Recuperar Senha
Fechar
Entrar

Justiça

TJMG pauta recurso final de Eduardo Azeredo

Trata-se do último recurso que o ex-governador pode interpelar antes de ser preso

Enviar por e-mail
Imprimir
Aumentar letra
Diminur letra
Azeredo
PUBLICADO EM 16/05/18 - 20h24

O Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) vai julgar, na próxima terça-feira, dia 22, os embargos de declaração propostos pela defesa do ex-governador Eduardo Azeredo, condenado a 20 anos e um mês de prisão pelos crimes de peculato e lavagem de dinheiro cometidos no escândalo que ficou conhecido como mensalão tucano mineiro. 

Esse é o último recurso que Azeredo pode interpelar antes de ser preso. O esquema, conforme denúncia do Ministério Público, desviou cerca de R$ 3,5 milhões de estatais como o Banco do Estado de Minas Gerais (Bemge) e a Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa) para a campanha do tucano pela reeleição em 1998, quando foi derrotado por Itamar Franco.

As investigações mostraram ainda que agências de publicidade de Marcos Valério de Souza foram utilizadas na ação.

Em abril, o TJMG negou os embargos infringentes de Azeredo. Pela sentença de condenação, o cumprimento da pena deve começar quando esgotada a possibilidade de apelação na justiça estadual, que se esgota, desta forma, na próxima terça. 

Em entrevista à rádio Super Notícia FM no final de abril, Eduardo Azeredo confessou estar aflito com a possibilidade de ser preso. “Não vou ser falso de dizer que não fico aflito. Fico, fico aflito sim. Mas é uma cobrança descabida, é um excesso o que está se fazendo em cima de mim”, contou. 

O tucano disse que vem sendo vítima de falta de informação de como funciona um governo. “As estatais têm um conselho fiscal. Têm diretoria com autonomia. Têm um cargo que se chama ordenador de despesas. Essas pessoas que são responsáveis”, disse ele, sem citar nomes. 

“Estou triste. Estou triste porque é uma coisa injusta. Não me beneficiei. Meus filhos não se beneficiaram de eu ter sido governador, de eu ter sido prefeito de Belo Horizonte. Tenho uma casa que construí em 1984 com dinheiro do BNH (Banco Nacional de Habitação)”, disse o tucano na entrevista.

Segundo Azeredo, o que aconteceu à época foi uma “questão de eleição”. “Eleição que nas regras da época você tinha financiamento empresarial, e esses financiamentos não eram todos eles contabilizados. Que é aquela coisa que ficou famosa na época, mas eram todos os candidatos”, contou. 

Também sem citar nomes, Azeredo fez referência a outras pessoas que foram investigadas no mensalão mineiro. “O que acontece é que o processo vai caminhando e aqueles que realmente são corruptos se safam. Conseguem sair fora dos problemas”, afirmou.

Outro lado

A reportagem tentou contato com a equipe jurídica que assessora Eduardo Azeredo no processo do mensalão tucano, mas, até o fechamento desta edição, não havia tido resposta.

O que achou deste artigo?
Fechar

Justiça

TJMG pauta recurso final de Eduardo Azeredo
Caracteres restantes: 300
* Estes campos são de preenchimento obrigatório

Comentários (5)

Enviar Comentário

Li e aceito os termos de utilização
Compartilhar usando o Facebook
ou conecte-se com

ATENÇÃO

Cadastre-se para poder comentar

Comentar com Facebook Comentar com Twitter