Recuperar Senha
Fechar
Entrar

Enxugamento

‘Despetização’ de Bolsonaro já atingiu 3.400 servidores

Exonerações devem continuar nos próximos dias, atingindo a maioria dos ministérios

Enviar por e-mail
Imprimir
Aumentar letra
Diminur letra
Capturar.JPG
Esplanada. Segundo o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, colegas de outras pastas estão autorizados a desaparelhar a máquina
PUBLICADO EM 05/01/19 - 03h00

Brasília. Nos três primeiros dias de mandato, o governo do presidente Jair Bolsonaro (PSL) registrou a impressionante marca de 3.400 exonerações de servidores públicos, resultado da “despetização” da máquina prometida pelo ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni. As demissões devem continuar nos próximos dias, atingindo todas as pastas da Esplanada. As informações são do jornal “O Globo”.

Nesta quinta-feira (3), um decreto de Bolsonaro autorizou a exoneração de 3.100 servidores comissionados ou lotados em funções gratificadas nas quatro pastas que serão incorporadas ao Ministério da Economia, comandado por Paulo Guedes: Fazenda, Indústria e Comércio Exterior, Planejamento e Trabalho.

“Sobre o episódio da exoneração, a gente brincou em “despetização”, o presidente gostou do exemplo e todos os ministros estão autorizados a, dentro das suas pastas, proceder de maneira semelhante e ajustada. Até para desaparelhar e permitir que governo possa executar suas políticas”, explicou Onyx Lorenzoni em entrevista ao “O Globo”.

Antes das exonerações no Ministério da Economia, a Casa Civil já havia desligado 300 servidores comissionados. As demissões serão implementadas no dia 30 de janeiro, após uma triagem. A extinção dos cargos não significa que o número de pessoas trabalhando na Esplanada vai diminuir na mesma proporção. Isso porque a maioria dos cargos é uma gratificação paga a servidores de carreira que ocupam cargos de chefia.

Bolsonaro alertou seus ministros sobre a necessidade da adoção de critérios técnicos na escolha de assessores de segundo e terceiro escalões. Ele determinou também uma análise dos atos do ex-presidente Michel Temer nos últimos 30 dias de sua gestão. Isso porque o governo teria detectado movimentações “incomuns” na máquina federal, tanto de servidores quanto de recursos financeiros.

O presidente autorizou, ainda, uma revisão completa nos conselhos da máquina federal com o objetivo de reduzir, ou até acabar, com alguns desses colegiados, além de um levantamento dos imóveis da União.

Em relação aos últimos atos de Temer, Onyx informou que Bolsonaro receberá relatórios de todos os ministros sobre o que foi feito no “apagar das luzes” da gestão anterior, especialmente nos 15 dias finais. Na próxima terça-feira, uma nova reunião ministerial será realizada para a apresentação das primeiras medidas a serem adotadas pelo governo.

Ocupação

Máquina estatal. Quando assumiu o poder pela primeira vez, em 2003, o PT reservou 15 mil dos 21 mil cargos comissionados disponíveis naquela época para integrantes e simpatizantes do partido.

‘Haverá dificuldades’, diz comandante

Empossado

O novo comandante da Aeronáutica, tenente-brigadeiro Antonio Carlos Moretti Bermudez, afirmou nesta sexta-feira (4) que haverá “dificuldades” no início do governo de Jair Bolsonaro, inclusive pela “reação corporativa”, mas que elas não serão capazes de impedir “o avanço do nosso país”. A cerimônia de posse, na Base Aérea de Brasília, foi acompanhada pelo presidente Jair Bolsonaro.

Discurso

Bermudez falou da necessidade de “aporte de investimentos para os projetos estratégicos, que suportam nossa efetiva atuação num cenário tridimensional”. “Somente com a incorporação de novas tecnologias e a capacitação do nosso efetivo é que seremos capazes de controlar e defender essa fabulosa área de 22 milhões de quilômetros quadrados”, acrescentou o comandante.

Novo slogan

Ufanismo

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) lançou nesta sexta-feira o slogan e a logomarca do novo governo. Eleito com uma campanha em que explorou um discurso nacionalista, ele optou por usar o último verso do Hino Nacional Brasileiro como a marca de sua administração: “Pátria Amada, Brasil”.

Estilizada

A frase é acompanhada de uma imagem da bandeira do país, na qual o círculo central se assemelha ao nascer do sol. O símbolo foi publicado pelo presidente nas redes sociais.

De graça

“A parte mais importante é que a divulgação está sendo lançada na internet com custo zero, economizando mais de R$ 1,4 milhão aos cofres públicos”, enfatizou o presidente no Twitter.

O que achou deste artigo?
Fechar

Enxugamento

‘Despetização’ de Bolsonaro já atingiu 3.400 servidores
Caracteres restantes: 300
* Estes campos são de preenchimento obrigatório

Comentários (36)

Enviar Comentário

Li e aceito os termos de utilização
Compartilhar usando o Facebook
ou conecte-se com

ATENÇÃO

Cadastre-se para poder comentar

Comentar com Facebook Comentar com Twitter