Recuperar Senha
Fechar
Entrar

ADEQUAÇÃO

Ministério Público propõe ação civil pública por plena acessibilidade no Independência

Laudo da promotoria mostra problemas de sinalização, espaçamento entre cadeiras, balcões fora do padrão e falta de bilheteria e bebedouros acessíveis

Enviar por e-mail
Imprimir
Aumentar letra
Diminur letra
Independência
A ação civil pública do MP cobra do governo do Estado e do América a correção de medidas de acessibilidade
PUBLICADO EM 03/09/13 - 17h12

O estádio Independência não está totalmente adaptado para pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida. A conclusão é do Ministério Público que, depois de mais uma vistoria, propôs uma ação civil pública para adequar o local às normas de acessibilidade. O governo do Estado e o América são considerados os réus da ação.

Segundo o laudo do dia 3 de julho, ainda faltam, principalmente, sinalizações adequadas para guiar as pessoas com deficiência ou com mobilidade reduzida. Outro problema é o espaçamento estreito entre as fileiras de cadeiras que atrapalharia a circulação.

Também não há bilheteria acessível e os balcões de atendimento e pagamento das lanchonetes estão fora dos padrões. Há balcão adaptado, mas ele está separado da área de atendimento dos demais, o que fere o princípio da inclusão. O Ministério Público ainda relatou que não há bebedouros acessíveis e constatou o descumprimento de normas nos vestiários adaptados e na sala de imprensa.

Anteriormente, a Promotoria de Justiça de Defesa dos Idosos e das Pessoas com Deficiência de Belo Horizonte já havia tentado outros acordos, mas as medidas não teriam sido adotadas. Se as adaptações não forem realizadas, a multa diária será de R$ 10 mil. A ação tramita desde o dia 27 de julho na 2ª Vara da Fazenda Pública de Belo Horizonte e não há prazo para uma decisão judicial.

De acordo com o promotor de Justiça Rodrigo Filgueira, a ação civil pública quer evitar, entre outras coisas, que o direito de ir e vir da pessoa com deficiência seja limitado. “A supressão de barreiras arquitetônicas e urbanísticas revela-se indispensável à inclusão social e ao acesso à cultura, educação, saúde e lazer das pessoas com deficiência ou com mobilidade reduzida”, disse o promotor.

A Secretaria de Estado Extraordinária da Copa do Mundo (Secopa-MG) informou, através de sua assessoria de imprensa, que a Advocacia Geral do Estado (AGE) está analisando o caso. Como não é considerado o réu do processo – já que não participou diretamente da construção do novo estádio – , o consórcio Arena Independência apenas acompanha a situação como parte interessada. O superintendente geral do América Alexandre Faria disse que o clube já tomou conhecimento do assunto, mas que ele será tratado apenas pela Secopa e a administradora do estádio.

* Com informações do Ministério Público de Minas Gerais (MPMG)

* Atualizada às 18h45

O que achou deste artigo?
Fechar

ADEQUAÇÃO

Ministério Público propõe ação civil pública por plena acessibilidade no Independência
Caracteres restantes: 300
* Estes campos são de preenchimento obrigatório

comentários (1)

Enviar Comentário

Li e aceito os termos de utilização
Compartilhar usando o Facebook
ou conecte-se com

ATENÇÃO

Cadastre-se para poder comentar

Comentar com Facebook Comentar com Twitter