somos prejudicados com os horários dos ônibus. Eles sempre demoram muito a passar e, às vezes, a empresa troca os horários e não nos avisa. Temos que esperar, por três horas, o carro que sai de Belo Horizonte. Nós queremos mais ônibus e melhoria nos horários via MG–424, pois passam ônibus de 30 em 30 minutos pela BR–040, e a população que mora próximo à MG–424 tem que esperar pelos veículos mais de uma hora.

Resposta

A autarquia Expresso Sete Lagoano informou que obedece um quadro de horários. Segundo o órgão, a empresa não tem como disponibilizar mais carros, pois não há demanda suficiente para suprir os gastos de mais ônibus. A empresa esclareceu ainda que segue um quadro de horários que o ônibus precisa adotar, e assim busca atender todos os usuários da melhor forma. A autarquia ressaltou que os usuários que tenham reclamações ou sugestões podem entrar em contato com a empresa pela central de atendimento pelos números (31) 3073-7575, ou 0800 724440.

Meu problema é...

Remédio de pressão causa sonolência?

Elis Mourão – Belo Horizonte

Resposta

Com muita frequência, somos abordados por pacientes ou conhecidos sobre possíveis efeitos colaterais de medicações destinadas ao tratamento da hipertensão. Sonolência pode acontecer, mas normalmente está associada a uma classe específica de medicações que exercem seu efeito diretamente no cérebro, como no caso da metildopa e da clonidina. Em casos muito específicos, quando a pressão está muito alta e é diminuída rapidamente, também pode ocorrer sonolência, independentemente da medicação em uso. Entretanto, tais casos são pouco frequentes e, na maioria das vezes, atribui-se a sonolência a qualquer anti-hipertensivo, o que leva à suspensão da medicação equivocadamente. Essa suspensão pode provocar graves consequências para o paciente, como a elevação súbita nos valores de pressão. Por esse motivo o paciente não deve suspender nenhuma medicação antes de consultar um médico, que avaliará se os sintomas são devidos a ela ou outra condição. Gabriel Assis Lopes do Carmo, médico, cardiologista, professor do Departamento de Clínica Médica da Faculdade de Medicina e médico do Hospital das Clínicas da UFMG.

ÔNIBUS ESTÃO COM POLTRONAS QUEBRADAS 

Eu sou moradora do bairro Jatobá IV, na região do Barreiro, em Belo Horizonte, e venho pedir a atenção do órgão responsável pelo ônibus intermunicipal 3560 (Marilândia/Belo Horizonte). Os veículos dessa linha estão uma vergonha, são velhos, têm poltronas quebradas, estão sujos e não oferecem conforto para os usuários. Os veículos são pequenos e sem acesso a pessoas com deficiência. Pagamos tarifa de R$ 4,85, caríssima, e temos que passar por isso. Todo ano a passagem aumenta e o conforto diminui. Além disso, desde o início de operação da linha, por volta de 1980, ela continua com os mesmos horários. Os veículos demoram até uma hora para passar, estão sempre lotados e sem cobrador, e as viagens ficam cada vez mais demoradas. Até quando vamos passar por isso? 

Resposta

A Diretoria de Fiscalização do Departamento de Edificações e Estradas de Rodagem de Minas Gerais (DEER-MG) informou que vai realizar uma vistoria nos ônibus da linha 3560 (Marilândia/Belo Horizonte). Segundo o órgão, na análise, serão verificadas condições de conservação, higiene e limpeza, entre outros itens, pois a concessionária é obrigada a manter os ônibus limpos e em bom estado de conservação. O DEER-MG ressaltou que, caso sejam constatadas irregularidades, a empresa será autuada e terá prazo para corrigir as falhas. A diretoria esclareceu ainda que os usuários podem participar da fiscalização do transporte coletivo enviando reclamações pelo e-mail participacao@transportes.mg.gov.br ou pelo telefone 155, opção 6. 

INTERVALOS DE ÔNIBUS SÃO MUITO GRANDES 

Eu quero registrar minha indignação sobre a falta de qualidade no serviço prestado pela linha de ônibus 1390 (Bairro Amazonas/Contagem), que em grande parte do dia tem intervalo de uma hora entre os veículos. Uma região da cidade com tantos moradores deveria ter mais ônibus disponíveis e em intervalos menores. Quem deseja ir para o centro da capital de Minas Gerais acaba precisando se deslocar até a BR–381 para embarcar em outra linha, o que acarreta riscos, pois existe alto índice de assaltos em pontos de ônibus na rodovia federal.  

Resposta

O Departamento de Edificações e Estradas de Rodagem de Minas Gerais (DEER-MG) informou que a linha 1390 (Bairro Amazonas/Belo Horizonte) possui baixa demanda de passageiros, com média de oito usuários por viagem fora dos horários de pico. Ainda de acordo com o departamento, a situação inviabiliza a inclusão de novos horários na linha. 

ÔNIBUS DE RIBEIRÃO DAS NEVES CIRCULAM SEM COBRADOR

Caso você resolva visitar Ribeirão das Neves, na região metropolitana, vai se deparar com diversas situações que incomodam a população há anos, como ruas sem asfalto, saúde pública precária e segurança pública insuficiente, entre outros problemas sociais. Agora, estamos vivendo algo novo: motoristas do nosso transporte público estão acumulando dupla função. Ele exercem o trabalho de motorista e cobrador, condição que coloca todos os passageiros e pedestres em constante risco. Isso sem falar que o motorista fica desprotegido o tempo todo. Nessa situação, somos expostos ao “pulão” – passageiros que passam por cima da roleta sem pagarem a passagem. Para piorar, a empresa começará a cobrar dos motoristas o valor da tarifa dessas pessoas. Quero saber que resposta nossos representantes vão dar para essa situação vexatória.

Vander Domingos

Resposta

A Prefeitura de Ribeirão das Neves informou que a Câmara Municipal votou e aprovou o Projeto de Lei 001/-C/2017, que determina a obrigatoriedade da presença de cobradores nos ônibus que circulam no município. De acordo o órgão do Executivo, no momento, o projeto foi submetido à Procuradoria Geral do Município para a análise técnica de legalidade e constitucionalidade. Sendo assim, a prefeitura esclareceu que aguarda essa análise jurídica para que se dê o parecer final sobre o tema.

Lotes da Prefeitura de Belo Horizonte estão cobertos por mato

Há aproximadamente três anos, a Prefeitura de Belo Horizonte (PBH) comprou dois lotes na rua Maria de Lourdes Manso, números 48 e 65, no bairro Indústrias I, na região do Barreiro. Segundo o órgão, o objetivo da aquisição dos terrenos era fazer a ampliação do posto de saúde que existe próximo ao local. Eles demoliram a casa e a piscina que estavam no lugar, mas não mexeram em mais nada. Os lotes estão concentrando entulhos, o mato está alto, e o local se tornou ponto de descarte de lixos. Nós, moradores da rua, estamos preocupados, pois estão aparecendo bichos venenosos nas proximidades do lote, como escorpiões e cobras. Além disso, os lotes se tornaram ponto de encontro de usuários de drogas. Já telefonamos na PBH, mas nada foi resolvido.

Igor Soares

Resposta

A Prefeitura de Belo Horizonte, por meio da Regional Barreiro, informou que a obra de ampliação do centro de saúde foi aprovada no Orçamento Participativo e incluiu a desapropriação dos dois terrenos. De acordo com o órgão, um dos lotes foi limpo em dezembro, e o outro já está com o serviço programado. A PBH esclareceu ainda que uma equipe de zoonoses do centro de saúde monitora periodicamente o local para evitar focos do Aedes aegypt.

PASSAGEM DE ÔNIBUS TEM AUMENTO

Nós, usuários do transporte coletivo, estamos sofrendo com os aumentos das passagens dos ônibus. Entra ano e sai ano, não temos nenhuma melhoria no transporte. Eu gostaria que a empresa responsável pelo serviço me esclarecesse uma coisa. Os quase 10% a mais que estamos pagando no transporte público incluem os seguintes gastos: pneu, diesel e peças. Quero saber se o valor que pagamos inclui o valor que seria cobrado dos idosos, que têm gratuidade. Eu questiono isso porque as tarifas de todos os ônibus aumentaram, inclusive as dos veículos de cor verde, nos quais os idosos não podem ter acesso. Essas linhas não deveriam, então, ter o preço mantido?

Gelson

Resposta

A Secretaria de Transportes e Obras Públicas (Setop) informou que os maiores de 65 anos têm direito à gratuidade no transporte público metropolitano nas linhas convencionais de acordo com o que assegura o Artigo 39 da Lei Federal 10.741/2003 (Estatuto do Idoso). Ainda segundo o órgão, nas linhas que operam o serviço executivo, a gratuidade ao usuário idoso somente é garantida se não houver uma linha convencional que ofereça o mesmo trajeto. A Setop esclareceu também que o reajuste anual do valor da tarifa do transporte público é previsto no contrato de concessão. De acordo com a secretaria, o cálculo é feito considerando o custo total do sistema dividido pelo número de passageiros transportados.