Recuperar Senha
Fechar
Entrar

Operação Capitu

JBS teria comprado ministros e deputados por favorecimento comercial

Empresa de Joesley Batista subornou membros do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento para criar normas e portarias com objetivo de ter o monopólio no ramo de carnes

Enviar por e-mail
Imprimir
Aumentar letra
Diminur letra
Joesley
O empresário Joesley Batista (de boné), do grupo JBS
PUBLICADO EM 09/11/18 - 16h00

A Operação Capitu, desdobramento da Lava Jato, deflagrada na manhã desta sexta-feira (9) em Minas Gerais e em outros quatro estados e no Distrito Federal, desbaratou mais um complexo esquema de corrupção envolvendo empresários e políticos brasileiros. Como parte dele, em 2014, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) funcionava como balcão de negócios em favor da JBS, empresa do ramo de frigoríficos de Joesley Batista, preso juntamente com outras 18 pessoas pelo país. De acordo com a Polícia Federal, o esquema criou normas e portarias com o intuito de consolidar a JBS como monopólio no fornecimento de seus produtos, não só no país, mas também em outras partes do mundo.

O esquema teria começado em 2014, no governo Dilma Rousseff (PT), época em que o atual vice-governador de Minas, Antônio Andrade (MDB) era ministro da pasta. Por ele e por seu sucessor, o deputado estadual eleito Neri Geller (PP-MT) também preso nesta sexta, a JBS deu as cartas de acordo com seus interesses, mas claro, pagando pelos serviços de políticos e servidores públicos.

"Foi desencadeada em BH a operação no âmbito do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Essa investigação é referente a pagamento de propina a servidores titulares do ministério que expediam atos normativos que beneficiavam uma empresa (a JBS). Foram R$ 2 milhões pagos aos titulares do ministério e a um servidor público para expedirem atos normativos que proibiam a ivermectina (veneno) de longa duração", disse Mário Veloso, delegado da PF responsável pela investigação.

Essa proibição teve como objetico atender o mercado norte-americano, que teria reclamado da qualidade do produto exportado pela JBS por causa do excesso de vermicida encontrado, de acordo com os padrões do país.

"Foram outros R$ 2 milhões para regularização de despojos, que são partes do gado bovino, dentre outras, que não são consumidos no mercado, mas são muito apreciados na Ásia", continuou.

Ainda de acordo com a investigação, há indícios de que existia um "mensalinho" funcionando no MAPA, com o pagamento mensal de R$ 250 mil ao encarregado pela pasta e um servidor. Essa mesada tinha como objetivo garantir que eventuais interesses do grupo JBS fossem atendidos. Um deles, explicou Veloso, foi a criação de uma emenda na medida provisória 653/14, um 'jabuti' (quando a emenda não tem nenhuma ligação com o projeto inicial) para favorecer o grupo. 

"A uma questão do mensalinho (R$ 250 mil) paga a um servidor do MAPA e a um titular, há fortes indícios sobre isso. E a inclusão de uma emenda, que visava a federalização das inspeções sanitárias em frigoríficos, beneficiava essa empresa no sentido de concentrar nela o mercado, sendo que os pequenos e médios produtores não conseguiriam atender as exigências do MAPA", completou.

O que achou deste artigo?
Fechar

Operação Capitu

JBS teria comprado ministros e deputados por favorecimento comercial
Caracteres restantes: 300
* Estes campos são de preenchimento obrigatório

Comentários (2)

Enviar Comentário

Li e aceito os termos de utilização
Compartilhar usando o Facebook
ou conecte-se com

ATENÇÃO

Cadastre-se para poder comentar

Comentar com Facebook Comentar com Twitter