Recuperar Senha
Fechar
Entrar

Interior

Demanda é o desafio para  o programa de voos fretados 

Especialistas acreditam que empresários serão o maior público para os 12 destinos do interior

Enviar por e-mail
Imprimir
Aumentar letra
Diminur letra
Aeroporto Brigadeiro Antônio Cabral - DIVINÓPOLIS-MG
No interior. Por semana, Programa de Integração da Aviação Regional deve manter 60 voos com passagens ao custo médio de R$ 300
PUBLICADO EM 17/08/16 - 03h00
p.FCKEditor { R transient java.lang.Object _data = 'com.polopoly.cm.app.policy.SingleValuePolicy'; R static java.lang.String p.publicInterfaces = 'com.polopoly.cm.app.policy.SingleValued'; R static java.lang.String p.mt = 'com.polopoly.cm.app.policy.SingleValuePolicy'; R static java.lang.String p.beanClass = 'com.polopoly.cm.app.policy.SingleValuePolicy'; RW java.lang.String value = '

A aviação regional mineira aguarda até hoje a promessa do Proaero, programa anunciado pelo governo estadual em 2008, que propunha deixar todas as cidades de Minas Gerais a no máximo 100 km de um aeroporto. Aguarda ainda os R$ 815 milhões prometidos pelo governo federal para investimentos em 33 aeroportos no interior. Enquanto isso não ocorre, o Estado inaugura hoje o Programa de Integração Regional Modal Aéreo (Pirma), que manterá 60 voos fretados semanais da capital para 12 cidades do interior de Minas, com passagens ao preço médio de R$ 300.

Segundo especialistas em logística, a ideia de deixar os municípios mais perto da capital é boa, mas vai faltar demanda. Dados da Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear) mostram que as vendas de passagens encolheram 6,6% no primeiro semestre deste ano. E, em 2016, o setor deve ter retração de 12,2% na demanda.

Na avaliação da professora de Ciências Aeronáuticas da Fumec, Ketnes Costa, os investimentos para os aeroportos regionais não avançam porque, principalmente na conjuntura atual de recessão, não há grande procura para sustentar a lucratividade. “Se até os grandes aeroportos estão com dificuldades para pagar as outorgas em dia, imagina os pequenos”, avalia. Segundo ela, além da redução na demanda, a aviação regional não é prioridade porque o país vive um momento de contingenciamento de recursos públicos.

Regionalização. A partir de hoje, 12 cidades do interior de Minas Gerais terão voos saindo e chegando no aeroporto da Pampulha e ficarão mais “próximas” de BH, com a inauguração do Pirma. A viagem pode ficar até dez vezes mais rápida, como é o caso de Muriaé, na Zona da Mata mineira. De ônibus, o passageiro demora cerca de 7h30. De avião, chegará em 45 minutos. Entretanto, a passagem custa mais do que o dobro. Em casos como o de Divinópolis, na região Centro-Oeste, a opção aérea pode sair até sete vezes mais cara.

De acordo com Ketnes, devido ao custo maior, o programa deve chamar mais a atenção de quem viaja a negócios. “Para quem viaja a lazer não será tão atrativo”, destaca. “Para eles (empresários), tempo é dinheiro. Mas será que tem gente disposta a pagar mais do que o ônibus? No caso de cidades muito próximas a Belo Horizonte, como Divinópolis e Curvelo, acho que não valerá a pena. Mas para as mais afastadas, como Teófilo Otoni, o público pode preferir o avião, até mesmo pelas más condições das rodovias”, avalia o coordenador dos cursos de Economia e de Logística da Newton Paiva, Leonardo Bastos Ávila.

Devagar

Investimento. Dos 33 aeroportos mineiros na lista do governo federal para receber investimentos anunciados em 2012, apenas oito estão em fase de anteprojeto.

';},ModelStore=com.polopoly.model.ModelStoreInMap

O que achou deste artigo?
Fechar

Interior

Demanda é o desafio para  o programa de voos fretados 
Caracteres restantes: 300
* Estes campos são de preenchimento obrigatório

Comentários (1)

Enviar Comentário

Li e aceito os termos de utilização
Compartilhar usando o Facebook
ou conecte-se com

ATENÇÃO

Cadastre-se para poder comentar

Comentar com Facebook Comentar com Twitter