Recuperar Senha
Fechar
Entrar

Âyiné

Com sede em Veneza, editora publica obras de europeus no Brasil

Além da loja online, livros e ensaios podem ser encontrados em livrarias da cidade, como Quixote, Scriptum, Travessa, Livraria da Rua e Leitura do Pátio Savassi

Enviar por e-mail
Imprimir
Aumentar letra
Diminur letra
0
Capas das obras publicadas pela Editora Âyiné são ilustradas pela designer suíça Julia Geiser
PUBLICADO EM 16/01/18 - 03h00

Navegar no site da editora Âyiné (www.ayine.com.br) pode não significar apenas procurar por livros e ensaios. As ilustrações das capas dos livros, desenhadas pela suíça Julia Geiser, despertam a atenção do internauta. A ideia de estampar as publicações com desenhos peculiares, segundo um dos fundadores da editora, Pedro Fonseca, é tornar os ensaios mais “legíveis”.

“A tentativa, com as ilustrações, é deixar o leitor mais tranquilo para afrontar livros que seriam mais pesados, que tendem a ser mais difíceis. Mas, para lê-los, basta boa vontade”, observa ele.

Fonseca classifica como livros difíceis os “pequenos e médios” ensaios sobre teoria cultural, arte e debate cultural não pautado por ideologias. Para ilustrar essa linha editorial, ele cita a escritora francesa Simone Weil, autora de “Pela Supressão dos Partidos Políticos”, um dos títulos publicados pela Âyiné. “Ela é um pouco inclassificável. Considerada de esquerda, há muita gente da esquerda que não gosta dela, e muitos da direita que gostam”, avalia.

Outro autor lembrado pelo empresário é o filósofo e escritor inglês Roger Scruton, autor de “Confissões de um Herético”, lançada em dezembro. “Os brasileiros gostam muito dele”, conta.

Olhar de fora. As avaliações de Fonseca – nascido em Belo Horizonte, ele é especialista em literatura persa e em sânscrito – são feitas a partir de quem mora em Veneza, na Itália, há 13 anos. Lá, ele fundou a editora, em 2013, com outros dois sócios italianos, também estudiosos de persa e sânscrito. A maior parte das obras da editora é de autores do leste europeu, e os livros são traduzidos para o português e publicados no Brasil.

Além da loja online, as obras da Âyiné podem ser encontrados em livrarias da cidade, como Quixote, Scriptum, Travessa, Livraria da Rua e Leitura do Pátio Savassi, além de em outras capitais do Brasil, como São Paulo e Rio de Janeiro.

Atualmente, a editora tem duas coleções: “Biblioteca Antagonista” e “Pre-Textos”. Em março, Fonseca anuncia que outras duas serão lançadas, uma sobre literatura e outra sobre a esquerda. “A coleção de esquerda vem de uma impressão minha de que a esquerda brasileira está acéfala, ela precisa refletir sobre si mesmo. Ela segue por caminhos que precisam ser repensados. São obras de intelectuais livres”, adianta.

Para o ano que vem. Surgida a partir de uma revista homônima sobre estudos islâmicos, a editora Âyiné publicará, a partir do ano que vem, livros com essa temática. “A revista continua e queremos levar para o Brasil livros e conteúdos de mais qualidade sobre o mundo islâmico”, conta Pedro. Ele ainda ressalta que o nome da editora remete à cultura persa.

O que achou deste artigo?
Fechar

Âyiné

Com sede em Veneza, editora publica obras de europeus no Brasil
Caracteres restantes: 300
* Estes campos são de preenchimento obrigatório
Enviar Comentário

Li e aceito os termos de utilização
Compartilhar usando o Facebook
ou conecte-se com

ATENÇÃO

Cadastre-se para poder comentar

Comentar com Facebook Comentar com Twitter