Recuperar Senha
Fechar
Entrar

'Benzinho'

Um retrato do Brasil sustentado pela sutileza

Longa dirigido por Gustavo Pizzi que estreia nesta quinta (13) foca numa família lidando com reveses cotidianos

Enviar por e-mail
Imprimir
Aumentar letra
Diminur letra
Capturar.JPG
Personagens. Irene (Karine Teles) e Klaus (Otávio Müller) formam o casal central do filme “Benzinho”
PUBLICADO EM 13/09/18 - 03h00

Assim como “O Som ao Redor”, “Que Horas Ela Volta?” e “Aquarius” nos últimos anos, o maior mérito de “Benzinho” é sua capacidade de fazer um retrato quase mediúnico do Brasil hoje. A imagem do filho que vai para fora do país – deixando para trás uma família cheia de questões não-resolvidas, uma casa velha em ruínas, e uma nova pela metade – é o reflexo perfeito de tantos jovens que têm partido para Lisboa, Canadá, ou outro destino, em busca de alguma esperança, abandonando um Brasil atualmente quebrado, estagnado entre o ímpeto da mudança e a manutenção de privilégios.

É claro que, quando começou a pensar e escrever o filme, há mais de três anos, Karine Teles não tinha como prever isso. Mas a atriz, que também protagoniza o longa, acredita que o retrato político mais macro que ela e o diretor Gustavo Pizzi desejavam fazer – desse próprio momento de transformação por que passa o país – ainda se sustenta. “O longa fala da necessidade de transformação. Aquela casa antiga, em que a mãe cuida dos filhos, o pai vai trabalhar, a irmã é abusada, não se sustenta mais. Está cheia de rachaduras e, se não mudar, vai cair na cabeça de todo mundo. E essa família dá as mãos uns para os outros e acredita que, se atravessarem juntos, vai dar certo”, ela descreve.

E não é por acaso que essa imagem da família de mãos dadas, atravessando a rua rumo ao mar, abre o longa que estreia nesta quinta-feira (13). O plano, com os personagens pequenos, quase esmagados, diante de um céu enorme, cheio de possibilidades e adversidades, é uma síntese do filme: uma obra delicada, sobre pessoas comuns e suas agruras cotidianas, que elas enfrentam com a ajuda do afeto que sentem uns pelos outros.

“Benzinho” começa quando Fernando (Konstatinos Sarris), o mais velho dos quatro filhos de Irene (Teles) e Klaus (Otávio Müller), é convidado para jogar handebol na Alemanha. Ao mesmo tempo em que precisa enfrentar essa separação precoce e inesperada, Irene tem que lidar com sua formatura no Ensino Médio, que ela acabou de completar; com a irmã Sônia (Adriana Esteves) que vem morar com eles numa casa caindo aos pedaços, fugindo do marido abusivo (César Troncoso); e com o fechamento da livraria do marido, um eterno sonhador à beira da falência.

O roteiro de Pizzi e Teles cria uma metáfora sutil e perfeita para essa versatilidade malabarista da protagonista na própria posição de Fernando. Uma das funções esportivas mais ingratas, o goleiro de handebol está ali para receber bolada e pancada de todos os lados, salvando os milagres que forem possíveis – com cada defesa sendo celebrada como uma vitória, um gol. E essa é basicamente a vida de Irene. “A gente tinha uma cena dela jogando no gol às vésperas da viagem do Fernando, mas acabamos cortando na montagem porque achamos que a metáfora já estava dita de outras maneiras no filme”, admite Karine.

Essa sutileza e essa recusa a mensagens óbvias e “grandes” cenas é um dos maiores méritos do longa. “Benzinho” é um filme pequeno, sem reviravoltas melodramáticas, e totalmente alicerçado em seus personagens – uma família comum, de gente barulhenta, desorientada, imperfeita. “É uma casa muito parecida com a da minha avó, sempre muita gente, muito primo, tio, muita criança, muito barulho”, conta a atriz. E tudo começa e termina neles: o humor vem dos adoráveis gêmeos filhos do casal (filhos de Karine e Gustavo na vida real); o drama vem do equilíbrio entre introspecção e explosão, dignidade e despreparo, que Esteves empresta a Sônia; e a subversão vem da própria escolha do handebol, um esporte pouco popular no país. “A gente queria falar da paixão do garoto pelo que faz, e não de um sonho de vitória, de riqueza, ele não quer ser o próximo Neymar”, argumenta Karine.

E se o elenco inteiro transforma esses personagens em pessoas que todos conhecemos, o grande destaque é, sem dúvida, o trabalho de Karine Teles como Irene. Na cumplicidade protetora que ela estabelece com a irmã, na falta de paciência carinhosa com os filhos e no olhar afetuoso que dirige a todos ao seu redor, a atriz sintetiza toda a simplicidade humana buscada por “Benzinho” e toda a complexidade de uma mulher que é mãe, irmã, esposa, empresária, estudante e roqueira, imperfeita, tudo ao mesmo tempo. É nela e no olhar que ela dirige a um dos filhos no plano final que o filme enxerga um futuro possível, esperançoso – e, definitivamente, feminino.

O que achou deste artigo?
Fechar

'Benzinho'

Um retrato do Brasil sustentado pela sutileza
Caracteres restantes: 300
* Estes campos são de preenchimento obrigatório
Enviar Comentário

Li e aceito os termos de utilização
Compartilhar usando o Facebook
ou conecte-se com

ATENÇÃO

Cadastre-se para poder comentar

Comentar com Facebook Comentar com Twitter