Recuperar Senha
Fechar
Entrar

Reforma administrativa

Governo quer secretário adjunto em apenas sete pastas

Estado quer economizar R$ 1,6 milhão com a eliminação das vagas

Enviar por e-mail
Imprimir
Aumentar letra
Diminur letra
CIDADE ADMINISTRATIVA
PUBLICADO EM 11/02/19 - 03h00

]A proposta de reforma administrativa elaborada pela equipe do governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo), pretende reduzir o número de secretários adjuntos no Estado para gerar uma economia de R$ 1,6 milhão por ano. O texto, enviado para a Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), prevê que o número de secretarias na máquina pública passe de 21 para 12. E que, desse total, apenas sete pastas tenham a figura do adjunto. 

A intenção da administração estadual é que esses postos permaneçam nas seguintes secretarias: Fazenda, Saúde, Educação, Justiça e Segurança Prisional, Cultura e Turismo, Governo e Desenvolvimento Econômico. De acordo com uma fonte da administração estadual, essas pastas manteriam os cargos porque foram selecionadas por critério de criatividade temática e também em virtude do desenho interno das suas estruturas. A reportagem questionou o governo de Minas sobre quais critérios seriam esses, mas não obteve resposta. 

Quem ocupa o posto de secretário adjunto tem a atribuição de auxiliar o titular na direção do órgão, substituindo-o em suas ausências, e sempre que necessário. Hoje, o salário para esse cargo é de R$ 9.000. 

O que achou deste artigo?
Fechar

Reforma administrativa

Governo quer secretário adjunto em apenas sete pastas
Caracteres restantes: 300
* Estes campos são de preenchimento obrigatório

Comentários (2)

Enviar Comentário

Li e aceito os termos de utilização
Compartilhar usando o Facebook
ou conecte-se com

ATENÇÃO

Cadastre-se para poder comentar

Comentar com Facebook Comentar com Twitter