Recuperar Senha
Fechar
Entrar

Eleições

Bancada quer retomar o MDB

Ala do partido ligada a Adalclever Lopes pretende impugnar diretórios ligados a Antônio Andrade

Enviar por e-mail
Imprimir
Aumentar letra
Diminur letra
Antônio Andrade
Disputa. Antônio Andrade teria registrado apenas os diretórios de seus aliados, e bancada tenta reverter
PUBLICADO EM 16/05/18 - 03h00

A ala do MDB ligada ao presidente da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), Adalclever Lopes, montou uma estratégia que vai atuar em duas frentes para tentar retomar o controle do partido em Minas. A ação é uma espécie de contra-ataque depois que o vice-governador e presidente da legenda no Estado, Antônio Andrade, registrou seus aliados em cerca de 300 diretórios municipais.

Nos bastidores é dito que uma das ações dos emedebistas aliados de Adalclever vai ser aprovar com rapidez a criação de comissões provisórias da sigla nas cidades. O intuito é encontrar uma brecha no estatuto para que esses colegiados tornem-se diretórios municipais antes da convenção do partido, em julho. A manobra acontece porque somente os diretórios têm delegados com poder de voto na convenção estadual, que decide o rumo da agremiação no pleito.

Na terça-feira (15), em reunião na sede da legenda, a executiva conseguiu analisar aproximadamente 40 comissões. Outros encontros desse tipo devem ocorrer nos próximos dias. “Não importa se vamos ter candidatura própria ou coligar com o PT. O importante é que consigamos igualar o número de diretórios que o Antônio Andrade tem hoje. Porque numa convenção, hoje, o que ele decidir é que vai ganhar, mas só porque ele fez uma manobra interna”, disse uma fonte.

Outra medida adotada vai ser uma reanálise dos diretórios que já foram registrados por Andrade no Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG). Segundo o secretário geral do MDB, o deputado estadual Sávio Souza Cruz, o regimento da sigla prevê que antes de o protocolo ser efetuado é preciso uma análise da secretaria geral e abertura de prazo para que a executiva possa receber pedidos de impugnação. “Esse processo não foi realizado. Então, o que estamos fazendo é seguir esse trâmite, que é o que mandam as normas do MDB”, afirmou o secretário.

O deputado estadual Tadeu Leite afirma que, além da espécie de força-tarefa da secretaria geral para analisar se cada uma dos diretórios está apto ou não a votar na convenção, na penúltima reunião do MDB foi aprovado o prazo de 30 dias para aquelas cidades que fizeram convenções (para se tornarem diretórios) encaminhem a documentação. “Então, temos que aguardar o final deste mês para vermos qual será o quórum de eleitores para a convenção”, explicou.

Na prática, é ventilado que o grupo emedebista formado por deputados pretende conseguir reduzir o número de alguns diretórios que estão sob poder de Andrade, com esses pedidos de impugnação. Ao mesmo tempo, com as novas comissões, eles poderiam aumentar a quantidade de municípios sob o comando da ala de Adalclever.

No entanto, Iran Barbosa, também deputado estadual, garante que “não vê nenhum cenário de conflito nesse momento”. Pelo contrário, eu estou vendo mais cenário de solução do que das outras vezes dentro do partido”, acredita. Na terça-feira Antônio Andrade não quis conversar com a imprensa.

Escolha

Destino. Os deputados emedebistas comentaram a possibilidade de o presidente da Assembleia, Adalclever Lopes, desistir de disputar um cargo majoritário e optar pela reeleição. “Eu ainda coloco o Adalclever como nome para disputar o governo de Minas. Mas essa é uma decisão dele e da convenção do partido”, disse o deputado Tadeu Leite. 

Rumo. Em entrevista a um jornal de Caratinga, Adalclever admitiu que será candidato a deputado estadual novamente.

 

União com PSDB não é bem vista

Lideranças do MDB de Minas Gerais disseram nesta terça-feira que não concordam com a possibilidade de o partido coligar com o PSDB nas eleições deste ano. A rejeição a essa possível aliança aparece um dia após o pré-candidato tucano ao Palácio da Liberdade, o senador Antonio Anastasia (PSDB), afirmar que não descarta uma composição com emedebistas.

Para o deputado estadual Iran Barbosa, ao levantar essa hipótese, o senador mostra que não conhece o estatuto da legenda, que deliberou por candidatura própria neste mês. “Aliás, ele devia conhecer, porque o estatuto do PSDB é igual ao nosso. Eles fizeram cópia. E o nosso estatuto é muito claro de que, no momento em que ficou definida a candidatura própria, é isso”, afirmou.

O parlamentar ainda disse que, se os emedebistas que colocaram os nomes à disposição para a disputa desistirem, ele vai entrar no páreo. “Mas que vai ter candidato, vai”, garantiu Barbosa.

O deputado estadual e secretário geral da agremiação, Sávio Souza Cruz, avaliou que Anastasia é um adversário político. “O MDB foi oposição em 100% do tempo em que Anastasia foi o governador do Estado. Não faria sentido de uma hora para outra apoiarmos o adversário”, disparou.

O deputado estadual Tadeu Leite afirmou que, neste momento, o MDB não está discutindo composições: “Até porque, se tivermos candidatura, são os outros partidos que devem ficar à vontade para trabalhar o apoio ao candidato do MDB”.

Em outra frente, o vice-governador e presidente estadual do MDB, Antônio Andrade, chegou a dizer neste mês que a sigla poderia coligar com o PSDB.

O que achou deste artigo?
Fechar

Eleições

Bancada quer retomar o MDB
Caracteres restantes: 300
* Estes campos são de preenchimento obrigatório

comentários (1)

Enviar Comentário

Li e aceito os termos de utilização
Compartilhar usando o Facebook
ou conecte-se com

ATENÇÃO

Cadastre-se para poder comentar

Comentar com Facebook Comentar com Twitter