Recuperar Senha
Fechar
Entrar
Loja
do super
Livreto + Pelúcia Urso polar
R$7,95

REDE DE ESGOTO ESTÁ ENTUPIDA, E EMPRESA NÃO TOMOU PROVIDÊNCIAS

Desejo usar este espaço para fazer uma reclamação à Copasa. Há uma semana venho entrando em contato com a companhia para solicitar um serviço, mas ainda não fui atendido. A 1 m do passeio na rua Rio Grande do Sul, próximo ao número 521, no bairro Nossa Senhora das Graças, em Betim, na região metropolitana de Belo Horizonte, tem uma tampa da rede de esgotos que está entupida e, por isso, há vazamentos 24 horas por dia. Os técnicos já vieram até o local e tentaram solucionar o problema. No entanto, segundo eles, seria necessário executar uma lavagem na rede, o que ainda não ocorreu. Depois disso, entrei em contato com a empresa várias vezes, mas nada foi resolvido. Para piorar a situação, o esgoto da minha casa está voltando pela rede. Não consigo utilizar nada da parte hidráulica – banheiro, pia, maquina de lavar... Sem contar o mau cheiro que está impregnando meu imóvel. Gostaria de pedir, encarecidamente, a atenção da Copasa, pois essa rede entope a cada dois meses. Talvez fosse mais prudente fazer uma nova rede de tubulação.

Alexander Felmon

Resposta

A Copasa informou que realizou a manutenção na tubulação de esgoto localizada na rua Rio Grande do Sul, próximo ao número 521, no bairro Nossa Senhora das Graças, em Betim, na última segunda-feira.

FALTA ILUMINAÇÃO NA AVENIDA DAS OLIVEIRAS

Eu gostaria de solicitar à Prefeitura de Ribeirão das Neves, cidade da região metropolitana de Belo Horizonte, que implante um poste de energia na avenida das Oliveiras, em frente ao número 144, no bairro Nossa Senhora. O local é muito escuro, e poucas pessoas passam pela rua, o que torna o trecho um ponto para atuação de criminosos. Além disso, pelo fato de o local ser escuro, as pessoas aproveitam para se esconder por lá, o que torna a avenida ainda mais perigosa.

Washington Luís

Resposta

A atual gestão da Prefeitura Municipal de Ribeirão das Neves, por meio da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano, informou que não encontrou o contrato em vigência com a empresa que faria o serviço. Ainda de acordo com o órgão, as possibilidades estão sendo estudadas, e o serviço será regularizado em breve. A prefeitura ressaltou anda que é compromisso da atual administração oferecer todos os serviços essenciais referentes à segurança e também promover a qualidade de vida dos moradores.

Rua movimentada está cheia de buracos

Há dez anos eu sou moradora do bairro Jaqueline Frei Leopoldo, na região Norte de Belo Horizonte. A cada dia, as ruas estão piores, e a Prefeitura de Belo Horizonte (PBH) não toma nenhuma providência. A via Salsa, na altura dos números 739 e 738, por exemplo, está em situação crítica. Como a via é movimentada e recebe muitos ônibus, as crateras estão aumentado. Quando os carros passam em alta velocidade, até nossas casas tremem. Há dois meses venho telefonando para a PBH, que até o momento não resolveu nada. Em uma das ligações, fui informada que teria que esperar, pois estavam sem verba.  O asfalto não é feito direito, e nós é que sofremos com os problemas. O órgão tem que decidir: ou arruma a rua ou muda o trajeto dos ônibus, fazendo com que eles passem em outras ruas que estejam em melhor estado. O interessante é que eles não deixam de cobrar impostos.  

Jussara 

Resposta

A Prefeitura de Belo Horizonte (PBH), por meio da Regional Norte, informou que realizou uma vistoria nas ruas do bairro Jaqueline e constatou apenas dois buracos. Segundo o órgão, no dia 11 deste mês os buracos seriam tapados. A PBH esclareceu ainda que em nenhum momento houve restrições financeiras na operação de tapa-buracos. No entanto, segundo a prefeitura, em dezembro de 2016, o volume de chuvas na capital mineira foi acima do normal, e, em consequência desse fato, houve crescimento no número de buracos em toda a cidade. O órgão ressaltou ainda que, por meio das regionais, vem adotando medidas com o objetivo de resolver os problemas.  

ÁRVORE PODE CAIR A QUALQUER MOMENTO 

Eu sou morador do bairro Vila Universal, em Betim, na região metropolitana de Belo Horizonte. Há alguns dias, um veículo colidiu em uma árvore na rua Amazonas, próximo ao número 210, e trouxe um grande transtorno aos moradores. A árvore se desprendeu da terra e estourou o passeio. Com isso, ela pode cair a qualquer momento. Telefonamos para a Cemig, que nos informou que não havia equipamentos para fazer o serviço e que a árvore não está em cima da fiação elétrica. No último dia 10, entramos em contato com a Regional Imbiruçu, que alegou que a empresa que faria esse tipo de trabalho tinha encerrado o contrato. Procuramos todos os órgãos, mas nenhum nos atendeu.  

Marcelo Luiz 

Resposta

A Prefeitura Municipal de Betim, por meio da Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, informou que fez vistoria no local e que a árvore já havia sido retirada pelo Corpo de Bombeiros. A Cemig informou que esteve no local e apurou que a árvore já havia sido suprimida pelo Corpo de Bombeiros. O órgão esclareceu ainda que a queda não provocou nenhum risco à rede elétrica.  

PLANO DE MOBILIDADE URBANA PRECISA SER ATUALIZADO

Eu quero chamar atenção da Empresa de Transportes e Trânsito de Belo Horizonte (BHTrans) sobre o tráfego da cidade. A mobilidade urbana dos bairros da capital e, principalmente, no centro, precisa ser mais bem avaliada, pois faltam semáforos e placas de sinalização nas ruas da cidade. Na esquina da rua Ester de Lima com avenida Arthur Guimarães, no bairro Santa Cruz, por exemplo, falta um semáforo. O local tem alto fluxo de carros, e a falta do sinal torna o lugar ainda mais perigoso. Na rua Álvaro Dias, esquina com a avenida Cristiano Machado, no bairro União, próximo ao Minas Shopping, é preciso implantar uma placa sobre a divisão de pistas. Outro ponto importante que precisa ser reavaliado é o tempo dos semáforos no centro da cidade e nas principais avenidas. Além disso, o sistema de ônibus precisa ser refeito, pois já é muito deficiente e ultrapassado. A cidade cresceu, e a maioria das linhas não atende a população. Sugiro que todos os ônibus sejam interligados, uma medida que melhoraria a vida dos trabalhadores. Parece loucura, mas nós podemos fazer essa mobilidade urbana. Com uma frota de ônibus nova e um deslocamento eficiente, vamos, com certeza, deixar nossos carros em casa.

Paulo Armando

Resposta

A Empresa de Transportes e Trânsito de Belo Horizonte (BHTrans) esclareceu que existem redutores de velocidade na esquina da rua Ester de Lima com a avenida Arthur Guimarães. Segundo a autarquia, esse é o método usado para chamar atenção dos motoristas e salientar a preferência no cruzamento. Para a BHTrans, essa opção é satisfatória e atende bem a demanda de veículos que trafegam na região. A empresa afirmou que, ainda assim, monitorará o trecho e verificará se existe necessidade de implantar uma interseção semafórica. Sobre os sinais, a autarquia informou que são programados para atender diversas necessidades, sobretudo a travessia dos pedestres. A BHTrans ressaltou a importância dessa programação para o acesso das vias perpendiculares. O tempo semafórico, segundo a empresa, avalia vários interesses e busca atender todos com segurança. Já sobre a solicitação dos ônibus, a autarquia informou que o atual sistema de transporte coletivo municipal foi licitado em 2008 e está em constante transformação. Segundo a BHTrans, em 2014, com o acréscimo do Move, a rede de linhas interligadas foi ampliada e houve o benefício da integração tarifária, em que os usuários podem realizar itinerários extensos pagando apenas uma tarifa. Além do Move, a empresa ressaltou a existência das estações Barreiro e Diamante, que também viabilizam essa integração. A BHTrans esclareceu ainda que a população pode entrar em contato com a autarquia por meio da Central de Atendimento Telefônico, no número 156, ou no portal www.bhtrans.pbh.gov.br.

BANCO TROCA PLANO DE CLIENTE SEM AVISAR

Eu gostaria de contar a minha saga com o Banco do Brasil (BB). Recebi da empresa uma oferta de uma conta corrente com pacote digital, segundo a qual eu poderia movimentar minha conta com um cartão de débito no terminal de autoatendimento e teria acesso ao aplicativo no celular sem pagar pelas operações. Após conversar com o atendente que me mostrou os benefícios do plano, acabei aderindo ao pacote, pois ele atendia minhas necessidades. Desde então, eu usava o pacote sem nenhum problema. Há algum tempo, quando fui realizar um saque no caixa eletrônico, fui surpreendido ao perceber que foi descontada da minha conta uma taxa por eu ter excedido o limite dos saques que poderia fazer. Depois de muito insistir telefonando na central de atendimentos e mandando e-mails para o banco, consegui conversar com um atendente pelas redes sociais. Segundo ele, o pacote ao qual havia aderido foi misteriosamente descontinuado. Eu fui migrado, sem meu consentimento, para o pacote básico da instituição, que não me atende em nada. Como recebo meu salário nesse banco e tenho débito automático do seguro de veículo, fico vinculado à empresa com a qual estou insatisfeito. Agora, serei forçado a pagar essa taxa bancária para realizar as mesmas operações que eu fazia sem pagar nada.

Guilherme Gonçalves

Resposta

O Banco do Brasil (BB) informou que busca respeitar todos os clientes e, por isso, disponibiliza mensalmente o extrato de serviços, que pode ser visualizado via internet, pelo terminal de autoatendimento e pelo celular. Segundo a instituição, nesses canais, é possível verificar quais os pacotes foram contratados, a franquia do plano incluída no preço e os serviços consumidos em cada período. Assim, a empresa afirma que o próprio cliente pode avaliar a relação custo-benefício e optar pela continuidade, pela alteração ou pelo cancelamento da modalidade contratada. O Banco do Brasil esclareceu ainda que entrará em contato com o cliente e avaliará as necessidades dele. Segundo o órgão, essa análise serve para orientar o leitor sobre as alternativas que melhor o atendem e que tenham boa relação entre custo e benefício, considerando o volume de transações realizadas pelo cliente. A empresa ressaltou que a contratação e a alteração de qualquer pacote de serviços é efetuada apenas mediante a decisão do cliente, seja no atendimento presencial ou nos canais automatizados.

Lixão em Sabará prejudica saúde de moradores

O título de Aterro Sanitário Controlado, empregado para denominar o lixão na vizinhança do populoso bairro Nossa Senhora de Fátima, em Sabará, na região metropolitana de Belo Horizonte, de nada adiantou para evitar uma tragédia ambiental. O lixão Macaúbas foi implantado entre os anos 2002 e 2004, sob o pretexto de que solucionaria os problemas relacionados ao descarte do lixo doméstico produzido na cidade por 20 anos, e se transformou em um negócio extremamente rentável. O depósito recebe diariamente toneladas de lixo proveniente de quase toda a região metropolitana. O lixão foi implantado em uma serra, denominada morro do Sino, às margens do rio das Velhas e de uma mineradora, local de muitas nascentes. Mais de metade do morro do Sino teve a Mata Atlântica desmatada. A população do bairro sofre as consequências pela implantação, e os moradores convivem com o mau cheiro do chorume e o crescente número de moscas e outros insetos. Para minimizar o impacto socioambiental, foram prometidos aos moradores  construção de ginásio poliesportivo e de praças, pavimentação de ruas e outras coisas, que nunca saíram do papel.  

Rubem Maxwell 

Resposta

A Prefeitura de Sabará informou que o Aterro Sanitário Macaúbas respeita as normas ambientais de segurança e todos os requisitos legais necessários ao funcionamento. Segundo o órgão, cerca de 600 mil pessoas da região metropolitana de Belo Horizonte são beneficiadas com o serviço, que inclui o tratamento de resíduos sólidos não perigosos. A prefeitura ressaltou ainda que a nova administração do município analisará todos os projetos e as obras pendentes na região. Após esse estudo, segundo o órgão, serão definidas as prioridades para o melhoramento da cidade e dos moradores.

RUA É MUITO ESTREITA E ATRAPALHA O FLUXO DE CARROS

Gostaria de sugerir que a Autarquia Municipal de Trânsito e Transportes de Contagem (Transcon) estudasse a possibilidade de instalar uma placa de estacionamento proibido na avenida Severino Ballesteros Rodrigues, em Contagem, na região metropolitana. Essa via fica mais estreita próximo aos números 755 e 765, o fluxo de veículos é atrapalhado quando há carros parados, sem contar que podem acontecer acidentes no local.

Washington Luís

Resposta

A Autarquia Municipal de Trânsito e Transportes de Contagem (Transcon) informou que realizou vistoria técnica na avenida Severino Ballesteros Rodrigues, próximo aos números 755 e 765, e constatou que há um problema no fluxo de veículos. Segundo o órgão, a engenharia de trânsito da Transcon estudará a via com o intuito de minimizar a situação no local. A autarquia informou que, caso haja necessidade de intervenção, será elaborado um projeto viário para instalar placas de sinalização no trecho. A Transcon esclareceu que o problema já foi acrescentado no cronograma a partir do 1° semestre de 2017.