Recuperar Senha
Fechar
Entrar

Esperança

Parte mineira do Velho Chico pode ter transporte de carga

Consórcio que foi vencedor de concorrência aberta pelo Dnit já realiza estudo de viabilidade

Enviar por e-mail
Imprimir
Aumentar letra
Diminur letra
CIDADES / ESPECIAL - FALTA DE MEDICOS NO NORTE DE MINAS GERAIS.
Balsas em Manga, no Norte de Minas, fazem transporte diariamente
PUBLICADO EM 08/08/14 - 03h00

Um estudo de viabilidade técnica e econômica para embasar planos de retomada da navegação no rio São Francisco a partir de Pirapora até a foz está sendo realizado. A ordem de serviço para realização do estudo foi dada em abril, e o consórcio vencedor da concorrência, formado por três empresas – Dzeta/Hidrotopo/Ebei – tem até abril do ano que vem para entregar as conclusões ao Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit).


A ideia é transformar a hidrovia do São Francisco num eixo onde se fará o transporte de cargas partindo de Minas Gerais e demais Estados por onde o Velho Chico passa. A hidrovia deve ser interceptada ao longo do caminho por rodovias e ferrovias conectadas com os portos marítimos da região Nordeste, num sistema de transporte multimodal e integrado.

De acordo com a engenheira civil do consórcio Nathércia Guimarães, o estudo deve apontar locais onde serão necessárias obras de aprofundamento do leito do rio para que ele atinja a profundidade mínima para navegação de grandes comboios de transporte. “Estamos analisando a capacidade da hidrovia: profundidade, que tipo de carga pode ser transportada, entre outros aspectos”, aponta Nathércia. O resultado e a avaliação da relação custo-benefício do projeto serão apresentados ao Dnit, à Administração da Hidrovia do São Francisco (AHSFRA) e à Companhia de Docas do Maranhão (Codomar), que são responsáveis pelo projeto.

Sonho antigo. Algumas empresas demonstraram, há mais de dez anos, interesse em transportar suas cargas pelo São Francisco, informa o superintendente da AHSFRA, Luiz Felipe de Carvalho Gomes Ferreira. Soja em grão e farelo e milho de produtores do interior da Bahia; ureia produzida em Camaçari; carvão, combustível e automóveis foram algumas consultas. “A mais recente que recebemos foi a respeito do escoamento da produção de gipsita, explorada na bacia do Araripe, região de divisa entre Piauí, Ceará e Pernambuco”, conta Ferreira.

O superintendente diz que o São Francisco hoje é navegável, embora subexplorado. Para ele falta, além das obras de adequação, interesse empresarial. O único trecho comercial em atividade está na Bahia, um trajeto entre Ibotirama/Muquém do São Francisco até Juazeiro – trecho de 576 km. Segundo levantamento de 2013 da Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq), transporta-se neste trecho um só produto: 49 mil toneladas de caroço de algodão.

Usos múltiplos devem conviver

O Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco (CBHSF), órgão responsável pela gestão das águas, tem acompanhado as discussões a respeito da retomada da navegação no rio São Francisco.

O vice-presidente do CBHSF, Wagner Soares Costa, diz que, ao se implantar a hidrovia, é preciso prever que impacto isso pode ter sobre os demais usos que se fazem da água ao longo do rio. “Para o uso múltiplo das águas é preciso equilíbrio entre as atividades que já funcionam e as que vão chegar”, argumenta Costa, exemplificando com os grande projetos de irrigação e com a dinâmica do abre e fecha de comportas para o controle de vazão das barragens hidrelétricas.

O que achou deste artigo?
Fechar

Esperança

Parte mineira do Velho Chico pode ter transporte de carga
Caracteres restantes: 300
* Estes campos são de preenchimento obrigatório
Enviar Comentário

Li e aceito os termos de utilização
Compartilhar usando o Facebook
ou conecte-se com

ATENÇÃO

Cadastre-se para poder comentar

Comentar com Facebook Comentar com Twitter