Recuperar Senha
Fechar
Entrar

Magazine

Filme lança olhar sobre laços afetivos

Longa japonês vencedor da Palma de Ouro em Cannes estreia nesta quinta-feira (10) em Belo Horizonte

Enviar por e-mail
Imprimir
Aumentar letra
Diminur letra
Filme “Assunto de Família”
Filme “Assunto de Família” mostra o lado obscuro de membros de um clã, ao mesmo tempo que aponta inocência de seus atos
PUBLICADO EM 10/01/19 - 03h00

“Assunto de Família” ou “Shoplifters”, seu título em inglês, é um dos fortes candidatos ao prêmio de melhor filme estrangeiro no Oscar deste ano. Vencedor da Palma de Ouro em Cannes, este longa japonês, de Hirokazu Kore-Eda, traz um enredo cheio de surpresas e desconstrói o nosso conceito e o modelo de família. O filme japonês estreia hoje nos cinemas brasileiros.

À primeira vista, o espectador acompanha o cotidiano de membros de uma família tradicional, mas pobre, que vive amontoada em uma pequena casa e sobrevive, principalmente, de pequenos golpes e furtos. Eles querem sempre levar vantagem e são loucos para conseguir um dinheiro de pensão, indenização etc. Tudo, menos ter de trabalhar. Apesar de viver com simplicidade, a família parece feliz e sempre encontra um modo de celebrar a vida.

A avó, Hatsue, aparece como a grande líder. Sábia, a senhora usa sua aparência frágil e seu passado triste para ganhar um trocado. Sua neta, uma moça atraente, ganha dinheiro como garota de programa. O casal Osamu e Nobuyo, que também vive às custas da avó, adora um golpe. Osamu ensina o aparente filho pré-adolescente (que nunca o chama de pai), Shota, a roubar. Assim, os dias passam até que, em um dos roubos, eles encontram uma garotinha de 8 anos. A menina, Juri, não quer voltar para sua verdadeira família, pois sofre maus-tratos, e é acolhida pelos golpistas.

O filme traz as atividades cotidianas da família de forma delicada e faz com que o espectador se envolva e se importe com os membros desse clã, cuja ética é bem questionável. Impossível não querer bem ao casal, após acompanhar a alegria dos dois em um sedutor almoço; ou achar que Nobuyo é um doce de criatura quando envolve a garotinha em seus braços. O espectador se sente mais ou menos como a menina que chega, observa, reconhece os erros, mas não deixa de ter carinho por aquelas pessoas.

Após um passeio em família à praia, porém, um incidente toma conta da história, e o enredo sofre uma reviravolta. Ao ver a garotinha praticar seu primeiro roubo, o adolescente começa a questionar esse ato e toma uma decisão que afetará a família e levará o espectador a enxergar os personagens sob outro ângulo.

Apesar de ver o lado mais escuro das personalidades de todos os personagens, em especial do casal, é impossível não acreditar na inocência de seus atos. Para o homem, só havia uma coisa que ele podia ensinar a seu suposto filho: roubar. Já a mulher só queria liberar todo seu amor materno. A avó, por sua vez, preferia ter uma família torta a morrer sozinha. Ela lança a questão que circunda a trama: afinal, os laços familiares se dão somente pelo sangue ou o amor pode ser mais forte quando estamos ao lado das pessoas que escolhemos?

Como disse a atriz Cate Blanchett ao anunciar a Palma de Ouro para “Assunto de Família”, em Cannes, o desfecho do filme é desconcertante. O diretor nos faz questionar os nossos conceitos até mesmo de solidariedade.

Outras estreias

“Amigos para Sempre”. Filme com Bryan Cranston, Nicole Kidman e Kevin Hart explora a relação entre um paraplégico e um rapaz problemático que ele contrata como assistente.

“Máquinas Mortais”. Com produção de Peter Jackson, essa ficção científica, de Christian Rivers, retrata um futuro desolador, em que o governante de Londres, uma cidade sobre rodas, quer tomar o poder do mundo ao construir uma arma mortal.

“Yara”. Abbas Fahdel conta um romance de verão numa fazenda do Líbano.

O que achou deste artigo?
Fechar

“Assunto de Família”

Filme lança olhar sobre laços afetivos
Caracteres restantes: 300
* Estes campos são de preenchimento obrigatório
Enviar Comentário

Li e aceito os termos de utilização
Compartilhar usando o Facebook
ou conecte-se com

ATENÇÃO

Cadastre-se para poder comentar

Comentar com Facebook Comentar com Twitter