Recuperar Senha
Fechar
Entrar

Justiça

Janot denuncia Temer por ‘quadrilhão’ do PMDB na Câmara

Políticos teriam praticado ações ilícitas em troca de propina por meio da utilização de diversos órgãos públicos

Enviar por e-mail
Imprimir
Aumentar letra
Diminur letra
Michel Temer e Eduardo Cunha
PUBLICADO EM 14/09/17 - 17h39

Em um de seus últimos atos à frente do Ministério Público Federal (MPF), o procurador geral da República, Rodrigo Janot, apresentou nesta quinta-feira (14) a esperada segunda denúncia contra o presidente Michel Temer. Este é apontado na peça como chefe do que se denominou “quadrilhão do PMDB da Câmara” e é acusado de associação criminosa e obstrução à Justiça. Além de Temer, foram denunciados dois ministros de seu governo: Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (Secretaria Geral da Presidência).

A lista de condenações pedidas por Janot inclui ainda os ex-ministros Geddel Vieira Lima e Henrique Alves, o ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha e o ex-deputado e ex-assessor especial de Temer Rodrigo Rocha Loures.

Rodrigo Janot decidiu também denunciar o empresário Joesley Batista e o ex-diretor da JBS Ricardo Saud. A PGR pediu a rescisão do acordo e o cancelamento da imunidade penal dos dois delatores.

Agora, a denúncia será remetida para a Câmara dos Deputados, que terá de decidir se permite ou não que o Supremo Tribunal Federal (STF) analise as imputações. Se a Câmara autorizar o processamento da denúncia e o Supremo aceitar a acusação, Temer deve ser afastado provisoriamente do cargo. Se ocorrer a rejeição, o caso só poderá ser analisado quando o peemedebista deixar a função.

Temer vai tentar, por meio de um pedido ao STF, suspender o envio da denúncia para a Câmara. O Palácio do Planalto teme que a tarefa de rejeitar a segunda denúncia seja mais árdua do que foi com a primeira acusação. Isso porque o governo abusou do uso de emendas e distribuição de cargos naquela ocasião, reduzindo a margem de manobra para negociar os votos de deputados indecisos.

Soma-se a isso o fato de que grande parte dos partidos que apoiaram o presidente na primeira denúncia estar insatisfeita com o descumprimento de promessas do Planalto. Por outro lado, a ampla rejeição a Rodrigo Janot e à Lava Jato no seio da classe política pode beneficiar o presidente.

A denúncia. Para tentar ter resultado diferente do que foi alcançado quando a primeira denúncia foi enviada, Rodrigo Janot preparou uma peça bem mais complexa e detalhada. As 245 páginas entregues nesta quinta-feira (14) ao Supremo Tribunal Federal utilizam detalhes de 22 delações premiadas e trazem uma série de documentos. São reproduções de planilhas de propina de Lúcio Funaro e do sistema Drousys, que a Odebrecht mantinha no exterior, extratos de contas de empresas offshore, usadas para lavagem de dinheiro, e mensagens trocadas entre diversos dos acusados do esquema criminoso.

A Procuradoria Geral da República (PGR) ainda somou as propinas que foram contabilizadas em diversos episódios, alcançando o impressionante valor de R$ 587.101.098,48 em quase 12 anos (2006 até atualmente). Além disso, o MPF ainda realça que os esquemas criminosos desbaratados pela Lava Jato na Petrobras geraram prejuízos estimados em R$ 29 bilhões à estatal do petróleo.

De acordo com Rodrigo Janot, Temer e companhia teriam empreendido esforços criminosos em diversos outros órgãos e empresas, como Furnas, Caixa Econômica Federal, Ministério da Integração Nacional, Ministério da Agricultura, Secretaria de Aviação Civil e Câmara dos Deputados.

Resta saber agora se nesta sexta-feira (15), em seu último dia útil na PGR, Janot ampliará sua coleção de denúncias contra políticos com foro privilegiado, a maior da história do MPF e do combate à corrupção no Brasil.

Clique aqui e leia a denúncia na íntegra

Atualizada às 22:13

O que achou deste artigo?
Fechar

Justiça

Janot denuncia Temer por ‘quadrilhão’ do PMDB na Câmara
Caracteres restantes: 300
* Estes campos são de preenchimento obrigatório

Comentários (7)

Enviar Comentário

Li e aceito os termos de utilização
Compartilhar usando o Facebook
ou conecte-se com

ATENÇÃO

Cadastre-se para poder comentar

Comentar com Facebook Comentar com Twitter