Recuperar Senha
Fechar
Entrar

Canal Brasil

O lado libertário do topless

Série documental que estreia faz uma defesa apaixonada da prática como tópico fundamental na agenda feminista

Enviar por e-mail
Imprimir
Aumentar letra
Diminur letra
topless
Série documental traz a nudez feminina como ato revolucionário na cultura brasileira
PUBLICADO EM 08/03/18 - 03h00

SÃO PAULO. Ana Paula Nogueira não se preocupou em tomar distância do tema que aborda em “Rio de Topless”, série documental apresentada a partir de hoje, às 21h, no Canal Brasil. Ela faz, na direção do trabalho, uma defesa apaixonada do topless como tópico fundamental na agenda feminista.

Em seis episódios, a série conta como mulheres brasileiras – e algumas estrangeiras – ousaram colocar os peitos de fora em praias cariocas.

Janis Joplin e Ângela Ro Ro estão nos primeiros capítulos. Leila Diniz também – embora não haja registro de que a atriz tenha aderido à prática, ela é retratada pelo comportamento libertário, inclusive recusando participar de manifestações feministas.

Artistas e acadêmicos situam narrativa em seu contexto histórico. Frederico Mendes é entrevistado como autor do primeiro registro, na imprensa, de topless no Rio, em 1972. “Olhei para o lado, tinha uma menina linda andando com os seios de fora, tinha flores na cabeça, uma coisa flower power”, ele descreve.

A série começa nesses anos, quando a praia de Ipanema viu o topless surgir; depois, passa pela repressão pelos militares na mesma década e recrudescida nas seguintes.

Abrange ainda a contradição da liberação dos peitos na Sapucaí, justo nesse período em que o movimento topless recua; por fim, chega à atualidade, questionando a censura aos mamilos femininos pelo Facebook e retratando as manifestações permitidas pelos blocos de Carnaval com perfil feminista.

A visão da jornalista Nogueira não é de espectadora ou de pesquisadora alheia. Ela já fazia topless em Lisboa e outras praias da Europa. Diz que Portugal é um país católico e que, portanto, “isso não é desculpa”. E que, na França, há lojas que vendem apenas a parte de baixo do biquíni para as mulheres, tão naturalizado é o topless.

Quando voltou ao Rio, há cerca de cinco anos, decidiu participar de um movimento recrutado em rede sociais, o Toplessaço. Diz que foi a primeira mulher a tirar a parte de cima do biquíni, durante o primeiro encontro em 2013.

Nessa primeira manifestação, incomodou-se com a baixa adesão. “O fato de elas não tirarem (a parte de cima), e de ter um monte de gente que confirmou presença mas não apareceu me fez perceber que a galera estava receosa.”

Em um segundo momento, começaram a aparecer fotógrafos, e as reportagens proliferaram até fora do país, diz. “Muitos textos debochavam do movimento. Não esperava aquele circo. Ali percebi que era um assunto.”

Além da série documental, ela também tem o projeto de um livro homônimo.

A perspectiva pessoal a levou a prescindir de opiniões contrárias, inclusive de partes contestadas. Criticado na série, o Facebook não é ouvido. “Não é uma reportagem, é um documentário com a minha visão. Além disso, eu tive perfil bloqueado e tentei de várias maneiras falar com eles. Nunca responderam. Não pensei em procurá-los.”

Direitos autorais. Em sua cruzada pelos benefícios do topless (há inclusive entrevistados falando sobre aspectos da saúde), Nogueira relata ainda a dificuldade de conseguir direitos autorais para tornar públicas as imagens que reuniu.

“Houve pessoas que não autorizaram. Envelheceram e não querem sua imagem relacionada a seios nus”, diz. “"Muitas mulheres, depois dos 40, encaretam pela pressão da sociedade. E muitas foram libertárias lá atrás”, diz.

Retratada em um capítulo que analisa a presença do corpo feminino no Carnaval, Monique Evans, a musa da Sapucaí nas décadas de 80 e 90, diz Nogueira, nem respondeu aos pedidos de autorização de utilização de sua imagem. “Vou continuar tentando para o livro”, conta.

Estrela. Bruna Marquezine surpreendeu seus seguidores, anteontem, ao compartilhar em suas redes sociais uma foto em que aparece de topless, cobrindo os seios com os braços. A imagem faz parte de um ensaio que Bruna fez com a fotógrafa Bruna Moreira, sua amiga, que reside em Nova York. A atriz já havia compartilhado outros cliques há alguns meses.

FOTO: Bruna Marquezine/divulgação
Bruna Marquezine
 

 

O que achou deste artigo?
Fechar

Canal Brasil

O lado libertário do topless
Caracteres restantes: 300
* Estes campos são de preenchimento obrigatório

comentários (2)

Enviar Comentário

Li e aceito os termos de utilização
Compartilhar usando o Facebook
ou conecte-se com

ATENÇÃO

Cadastre-se para poder comentar

Comentar com Facebook Comentar com Twitter