Recuperar Senha
Fechar
Entrar

INVESTIGAÇÃO

Rosa Weber vota para proibir condução coercitiva para interrogatórios

Ações do Partido dos Trabalhadores e da OAB contestam procedimento usado pela Polícia Federal

Enviar por e-mail
Imprimir
Aumentar letra
Diminur letra
Rosa Weber
Rosa frisou o direito de investigados não produzirem provas contra si. Para a ministra, a condução coercitiva não se justifica se a Constituição garante o direito ao silêncio
PUBLICADO EM 13/06/18 - 18h50

A ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal (STF), votou para proibir o uso da condução coercitiva para realização de interrogatórios. A posição acompanha o relator do caso, ministro Gilmar Mendes, e diverge dos colegas Edson Fachin, Luís Roberto Barroso e Alexandre de Moraes.

O STF retomou na tarde desta quarta-feira, 13, o julgamento de duas ações - do Partido dos Trabalhadores e do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) - que contestam a condução coercitiva de investigados para a realização de interrogatórios, um procedimento que vinha sendo utilizado em investigações da Polícia Federal até o final do ano passado, quando Gilmar vetou por uma medida liminar.

Em seu voto, Rosa frisou o direito de investigados não produzirem provas contra si. Para a ministra, a condução coercitiva não se justifica se a Constituição garante o direito ao silêncio.

"Nessa Suprema Corte também já se entendeu que o direito ao silêncio relativamente a perguntas cujas respostas possam incriminá-los corresponde a garantia fundamental intrínseca do direito constitucional de defesa", destacou a ministra. 

Ao aceitar os pedidos da OAB e do PT, Rosa afirmou ser "incabível" qualquer exigência ao investigado para "prestar depoimento ou para comparecer para este fim". "Se não está obrigado a depor, não pode ser obrigado a comparecer para fazê-lo".

Diferente de Gilmar e Rosa, os ministros Fachin, Moraes e Barroso votaram para autorizar a condução coercitiva, mas em diferentes extensões. Os três preveem a medida para interrogatórios desde que os investigados não tenham atendido à prévia intimação.

No entanto, Fachin e Barroso abrem o leque de possibilidades ao autorizar também o uso da coercitiva, sem intimação prévia, quando o juiz justifica que a ferramenta foi usada para substituir uma medida mais gravosa, como prisão preventiva.

O que achou deste artigo?
Fechar

INVESTIGAÇÃO

Rosa Weber vota para proibir condução coercitiva para interrogatórios
Caracteres restantes: 300
* Estes campos são de preenchimento obrigatório

comentários (1)

Enviar Comentário

Li e aceito os termos de utilização
Compartilhar usando o Facebook
ou conecte-se com

ATENÇÃO

Cadastre-se para poder comentar

Comentar com Facebook Comentar com Twitter