Recuperar Senha
Fechar
Entrar

Artes visuais

Reunidos para pensar um futuro possível

Projeto Sesc Confluências promove debate entre artistas visuais de todo o Estado no Palladium neste fim de semana

Enviar por e-mail
Imprimir
Aumentar letra
Diminur letra
franciscaporali.jpg
Francisca Caporali será uma das mediadoras do debate que acontece neste domingo no Sesc Palladium
PUBLICADO EM 13/09/18 - 17h25

Lançado neste ano para debater e promover as artes visuais em Minas, o projeto Sesc Confluências realiza um grande encontro com artistas de todo o Estado nesta sexta e sábado (14 e 15) para discutir as atuais fragilidades e potencialidades da área. Os dois dias de imersão vão resultar em um grande debate aberto ao público no domingo, às 16h, no Sesc Palladium. O evento vai contar com os 17 artistas convidados – de cidades como Juiz de Fora, Pouso Alegre e Conceição das Alagoas – e com a mediação do pesquisador, crítico e curador Daniel Toledo, do artista e curador Divino Sobral, e de Francisca Caporali, fundadora e coordenadora artística   do JA.CA - Centro de Arte e Tecnologia. 

“Para mim, é interessante conviver com artistas fora de Belo Horizonte porque tenho uma rede nacional extensa, por causa do JA.CA, mas tenho pouquíssimos contatos estaduais. E é muito importante dar voz a gente de fora para que as discussões não fiquem só nos problemas da capital”, argumenta Francisca. Segundo ela, a própria hierarquização desses problemas tem sido fortemente abalada e alterada nas últimas semanas, especialmente após o recente incêndio do Museu Nacional, no Rio. “É difícil pensar em outra coisa com a possibilidade do início de uma Abram (Agência Brasileira de Museus) e o que isso traz de impacto na cultura. É muito emocionante acompanhar a construção de uma política de museus”, admite. 

Mesmo com toda a crise, porém, e a tendência de focar apenas no que está errado ou ruim, Francisca acredita que o encontro é uma grande chance, e rara, de estabelecer contatos, parcerias, e tentar criar uma rede de trocas no Estado – seja por meio de plataformas ou eventos. “Temos a possibilidade de entender que cada região tem sua vocação, uma identidade cultural forte. E na reclamação, acabamos não trazendo isso, não apresentando a potência de cada lugar, o que podemos fazer juntos. É um espaço de colaboração e reconhecimento de que a batalha continua”, avalia. 

Em Belo Horizonte, a mediadora acredita que os artistas encontraram formas criativas de responder à crise dos últimos anos – especialmente na ocupação de espaços públicos, em ações como a Praia da Estação. “A cultura viveu em crise por muito tempo e produziu muita coisa, criou projetos que mobilizam o público. Temos potência de nos autogestionar e elaborar iniciativas que permitam que os processos artísticos possam existir nesse momento tão incerto”, reflete. 

Para ela, esse encontro com o público, e a conscientização da importância da cultura, música, poesia, é a grande esperança de perspectivas positivas para o futuro. “Já conseguimos plantar essa semente em muitas pessoas, e acho que isso é um ganho, apesar de toda a incerteza que a gente vive agora”, celebra.

 

Agenda
O quê. Sesc Confluências – Debate entre atores culturais das artes visuais em Minas Gerais
Quando. domingo, 16/9, às 16h
Onde. Sesc Palladium – avenida Augusto de Lima, 420, Centro
Entrada gratuita

O que achou deste artigo?
Fechar

Artes visuais

Reunidos para pensar um futuro possível
Caracteres restantes: 300
* Estes campos são de preenchimento obrigatório
Enviar Comentário

Li e aceito os termos de utilização
Compartilhar usando o Facebook
ou conecte-se com

ATENÇÃO

Cadastre-se para poder comentar

Comentar com Facebook Comentar com Twitter