Recuperar Senha
Fechar
Entrar

Resultado

Maioria dos alvos da CPI do Narcotráfico não foi punida

Investigações e indiciamentos não bastaram para penalizar policiais

Enviar por e-mail
Imprimir
Aumentar letra
Diminur letra
Preservação. Policiais prestaram depoimento na CPI do Narcotráfico escondendo seus rostos
Investigações e indiciamentos não bastaram para penalizar policiais

Veja Também

PUBLICADO EM 06/04/13 - 23h49

Policiais que foram alvo da Comissão Parlamentar de Inquérito do Narcotráfico da Assembleia de Minas, há 13 anos, se aposentaram normalmente e muitos sequer tiveram que responder a processos na Justiça mineira.

Em 1999, a Assembleia aprovou uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para averiguar as denúncias e os problemas crescentes do tráfico de drogas em Minas Gerais.

Um ano depois de ser instaurada, a chamada CPI do Narcotráfico, que contou com 12 deputados, se reuniu mais 50 vezes, ouviu mais de 121 pessoas e indiciou 53 indivíduos. Entre eles, apareceram os nomes de vários servidores públicos que tinham como responsabilidade manter a segurança pública, como policiais civis e militares.

Apesar de os deputados terem percorrido várias regiões do Estado e reunido evidências contundentes, a comissão não foi o bastante para fazer com que os agentes de segurança pública respondessem pelos atos na Justiça ou perdessem seus cargos por conluio com o crime.

Em Uberlândia, o inspetor da Polícia Civil Cesarino Ituassu foi denunciado por manter conexões com traficantes da região do Triângulo. O relatório final da CPI destacou que o policial suspeito possuía patrimônio muitas vezes superior à sua capacidade financeira. Cesariano era acusado de conceder proteção aos criminosos em troca de vantagem financeira.

Naquele mesmo ano, o policial sofreu sindicância da Corregedoria da Polícia Civil do Estado. Ele foi classificado pela instituição como elemento "pernicioso e criminoso". O inspetor, no entanto, não respondeu a nenhum processo na Justiça e se aposentou sem problemas.

Em Montes Claros, no Norte do Estado, o sargento da Polícia Militar Jacinto Paulo Pereira Faustino, por consequência da CPI, também foi alvo de uma sindicância da Polícia Militar por suposto envolvimento com o tráfico na cidade. A apuração não avançou.

Posteriormente, Jacinto pediu baixa da instituição e chegou a abrir uma empresa de segurança. Ele também foi proprietário do jornal "Gazeta Norte Mineira" de Montes Claros. Hoje, quem administra o periódico é seu filho. Atualmente, o ex-militar trabalha como advogado.

Em Belo Horizonte, outro caso de impunidade. O policial Civil Adelton Mauro de Vieira foi apontado como um dos pivôs da fuga do traficante Fernandinho Beira-mar do Departamento Estadual de Operações Especiais (Deoesp), em 1997.

O relatório final da CPI concluiu que a participação de Adelton Mauro foi preponderante para que Beira-Mar fugisse. Segundo o documento, por negligência, ele permitiu que outros presos ajudassem o traficante durante a evasão.

O policial, mesmo com a suspeita de ter cometido irregularidades, ainda está na ativa e não responde a nenhum processo na Justiça. As informações sobre os policiais civis foram confirmadas pela própria Corregedoria da Polícia Civil.

Promovido. Durante a CPI, outro caso chamou a atenção das autoridades. Em março de 2000, um traficante foi preso em flagrante em um estacionamento de um supermercado em Contagem, na região metropolitana. A ação da Polícia Federal prendeu também o capitão da Polícia Militar Marcelo Antonio Pio. Ele estava escoltando o criminoso.

O caso se tornou emblemático. Ele chegou a ser julgado e penalizado com seis anos prisão, porém, a decisão da Justiça foi reformada, e o processo dele foi extinto pela Justiça. Mesmo sendo alvo de investigação, Pio ainda subiu de patente. Ele se tornou major e chegou a trabalhar no setor de finanças da instituição. Agora, está aposentado.

O que achou deste artigo?
Fechar

Resultado

Maioria dos alvos da CPI do Narcotráfico não foi punida
Caracteres restantes: 300
* Estes campos são de preenchimento obrigatório
Enviar Comentário

Li e aceito os termos de utilização
Compartilhar usando o Facebook
ou conecte-se com

ATENÇÃO

Cadastre-se para poder comentar

Comentar com Facebook Comentar com Twitter