Recuperar Senha
Fechar
Entrar

Fenômeno

Agora, ela mira a TV aberta

Após bater recorde da estrela da música Rihanna no YouTube, Galinha Pintadinha quer alcançar novos públicos

Enviar por e-mail
Imprimir
Aumentar letra
Diminur letra
Galinha Pintadinha
Personagem 100% brasileira já tem mais de 10 milhões de seguidores em seu canal
PUBLICADO EM 08/03/18 - 03h00

SÃO PAULO. O fenômeno Galinha Pintadinha já está acostumado a bater recordes. O mais recente deles é o de 10 milhões de seguidores no seu canal do YouTube. Uns dias antes, a personagem infantil 100% brasileira já tinha deixado para trás a estrela da música pop Rihanna, quando conseguiu somar 30 vídeos com mais de 100 milhões de visualizações.

Já faz tempo que a Galinha também explora outros territórios, com produtos licenciados, parques temáticos, presença em serviços de streaming de vídeo e até um balão que permitiu a ela literalmente voar. Mas a TV aberta segue como uma barreira na carreira de quase 12 anos.

Não que ela não esteja pronta para a televisão. A Galinha Pintadinha nasceu com esse objetivo. A primeira animação foi publicada no YouTube para ser exibida como um projeto para a TV. Não foi aprovada para o formato, mas o clipe de 2006, que ficou esquecido na plataforma de vídeos que ainda nem pertencia ao Google, acabou virando um fenômeno de acessos.

Hoje, a TV nem é mais encarada como um ápice, e sim mais uma tela a ser conquistada. É o que explica Marcos Luporini, um dos criadores da personagem. “Até hoje só trabalhamos nas plataformas digitais. Agora, temos uma série formatada para a TV. Acho que chegou a hora. Principalmente porque estamos em todas as telas, menos na TV. Estávamos fora apesar do advento da SmarTV, que levou todo esse conteúdo online para a televisão da sala. Hoje as crianças assistem internet no sofá, que era uma coisa que não se fazia até pouco tempo. A série está 100% pronta, e não tem porque esperar”, diz ele, que divide a paternidade da Galinha Pintadinha com seu sócio Juliano Prado.

Hiato. Lançada há pouco mais de um ano, a Galinha Pintadinha Mini tem o formato de série que funciona tanto para a internet como para a TV. No YouTube, o canal extra já soma mais de 1,2 milhão de seguidores. O obstáculo que ainda deixa o fenômeno infantil fora da TV aberta é a redução de programação para este público nos últimos anos, acredita Luporini.

“As TVs abertas tiraram a programação infantil da grade deles por causa de publicidade. Resultado: a criança sintoniza TV aberta e assiste a programas de adulto. É péssimo. Só a criança da TV paga que pode ver conteúdo infantil. Há grupos e organizações não-governamentais trabalhando nisso (redução da publicidade infantil), mas está dando errado. Acredito nas boas intenções deles, mas precisam elaborar melhor a proposta”.

Das quatro principais emissoras de TV aberta, apenas o SBT tem programas dedicados para crianças. A RedeTV! Só lançou recentemente a “Turma do Pakaraka”. Sobra para a TV Cultura suprir a demanda. Mesmo assim, acredita Luporini, Galinha Pintadinha tem chance de ganhar um espaço. “O que muda agora é que a que a Galinha está mais amadurecida, e o interesse das TVs aumenta. Chega em um ponto que está convergindo, por isso acredito muito que vá dar certo”, diz, sem revelar as emissoras com as quais negociam.

Enquanto isso, a Galinha Pintadinha segue levando a cultura brasileira com suas versões de canções do imaginário popular pelo mundo afora. Presente em dezenas de territórios e diversos idiomas, Israel e Coreia do Sul estão nos planos deste ano. “Sonhar é de graça, e a gente sonhou alto. Os recordes são resultado”, orgulha-se Luporini.

O que achou deste artigo?
Fechar

Fenômeno

Agora, ela mira a TV aberta
Caracteres restantes: 300
* Estes campos são de preenchimento obrigatório

comentários (1)

Enviar Comentário

Li e aceito os termos de utilização
Compartilhar usando o Facebook
ou conecte-se com

ATENÇÃO

Cadastre-se para poder comentar

Comentar com Facebook Comentar com Twitter