Recuperar Senha
Fechar
Entrar

Cidades

Ambulatório trans faz 1 ano com quase 2.000 consultas

Unidade é a segunda de MG especializada no processo de transexualização

Enviar por e-mail
Imprimir
Aumentar letra
Diminur letra
Capturar.JPG
Equipe do Ambulatório Trans do Hospital Eduardo de Menezes
PUBLICADO EM 30/11/18 - 03h00

O estudante de filosofia Raul Capistrano nunca se reconheceu em seu gênero designado ao nascimento. Hoje, aos 37 anos, é um homem transexual, mas sempre carregou um passado de sofrimento, desinformação e falta de assistência médica e psicológica. Ele conta que somente no ano passado começou a ter um atendimento médico regular. Há um ano, Capistrano frequenta o Ambulatório Trans do Hospital Eduardo de Menezes (HEM), da rede da Fundação Hospitalar de Minas Gerais (Fhemig), em Belo Horizonte.

Inaugurada em 2017, a unidade completou um ano neste mês e já beneficiou 204 pessoas de oito regiões mineiras, realizando quase 2.000 consultas nas áreas da psiquiatra, endocrinologia, clínica médica, enfermagem, psicologia e serviço social, ginecologia, dermatologia, urologia, proctologia e cirurgia geral.

De acordo com a psicóloga e coordenadora técnica do ambulatório, Andreia dos Reis, a unidade é a segunda no Estado especializada no processo transexualizador.

O acompanhamento gratuito é individualizado e inclui avaliação dos profissionais treinados nos cuidados para a população transexual e travesti. “São pessoas que tiveram a saúde negligenciada a vida inteira. Reverter histórias de sofrimento em histórias de conquista é nosso foco”, destaca.

Despreparo

“Deixamos de passar pelo sistema de saúde não por uma escolha nossa, mas porque não somos acolhidos. A demanda da pessoa trans não é só pelo processo de transição, mas na saúde no geral, é difícil passar até por um clínico geral. O desrespeito começa quando não respeitam a identidade que você escolheu”, diz Capistrano.

 

Serviço do SUS existe no país desde 2008

A atenção à saúde de transexuais e travestis é recente – o tratamento transexualizador é oferecido gratuitamente a pessoas que não se identificam com o gênero designado ao nascimento desde 2008 – e ainda precária no Brasil. O Ambulatório Trans do HEM, em Belo Horizonte, é o segundo no âmbito de serviço público do Estado, mas o primeiro ligado a uma instituição de saúde pública estadual – na Universidade Federal de Uberlândia, no Triângulo, há um ambulatório de atendimento a pessoas trans.

Segundo a Prefeitura de Belo Horizonte, a unidade da capital ainda não está credenciada no SUS. Conforme a Secretaria Municipal de Saúde, falta definir o tipo de serviço que será ofertado no Ambulatório Trans para dar sequência ao credenciamento junto ao Ministério da Saúde. Até que isso aconteça, cirurgias e medicações serão pagas pelos pacientes.

Serviço

Funcionamento. O atendimento é feito toda quinta-feira, das 7h30 às 13h. Interessados devem agendar pelo 31 3328-5055. O ambulatório fica na rua Doutor Cristiano Rezende, 2.213, bairro Bonsucesso.

O que achou deste artigo?
Fechar

Estado

Ambulatório trans faz 1 ano com quase 2.000 consultas
Caracteres restantes: 300
* Estes campos são de preenchimento obrigatório

Comentários (7)

Enviar Comentário

Li e aceito os termos de utilização
Compartilhar usando o Facebook
ou conecte-se com

ATENÇÃO

Cadastre-se para poder comentar

Comentar com Facebook Comentar com Twitter